O Centro Cultural Banco do Brasil mais uma vez surpreende com o ciclo de cinema “Mulheres em cena”. Em um ambiente onde a família é aparentemente patrilinear, a mostra reúne filmes de diretoras latino-americanas conceituadas no meio cinematográfico e que, não por serem mulheres, e sim por apresentarem-se como grandes talentos, brindam os espectadores amantes da sétima arte com temas como a sexualidade, a política, o social e por que não a discriminação contra a mulher?

Dentre os países que reúne os filmes premiados, estão Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Venezuela e Peru. Além da mostra, o ingresso dá direito a debates com as diretoras Tata Amaral, Laís Bodanszky, Lúcia Murat, Lucrecia Martel, Mariana Rondón, Marialy Rivas, Paz Encina além de outros convidados a debater o assunto.

E como destaca a própria chamada do evento, ao afirmar que é uma exibição de longas

“de uma geração de mulheres que lutou por muitos anos para conseguir um lugar de destaque tanto no mercado nacional como no internacional”,

aceita-se a nova ordem que, afinal, se trouxe à mulher a alegria de um pouco de liberdade sob a perspectiva feminina diante dos acontecimentos mundo afora.

Destaque para o longa “Bicho de sete cabeças” já conhecido do grande público brasileiro, de Laís Bodansky, que narra o drama de um jovem internado em um hospital psiquiátrico e ” A menina santa” da argentina Lucrécia Martel que aborda o misticismo além do abuso contra a mulher.

“Dizem que a mulher é o sexo frágil, mas que mentira absurda, eu que faço parte da rotina delas, sei que a força está com elas.”

Trecho da canção ‘Mulher (Sexo Frágil)’ de Erasmo Carlos


Por Susana Savedra