São Paulo. Uma das cidades mais globalizadas do planeta, capital do Estado de São Paulo e a mais populosa do Brasil. Em 25 de janeiro desse ano completou seus 463 anos e tem muita história para contar. E assim, artistas e escritores encontram nela inspiração para suas obras e surgem trabalhos como “Histórias Paulistanas”, que traz através dos quadrinhos várias realidades dentro da capital paulista.

Lica de Souza é a responsável pelo roteiro. Mestre em filosofia e produtora cultural, também tem roteiros de sua autoria na coletânea “3 histórias de terror e uma nem tanto”. Os desenhos e cores ficaram por conta de Flávio Luiz, que já ganhou três vezes o prêmio HQMix e duas vezes o Salão Internacional de Humor de Piracicaba. É autor de “Aú, o capoeirista”, “O Cabra”, “Jayne Mastodonte” e das tirinhas “Rota 66” e “Jab, um lutador”. Parceiros na vida e nos quadrinhos, podemos ver a harmonia da dupla em cada página dessa obra.
Um dos maiores destaques fica para a maneira como as histórias são contadas é muito interessante, pois cada uma delas é ligada por algum fato da anterior, fazendo com que todas as tramas façam parte de uma maior, assim como os vários indivíduos fazem com que a cidade tenha vida própria. São situações que vivemos em nosso dia a dia tratadas de maneira poética, não importa quão trágica seja, podemos ver como há beleza na saudade, no reencontro, na melancolia, na vida e, de certa forma, até na morte. Pequenos gestos contados e representados de maneira grandiosa!

Flávio Luiz é mestre na arte de reproduzir emoções. Seus personagens são expressivos, intensos, e ele aproveita ao máximo a linguagem dos quadrinhos, fazendo com que cada página transborde sensações tão reais que nos leva para dentro da história, sentindo a alegria, a tristeza e a angústia de cada personagem. Assim como os desenhos, as cores contribuem com a narração de forma extraordinária, tornando as emoções de cada cena ainda mais intensas. Uma obra que não pode faltar na coleção de quem aprecia uma boa História em Quadrinhos, e muito menos na dos admiradores da grandiosa cidade de São Paulo!

E outra sugestão para os amantes da querida Sampa é a exposição “Entrelinhas Urbanas”. O projeto da SÊ-LO (produtora de arte independente) surgiu com a ideia de mostrar além do espaço físico, a diversidade de talentos presentes na tão grande e diversificada cidade de São Paulo, através das obras de 96 artistas, que retrataram cada um dos 96 distritos do município, cada um com sua expressão artística, tendo total liberdade para isso. Dessa forma, temos arte digital, óleo sobre tela, gravuras, bordado e muito mais, em um conjunto que retratou a “terra da garoa” em uma homenagem digna de ser vista!

Os trabalhos não poderiam estar expostos em lugar melhor. Na Praça das Artes, complexo cultural que já abrigou grandes exposições, como a de Mafalda (Quino), você encontrará reproduções das obras com os textos de cada artista sobre a inspiração e o bairro que retratou. A exposição teve seu início no dia 6/4 e você tem até o dia 24/06 para visitar (terça à sexta das 10h às 20h e aos sábados das 10h às 18h).

Esse conjunto de obras além da exposição virou também um livro de arte, dando ao público a oportunidade de ter em sua coleção particular a reprodução de cada obra. O livro é organizado de maneira surpreendente, por regiões e com mapas mostrando a localização exata de cada distrito mencionado, assim como o texto integral de cada artista participante junto com uma breve biografia.

Seja na arte sequencial, seja nas telas ou em qualquer outra forma de expressão artística, São Paulo está presente, e essas dicas de hoje trazem o que a cidade tem de melhor. Sua diversidade, sua mistura de povos e estilos, seus contrastes, suas qualidades e seus defeitos, a pobreza e a riqueza tão próximas uma da outra, e dentro desse contexto: Os indivíduos. Indivíduos como personagens nas páginas de uma História em Quadrinhos. Indivíduos como artistas com visões totalmente diferentes do mundo que os cerca. Milhares de peças, pequenas e por vezes ignoradas pela grande máquina, mas sem as quais ela certamente não funcionaria.