Que são tempos sombrios para os trabalhadores da arte, isso já está mais do que entendido e sentido, porém é em meio ao caos e as dificuldades que muita gente se movimenta e consegue virar o jogo, produzindo uma maré positivamente contrária a todas as intempéries que a cultura vem passando.

É nesse clima de resistência e muito amor às artes cênicas que nasce a Conatus Cia. De Teatro, que é um coletivo formado pelo encontro dos artistas Agatha Duarte (de “Em Um Lugar Chamado Lugar Nenhum” e O Matador de Santas”), Felipe Silcler (das novelas “Novo Mundo” e “Totalmente Demais”) e Nelson Gaia (Omi – do leito ao mar” e “Sim, mas não prometo!”) com o objetivo de fomentar e movimentar a cultura no Rio de Janeiro.

Os três empreendedores inauguraram sua sede, que fica localizada na praça XI à dois minutos do metrô, em dezembro de 2017, abrindo as portas de um espaço que servirá para ensaios de grupos, exposições, apresentações de espetáculos de pequeno porte, parceria com produtoras e é claro, a longo prazo, o coletivo objetiva produzir seus próprios espetáculos. Além disso, o espaço oferecerá oficinas, cursos e workshops ministrados pelos próprios artistas e também por profissionais convidados e tudo isso já começa em janeiro de 2018.

O nome da companhia nasceu a partir de um conceito filosófico usado para se referir a uma inclinação inata do ser humano a persistir e resistir através dos encontros. Conatus é que faz com que continuemos a nos aprimorar e perseverar ao longo da vida.

“Nestes tempos que estamos vivendo, resistir é preciso e a arte se faz pelo encontro, pela vontade de continuar existindo apesar dos percalços. O grande objetivo é servir à arte através de trabalho e união. A flecha só vai para frente.” afirmam os sócios

Tivemos o prazer de conversar um pouco mais com esses empreendedores da arte e você confere essa entrevista aqui:

Adriana Dehoul: Como surgiu a ideia de montar a Conatus Cia. de Teatro?

O Nelson Gaia estava com um espaço próprio que, até alguns meses atrás, estava sem utilização. Ele teve a ideia e tomou a iniciativa do projeto convidando os outros dois sócios. A partir daí começamos a pensar como poderíamos movimentar aquele espaço, pois entendemos que como artistas não podemos nos acomodar e temos que nos produzir.

Nos inspiramos muito após a Mostra de 25 anos dos Atores de Laura e percebemos que a crise não é uma desculpa para pararmos, ao contrário, ela é uma impulsionadora para novas ideias e novas perspectivas.

Resolvemos parar de esperar o que vem de fora e criar esse novo espaço cultural para o Rio de Janeiro que tanto carece desse tipo de iniciativa nesse momento.

AD: Quem são os integrantes desse coletivo?

Agatha Duarte é autora, atriz, produtora e preparadora de atores. Pós graduada em preparação corporal nas artes cênicas pela Faculdade Angel Vianna, sua pesquisa gira em torno do trabalho pré-expressivo no oficio do ator. Idealizou o espetáculo “Em um lugar chamado Lugar Nenhum” que estreou em 2015 no CCBB-RJ sendo sucesso de público e crítica especializada. Por este espetáculo ganhou o prêmio BOTEQUIM CULTURAL de MELHOR ATRIZ- Drama/Comédia do ano de 2015 e foi indicada a melhor texto no 20º Festival de Teatro do Rio. Em 2016 esteve em cartaz com o “O Matador de Santas” de Jô Bilac. Por este trabalho foi indicada a MELHOR ATRIZ pelo PRÊMIO PASCHOALINO 2015 (FETAERJ) e no 12º Festival de Teatro de Duque de Caxias. Também nesse Festival levou o prêmio de MELHOR ATRIZ pelo espetáculo “Ulisses, cabeça de vento”. Em 2014 esteve em cartaz com o espetáculo de rua “Shakespeare nas praças – Sonho de uma noite de Verão” que foi contemplado pelos prêmios FOMENTO A CULTURA e FUNARTE -ARTE NAS RUAS 2014. Na TV participou das novelas “ Sete Vidas”, “ Haja coração”, “A Lei do amor” e “Pega Pega” da Rede Globo.

Felipe Silcler é ator, carioca, pisciano, 26 anos, formado pela Escola técnica de Teatro Martins Pena. Recentemente esteve no ar como o personagem “Libério” na novela “Novo Mundo” da Rede Globo. E como o personagem “Cascudo” na novela “Totalmente Demais” também da Rede Globo (Indicada ao EMMY INTERNACIONAL) Estuda artes dramáticas desde 11 anos. Entre tantas outras oficinas passou pelos grupos de teatro Amok e Moitará e pela oficina de atores Cesgranrio(TV). Integrou por 3 anos a Cia. Cirandeira do Instituto de artes Tear, como intérprete/criador do espetáculo “Marias Brasilianas”. Possui boa noção em dança popular, afro, dança contemporânea e em canto popular. Já ganhou Prêmios de Melhor Ator Coadjuvante nos festivais de teatro: VII Festival de teatro Semearte – SP e 5º Festeatro Interdenominacional – RJ com a peça: “Ruth” e Prêmio de Melhor Ator no IX Festival de teatro Semearte – SP com a peça “Asas”.

Nelson Gaia é ator com formação em Direito pela Universidade Federal Fluminense, ator do projeto Teatro nas Escolas da Fundação Cesgranrio desde 2016, Palhaço, Músico na peça Omi – do leito ao mar (peça com 8 indicações ao prêmio CBTIJ e 2 ao Zilka Salaberry). E mais recentemente esteve em cartaz com a peça “Sim, mas não prometo!” sob a direção de Daniel Herz.

AD: Qual o endereço do novo espaço cultural?

O espaço fica localizado na praça XI, à dois minutos do metrô, na Rua Correia Vasquez, 44 apartamento 101.

AD: Já existem atividades em andamento?

Inauguramos o espaço com uma festa inaugural na primeira semana de dezembro para os interessados poderem conhecer e dar sugestões sobre as atividades. Nosso objetivo é justamente sempre realizar essa troca com outros artistas e ouvir novas ideias.

As atividades começarão em janeiro de 2018 com duas oficinas ministradas pela Agatha Duarte (Corpo e Sensibilização) e pelo Felipe Silcler (Interpretação).

AD: Diante da crise, o preço dessas atividades será um diferencial?

Esse foi um dos principais pontos a serem discutidos em nossas pautas. Acredito que o preço será um grande diferencial. Nosso principal objetivo é oferecer um espaço de qualidade para ensaios, espetáculos de pequeno porte, exposições e cursos que não deixe de ser acessível.

Estamos investindo nesse empreendimento, mas somos artistas e entendemos o quanto tudo está caro. Queremos que o maior número de pessoas possível possa se beneficiar com as atividades que ofereceremos.

AD: Como funciona a dinâmica de trabalho entre os sócios?

Nós somos um coletivo e todas as decisões são tomadas em conjunto. As funções são divididas de acordo com as demandas. Mais pra frente, quando as produções artísticas da Cia. começarem a serem construídas, cada um vai se encaixar nas áreas que tem mais afinidade. O mote de ser um coletivo é o que mais nos move.

AD: Pode nos falar um pouco mais sobre as oficinas que abriram o ano de 2018?

Sim. Em janeiro acontecerão duas oficinas no espaço ministradas pelos próprios integrantes da Cia.

A Agatha, que é pós-graduada em Preparação Corporal nas Artes Cênicas pela faculdade Angel Vianna, será responsável pela Oficina de Corpo e Sensibilização e o Felipe, formado pela Martins Pena, ministrará a Oficina de Interpretação. Cada oficina terá a duração de 2 semanas com datas e horários a serem divulgadas em breve nas nossas redes sociais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Então deixamos aqui a dica desse espaço que promete ser mais um ponto movimentador da cultura no estado e você precisa conhecer. Para saber da programação e conhecer mais os participantes desse coletivo, acompanhe-os pelo Facebook e também pelo Instagram – @conatus.ciadeteatro.