A artista fala sobre processos criativos, inspirações e trajetória em três mini docs produzidos pela Dox Conteúdo.

Andréa Tolaini iniciou a carreira artística em 2012, após oficializar que a publicidade não era seu caminho. Antes disso, em 2009, começou uma redescoberta de si mesma a partir do falecimento de sua mãe, a também artista visual Maria Inês Tolaini. Depois deste acontecimento, questionou a vida e a morte, suas reais motivações em estar no mundo e sua conexão com a espiritualidade. Dali pra frente, amadureceu ideias sobre arte, se demitiu do emprego em uma agência de comunicação digital e seguiu ao encontro de seus ideais.

Conhecida por sua arte visceral, Andréa Tolaini fez as primeiras obras baseada nas dores e prazeres em ser humana e, principalmente, mulher.

“Estou em uma busca incessante pelo autoconhecimento e entendimento do universo feminino. Quando comecei a conviver mais intensa e profundamente com outras mulheres, percebi que meus impulsos, minha força e minhas fraquezas se conectam com a delas”, ressalta.

No primeiro capítulo, lançado em janeiro de 2017, a artista conta sobre a influência do feminismo em seu trabalho e como suas vivências pessoais se misturam aos desenhos que produz. No segundo episódio, divulgado em março, o público conhece um pouco sobre os experimentos que realiza com a natureza.

Este slideshow necessita de JavaScript.

CLOSE
CLOSE