Fenômeno: essa talvez seja a descrição mais precisa para definir a artista japonesa Yayoi Kusama. Seu trabalho solidamente expressivo e cheio de formas resulta numa carreira de 65 anos no mundo da arte. Para celebrar o marco, uma exposição comemorativa foi montada na Galeria de Arte Moderna de Brisbane, na Austrália.

Kusama foi uma das pioneiras da pop-art, influenciando Andy Warhol e tendo como mentora Georgia O’Keeffe. Feminista, se instalou no final dos anos 50 em Nova York, fugindo da cena de arte japonesa, tradicionalmente conhecida como conservadora e patriarcal.

Sua arte é bastante conhecida pela repetição de padrões, formas, cores, espelhos e abóboras – considerada um símbolo de segurança pela artista, já que sua família  as cultivava como se fossem crianças, e também porque sua forma sugere sua “generosa despretensiosidade” e “sólido equilíbrio espiritual“. Essa fixação por meios e formas repetitivas é fruto de uma mente obsessiva-compulsiva e Yayoi nunca escondeu o fato. Em 1977, ela mesma se internou no hospital Seiwa de Tóquio, para pacientes psiquiátricos, e ainda vive lá voluntariamente.

A exposição de Kusama, batizada de “Life is The Heart of a Rainbow” (em português “A Vida É o Coração de Um Arco-Íris”) é resultado de uma intensa pesquisa focada no trabalho da artista desde a década de 50, e procura mostrar o engajamento dela com o corpo e com sua concepção de espaço. A exibição é notoriamente sensorial, e inclui experiências pictóricas do início de sua carreira, suas célebres pinturas em rede, performances, esculturas suaves e suas icônicas “salas infinitas”. A exposição culmina com uma apresentação das pinturas mais recentes de Kusama, da série “My Eternal Soul”, iniciadas em 2009 e ainda em curso.

O trabalho icônico de Yayoi Kusama lotou a Galeria de Arte Moderna de Brisbane por décadas, e toda a experiência e o olhar aguçado se misturam com luzes brilhantes, muitos espelhos e outras peças menos conhecidas, causando um mistro de estranheza e, às vezes, até claustrofobia.

“Life is The Heart of a Rainbow” foi co-produzida por Ruben Keehan e Adele Tan, que declararam não terem tido trabalho algum em encontrar o suficiente para uma nova exposição, mas sim para selecionar apenas algumas das obras de uma das artistas mais prolíficas do mundo, e que foi reconhecida em  2014 como a artista favorita do mundo.

O ato principal é a “sala infinita”, Soul Under The Moon, que foi projetada exclusivamente para a Galeria de Arte de Queensland em 2002, e que consiste em uma sala escura e espelhada, com uma infinidade de bolas de ping-pong iluminadas rodeiam os espectadores, a uma distância curta, de um braço.

Uma das instalações mais famosas de Yayoi Kusama, Soul Under The Moon

Em uma outra sala, a mais colorida da exposição, uma escultura com chifres salta sobre as mais novas pinturas de Yayoi Kusama. A marca registrada da japonesa, os polka dots (os pontinhos) se repetem nas mais diversas obras por toda a galeria, de forma assustadoramente orgânica, em diferentes cores e tamanhos.

Os famosos polka dots de Yayoi Kusama

Luzes neon fazem as salas mudarem de cor, assim como os dentes e unhas dos espectadores; ilusões de ótica que fazem as pessoas quase perderem o funcionamento perfeito de seus sistemas sensoriais; uma instalação que replica uma vulva, e que emite uma forte luz branca de onde supostamente estaria o clitóris; um mar de pontos pretos e amarelos (notoriamente o padrão favorito de Yayoi) que lembram a casca das tão amadas abóboras; uma sala repleta de desenhos em preto e branco, que variam desde linhas espremidas, caras flutuantes, olhos, figuras humanas, repetidas de forma obsessiva e quase alucinógena, no que os curadores acreditam ser a representação mais fiel da mente de Kusama. Toda a sua arte e manifesto exposto de forma gritante, como uma multiplicação cuidadosa da loucura tentando alcançar o infinito: se fosse possível resumir 65 anos de uma mente tão brilhante e inquieta, talvez essa exposição seria o mais próximo de um retrato fiel.

Woman’s Castle – a réplica de uma vulva

“Life is The Heart of a Rainbow” é um verdadeiro e intenso convite a se aproximar de uma loucura crua e resplandescente. A exposição fica em exibição até 11 de fevereiro do próximo ano.