Em tempos de redes sociais, as campanhas de divulgação das coleções tornam-se mais importantes até que os desfiles. Nessa avalanche de fotos e imagens ao qual estamos expostos todos os dias não só na internet, mas em outdoors, comerciais televisivos, anúncios de revistas e por aí vai, vence quem é mais criativo. E Demna Gvasalia, estilista da Balenciaga e da Vetements já provou que criatividade não é um problema.

Criador dos irônicos crocs plataforma – que foram a sensação fashionista da última temporada e esgotaram em questão de horas – e do tênis feio mais vendido do mundo, Demna fez sucesso com as duas últimas campanhas da Balenciaga. O que chamou atenção não foram somente os produtos que estavam sendo anunciados, mas o conceito das campanhas.

Em janeiro deste ano, a grife espanhola criou uma coleção-cápsula para o net-a-portêr, o principal e-commerce de luxo do mundo. Foram ao todo 53 peças que seguiram o estilo urbano conceitual da marca, com direito a reedição de sucessos de venda da Balenciaga como as famosas botas com meias coloridas, os blazers oversized e os hodies com o logo da marca. A parceria foi bastante celebrada pelos dois lados e pelos fãs da marca. Mas para a divulgação, nada de top models ou locações caríssimas. Para vesti-las, as funcionárias do net-a-portêr. Sem uma alta produção e com inspiração nos anos 90, a grife que costuma apostar na ironia para suas coleções escolheu entrar no e-commerce de luxo retratando as stylists, diretoras de marketing e jornalistas em cenas de um dia normal de trabalho.

Já no início deste mês, a label dirigida por Demna desde 2015, investiu novamente na ironia e no incomum para divulgar sua nova coleção. Ironizando a mídia – e porque não a sociedade obcecada pela imagem de forma geral – a Balenciaga contratou paparazzi para fotografar sua campanha de primavera 2018, que foi inteiramente divulgada através do instagram.

Tops como Stella Tennant e Alek Wek foram clicadas pela agência de imagens francesa Best Image. As modelos posavam num estilo “no photos, please”, esquivando-se dos fotógrafos e escondendo seus rostos com as bolsas da marca.

Tudo foi pensado para que parecessem de fato fotografias de um tabloide ou de um instagram de fofocas. O cenário escolhido foram as ruas, algumas modelos aparecem até ao lado de supostos maridos, guarda-costas ou filhos. Os transeuntes tiveram suas faces apagadas para que a campanha se assemelhasse ainda mais com cliques de paparazzis. Coincidência ou não, duas semanas antes do lançamento da campanha nas redes sociais, a top e influenciadora digital Gigi Hadid foi fotografada em uma loja da Balenciaga.

Denma Gvasalia, contudo, não foi o primeiro a ter esta ideia: Kanye West divulgou a sexta coleção da sua grife Yeezy de forma bastante semelhante. Também usando paparazzi para clicar as fotos, o rapper escolheu como única modelo de toda a coleção sua maior musa, sua esposa Kim Kardashian. Kim foi fotografada em cenas comuns do cotidiano como indo ao Mc Donald’s ou no estacionamento entrando em seu carro. Assim como a campanha da Balenciga, a “Yeezy season 6” foi divulgada unicamente pelo instagram.

E para brincar mais ainda com os paparazzi e toda obsessão por imagem, Kanye decidiu espalhar clones de sua esposa pela cidade. Depois de alguns meses tendo Kim como a única modelo da coleção, outras celebridades como a socialite Paris Hilton, a atriz pornô Lela Star e as modelos gêmeas Shannon e Shannade Clermont estrelaram a campanha da grife vestidas como Kim, imitando as mesmas posições da Kardashian.

E o que todas essas campanhas nos mostram? Nos mostram que a moda se reinventa a cada temporada. Assim como já falamos aqui, os desfiles tradicionais não são mais tão imprescindíveis para a divulgação de uma coleção e a inventividade impera. As redes sociais, principalmente o instagram, e a nossa obsessão por fotos, selfies e afins podem tornar-se um ótimo instrumento de trabalho para o mundo da moda.

CLOSE
CLOSE