“A arte tira as pessoas do lugar, da sua zona de conforto”.

Talvez essa seja a questão da série Gilmore Girls. Ela não só te tira, como te coloca como uma moradora da cidade do interior, Stars Hollow. Ela te deixa mal-acostumado, já que, quando as letras de cada episódio começam a subir, você se toca de que o seu mundo real não é tomar café, almoçar e jantar no Luke’s; não é encontrar seu vizinho doido chamado Kirk e vivenciar seus dilemas; não é ir para Chilton e estudar com Rory, Paris e o resto da turma ou ir para o Independence Inn e trabalhar com Lorelai, Michel e Sookie. E, antes que eu me esqueça, às sextas, nós não estaremos degustando do jantar de uma das empregadas (não sabemos qual será no momento) da Emily no Friday Night Dinner. É, talvez nossas vidas não sejam tão doidas e divertidas o quanto esperávamos.

“Gilmore Girls” é uma série que durou 7 temporadas, com 153 episódios ao todo. Conta a história de Lorelai Gilmore e Lorelai Gilmore. Sim, a mãe deu o seu próprio nome à filha, por estar anestesiada e não conseguir pensar em nenhum outro. Além disso, ela tinha apenas 16 anos e estava sozinha no hospital, por ter um péssimo relacionamento com seus pais. Sempre se achou no direito de tomar suas próprias decisões, fazer o que der vontade, sem pensar em nenhuma consequência. Ela poderia ter se casado com o pai de Rory (deram um jeito para não rolar confusão com os nomes), mas ela acreditava conseguir tudo sozinha. Saiu de casa e foi parar na cidadezinha de Stars Hollow, onde começou trabalhando como arrumadeira na pousada em que, depois, virou gerente. Mas a história não se restringe a essas duas, não. Conheceremos a história de Luke, o dono do restaurante; Lane, a melhor amiga de Rory que tem uma mãe super protetora; Taylor, o prefeito da cidade que adora controlar a todos; Jackson, o agricultor que vive em discussões com Sookie, a cozinheira da pousada onde Lorelai trabalha e várias outras figuras insubstituíveis. Conforme os sete anos passam, você não só decora os defeitos e qualidades de todos os habitantes, como faz uma análise psicológica e compreende o motivo de todos serem como são.

Sendo assim, para que o público que não tenha assistido – ainda! – possa acabar com suas dúvidas de vez e, os fãs relembrarem os bons tempos, segue abaixo 8 motivos para coroar Gilmore Girls como uma das melhores séries já feitas:

1. Os melhores diálogos

( Se for para jogar sua vida fora, é melhor que ele tenha uma motocicleta!)

Até os que nunca assistiram a obra do casal Palladino sabem que o forte da série são os diálogos. Não importa qual seja o momento, Lorelai Gilmore (Lauren Graham) sempre tem uma resposta bem bolada na ponta da língua, como visto no gif acima. É praticamente impossível não rir em 90% do tempo. Seja para fugir das ligações de sua mãe Emily (Kelly Bishop), fazer com que Michel (Yanic Truesdale) trabalhe ou desabafando com sua hilária melhor amiga, Sookie (Melissa McCarthy), a mãe de Rory consegue com que todos fiquem “gilmorizados” e falem, além de comentários inteligentes, o mais rápido que puder. Com o tempo e tomando uma dose de, no mínimo, dois episódios por dia, qualquer um chega no objetivo.

2. Personagens secundários? Existe isso?

Por mais que a série gire em torno dos problemas da mãe e filha, há muitas histórias sendo contadas em paralelo. Todos conhecerão as aventuras de Lane (Keiko Agena) que, apesar de ser criada com uma mãe super religiosa e protetora, tem gostos bastante diferentes e consegue ser uma adolescente normal (dentro do possível); os dilemas diários vividos por Kirk (Sean Gunn), que é um adulto infantilizado e que ainda mora com a mãe; a difícil convivência de Luke com o sobrinho rebelde, Jess Mariano, interpretado por Milo Ventimiglia, entre outros. Ou seja, mesmo que a trama seja sobre a vida da família Gilmore, os demais personagens não ocupam papéis secundários, visto que a maioria aparece em quase todos episódios e com assuntos relevantes a serem tratados.

3. Dicas grátis de filmes, seriados e livrosAo longo das sete temporadas – com o revival, contamos como 8? –, houve mais de 300 livros citados na série. Isto é, basicamente, uma boa lista para você acompanhar pela sua vida inteira. Fora as obras literárias, em vários episódios há maratonas de filme sendo feitas por Rory e sua mãe no final de semana. Se tiver sem ideias sobre qual filme ou série começar a assistir, recorra a dupla Gilmore. Além da sessão pipoca, é possível ver a presença cultural na vida dos personagens da série em diversas situações, seja em uma comparação, discussões calorosas entre Jess e Rory sobre os livros que ambos leram ou até mesmo quando Lorelai está na fossa por ter terminado com um ex (não vou dar spoiler!) e, os compara com o casal Katie e Hubbell em “ Nosso amor de ontem”.

4. #Somostodosgilmoregirls (Cuidado: contém spoilers!)

( Volte para o seu pijama, vá para a cama, coma nada menos que galões de sorvete e toneladas de pizza)

Brincadeiras à parte, a série consegue fazer com que nos identifiquemos com os personagens e suas situações vividas. Por exemplo, quando Rory termina o namoro e se recusa a ficar na fossa; quando Paris (Liza Weil) não é aceita na faculdade que queria; quando Lane não consegue se declarar para Zach (Todd Lowe) ou, até mesmo, quando Mitchum Hutzberger (Gregg Henry), pai do namorado de Rory e dono de vários jornais importantes, a magoa e não a considera boa o suficiente para o ramo jornalístico. Isto é, todos sofrem com obstáculos similares aos encontrados na vida real e, em certos casos, é possível tirar algum ensinamento deixado por algum de nossos personagens preferidos.

5. Pessoas como a gente


Em muitas séries, vemos que os personagens vivem com bastante luxo e fazem grandes viagens o tempo todo. Contudo, mesmo com a ótima situação financeira de Emily e Richard Gilmore (Edward Herrmann), os demais personagens vivem tranquilamente sendo da Classe Média e conseguem ser felizes fazendo programas normais. Cansamos de ver Rory e Lorelai vendo um filme caseiro, escutando música no som, indo fazer compras em lojas comuns e, por incrível que pareça, dançarem enquanto o computador não liga. Além disso, elas comem fast-food, compram dezenas de doces para lanchinhos durante suas noites dedicadas a filmes e, diferentemente de muitos casos vistos em filmes e séries, elas repetem roupa, sim.

6. Ausência de vilõesSim, você não leu errado. Em Gilmore Girls, não há vilões. Não tem essa rivalidade entre o bem e o mal, por, simplesmente, mostrarem que, em muitos casos reais, nós somos os próprios vilões de nossas histórias. Nós tomamos muitas decisões erradas e acabamos nos prejudicando. Afinal, somos humanos e temos o direito de errar. Sendo assim, nada como representar a realidade com os personagens da obra. Veremos muitos erros de Emily, Lorelai, Luke, Jess, Rory e os demais. É normal, ao longo da vida, escolhermos caminhos errados e isso é claramente desenvolvido nas relações existentes na cidade de Stars Hollow.

7-Amor pela profissão

Nos tempos atuais, é importante existir uma série que mostre o quão essencial à nossas vidas é gostar do que fazemos. Seja Lorelai trabalhando como gerente na pousada, Sookie cozinhando dia após dia, Sra. Kim vendendo suas antiguidades e Jackson cuidando de seus legumes e verduras, é possível perceber que o amor pela profissão aparece numa posição acima do dinheiro. Elas demonstram que, apesar das barreiras existentes, pode-se escolher o que te dá prazer e viver disso.  Em uma das temporadas, Richard dá a ideia para fazer franquias do restaurante Luke’s, mas o dono encontra-se satisfeito com o único que tem, da mesma forma que Lorelai gosta da simplicidade de sua pousada com Sookie, sem querer modernizá-la a fim de obter mais lucro.

8. Crescer junto (Mais um pouco de spoilers)Por ser uma série de sete temporadas, foi possível crescer junto com a maioria dos personagens e ver o que eles conseguiram para suas vidas adultas. Rory passou do Ensino Médio e acaba se formando em Yale; Jess deixa o seu lado inconsequente e consegue achar uma luz no fim do túnel e até mesmo Kirk consegue arranjar uma louca que aceite ser sua namorada. Todos acham um caminho a ser traçado e o mais gratificante é saber que estivemos lá o tempo todo, como se fizéssemos parte da família.

Além dos motivos citados, é nítida a adoração dos fãs e do próprio elenco pela história, visto que um revival, após 9 anos do término, foi realizado e todos quiseram retornar para esse mundinho em que fomos felizes um dia.