Dirigido por Jean Dandrah e Nill Marcondes, o espetáculo “Vivo Ele Está” aproveita a Semana Santa e conta uma das mais importantes passagens bíblicas.

A peça fala sobre a história de Jesus Cristo, nascido na cidade de Nazaré que, aos 30 anos saiu em peregrinação a fim de realizar uma revolução espiritual. Ao longo de três anos, o seu discurso de amor despertou a atenção de multidões, o que instaurou a fúria dos governantes da época, culminando no seu assassinato.

O ator e dublador Leonardo José, faz parte do elenco e batemos um papo com ele sobre a montagem e sua carreira. Confira abaixo:

Leonardo José (ao lado esquerdo) em SuperMax/ Série da Rede Globo

“Vivo Ele Está” conta a história de um mártir, Jesus Cristo. Aos 30 anos ele sai em peregrinação a fim de realizar uma revolução espiritual. Você acredita que durante o tempo o seu discurso de amor incondicional e mansidão foi compreendido por todos?

Infelizmente não. A humanidade cada vez mais se afasta dos princípios básicos de convivência harmônica. Guerras, terrorismo, bandidagem, corrupção e a insensibilidade para com os outros seres, não permitem que sigamos os ensinamentos por ELE deixados.

São mais de 40 artistas envolvidos, entre diretores e assistentes. Como é fazer parte de uma produção que envolve tantas pessoas?

Já disse publicamente que agradeço a Deus por ter voltado a pisar em um palco, depois de 30 anos, junto com um grupo maravilhoso. É tremendamente prazeroso trabalhar com eles. Me sinto rejuvenescer.

O espetáculo fala sobre a vida a personagens icônicos da bíblia. Porque você acha que falar sobre esse tema já tão falado é necessário ainda hoje?

Precisamos alertar a todos e lembra-los que um dia surgiu um homem que pregou a paz, o amor ao próximo, a humildade e o perdão. Talvez consigamos melhorar um pouco nossa existência aqui na terra.

Num tempo onde o ódio e o preconceito tem crescido cada vez mais e onde a desigualdade social separa a população brasileira de forma devastadora, como você acha que o espetáculo “Vivo Ele Está” pode alertar o público e reviver as palavras de Jesus Cristo, independentemente das crenças de cada um?

O espetáculo na sua essência é ecumênico. Transcende as diferenças religiosas. Católicos, evangélicos, espíritas, judeus e ateus, terão acesso as palavras DELE de forma imparcial, sem qualquer tendência religiosa.

Jean Dandrah e Nill Marcondes, diretores do espetáculo

Como tem sido trabalhar com os diretores Jean Dandrah e Nill Marcondes?

Nos meus 44 anos de profissão fui dirigido por grandes profissionais, tais como Flavio Rangel ( Freud no Distante País da Alma), João Bettencourt ( O Dia em que Alfredo virou a mão), Bibi Ferreira ( Calúnia ) entre outros. Posso afirmar, sem sombra de dúvidas, que Jean Dandrah está seguramente a altura deles. Jean conduz com eficiência e alta capacidade profissional um grupo heterogêneo de atores de forma magistral.

Nill Marcondes e Milene Hadad completam o que chamo de ” Triunvirato de excelência”, auxiliando de forma magnífica a direção de Jean.

Você trabalha em várias vertentes (teatro, TV, dublagem, etc). O mercado da dublagem vem crescendo cada vez mais ao longo dos anos. Além disso, os musicais caíram no gosto do público brasileiro, fazendo com que jovens atores se preocupem mais e mais com a voz, lançando mão de consultas com fonoaudiólogos e aulas de canto para se especializar. O que você diria para o jovem ator que está ingressando na carreira e se interessa pelo mercado da dublagem?

A dublagem é uma modalidade de arte que exige uma especialização. Para ser um dublador é necessário antes de mais nada ser um ator. O DRT é indispensável e exigido. Além disso é preciso ter uma boa dicção, saber sincronizar (colocar a voz adequadamente na boca do ator que esta sendo dublado) e por último saber interpretar a personagem. Boa dicção, se não tiver, um fonoaudiólogo resolve em poucos dias. Sincronizar com o tempo se aprende. Agora interpretar, só com talento. Por isso, para ser um bom dublador é preciso antes de mais nada, ter talento.

Além desse projeto teatral, você já tem algum outro projeto na televisão?

No momento aguardo chamados e convites. Continuo dublando normalmente meus ” bonecos ” e feliz da vida.

Para mais informações sobre a peça, confira nossa agenda cultural:

Agenda

Por Thiago Pach