Chega o final do ano e a gente começa a correr, querendo organizar tudo para virar o ano da forma mais perfeita possível. É hora de comprar uma agenda nova, organizar seu armário e aquele bando de papel que você acumulou jurando que assim que tivesse um tempo daria uma olhadinha vai direto pro lixo. Na vida dos escritores, isso tudo ainda é verdade. Todavia, ainda acopla-se a esse frenesi natural de final de ano um adicional chamado: como organizar melhor minha carreira para o ano que vem?

Pois bem, amigos, eu também passo por isso. Todos os anos, na verdade, mas esse é especial. Pela primeira vez na história estou me dedicando integralmente à literatura (pelo menos até março, quando vou começar o mestrado) e a sensação de que eu tenho que fazer mil coisas e fazer dar certo é muito forte.

Dessa forma, vim trazer algumas DICAS de bons hábitos para você manter a cabeça no lugar, a criatividade a mil e conseguir produzir sem surtar em 2017. Ou, pelo menos, é isso que eu espero. Estamos juntos nesse barco. Ainda dá tempo de preparar a casa, a alma e a caneta!

1. Leia por prazer

Sei que muitas vezes somos compelidos a ler só livros que trazem dicas de escrita, como aperfeiçoar a arte ou qualquer coisa do gênero. Já estive nesse looping e ao mesmo tempo que ele pode ensinar muito, também pode nos refrear demais. Na minha concepção não existe isso de uma “maneira correta” de escrever. Na verdade, acho que cada um tem a sua própria maneira – independente dela ser a correta ou não, com base nos manuais. Não estou dizendo que você não deva lê-los, só estou dizendo que você não deve considerar tudo como verdade absoluta.

E leia por prazer! Livros do seu autor favorito, aquele bestseller que te deixou curioso, o livro que inspirou um filme que vai lançar… Qualquer coisa que atraia sua atenção e não tenha absolutamente nada a ver com suas paranoias de obrigação. Aliás, na verdade, é mais do que obrigação de alguém que quer ser escritor ler MUITO. Livros de diversos gêneros, mas especialmente daquele que você está escrevendo. O maior caminho das pedras é enxergar os acertos e erros daqueles que vieram antes de nós. Estabeleça uma meta de leitura: pode ser por mês, por semana, por ano… Enfim, o que melhor funcionar para você. O importante é ler.

2. Escreva todo dia

90% desses manuais supramencionados vai te dizer que escrever todo dia é chave para o sucesso. Os outros 10% vão dizer que é para você esperar a inspiração chegar. O que eu vou te dizer é que o ideal seria uma combinação dos dois. E, na minha concepção e escassa experiência, muitas vezes os dois estão bem combinados… É claro que tem aqueles dias que você levanta da cama já inspirado, desejando um café, um computador e um dia de 48 horas para dar conta de tudo que surgiu na sua cabeça. E é claro que também tem aqueles dias que você acorda contando os minutos para voltar para cama.

O ponto é que tem uma imensidão de dias no meio, nos quais você não está em nenhum desses dois extremos. São esses dias que você tem que se forçar a sentar a bundinha na frente do computador (ou do caderno, ou da máquina de escrever, seja lá de qual for o instrumento que você usa para colocar para fora sua escrita) e escrever, mesmo quando você acha que não está particularmente inspirado. Se tem uma coisa que minha mãe sempre me repete é que carreiras artísticas são compostas de 1% de inspiração e 99% de suor.

3. Saia de casa

Entendo melhor do que ninguém a vontade de ficar trancado em casa, em reclusão. Por mais que o mito do escritor eremita seja perpetuado no cinema e na própria literatura, não tenho como considerar a reclusão como um bom hábito literário para 2017. Eu poderia dar uma série de motivos aqui, mas vou focar exclusivamente em dois, por enquanto.

1) O mundo, a vida, as pessoas, o sol, a natureza, os bichos, o contato com os outros: isso inspira. Mesmo que seu livro seja uma ficção científica que se passe em Keppler, isso tudo continua inspirando. Saia de casa, respire ar puro e renove suas ideias.

2) O livro não se vende sozinho, muito menos o livro que ainda nem existe. Você precisa agir como um escritor publicado mesmo antes de ser um. Por favor, vá em eventos, converse com as pessoas do mercado, se faça presente e se faça lembrado.

4. Não se puna quando você não conseguir cumprir o que você queria

Acho que essa é uma das dicas mais importantes. Escreve num post it e cola num lugar visível aí. NÃO SE PUNA, NÃO SE COBRE DEMAIS E NÃO TORNE ESCREVER UM FARDO! Às vezes você vai conseguir escrever 10 páginas em um dia e, às vezes, nem 10 palavras. E olha a parte mais importante: está TUDO BEM. Seu papel como escritor era escrever ou, pelo menos, tentar escrever. Se você dedicou aquele período do dia a escrita e não conseguiu escrever nada, paciência. Talvez seja hora de refletir um pouco: eu estou sendo procrastinador? Quantas vezes abri a janela da internet? Será que estou cobrando demais da minha escrita? Lembre-se sempre que todo livro começa com um primeiro rascunho e que raramente (para não dizer nunca) esse primeiro rascunho vai ser exatamente a versão final e publicada do livro. Respeite seus dias e seus momentos, mas não deixe de sentar e tentar escrever diariamente.

5. Premie-se quando você conseguir cumprir o desejado

Complementando a ideia anterior, a ideia aqui é se premiar quando conseguir cumprir uma meta desejada. Não precisa ser algo diário, mas pode ser também. Por exemplo, se premiar com uma comidinha gostosa quando escrever a meta diária de escrita. Pode ser semanal, mensal ou até mesmo de longo prazo. Por exemplo, se premiar com uma ida ao cinema, com um novo livro ou até mesmo com uma viagem, quando o livro estiver concluído. São formas de incentivar você mesmo a querer continuar escrevendo e de não esmorecer nos dias que as coisas não fluírem tão bem assim.

6. Ande sempre com um caderninho ou crie expertise em anotar no celular

A gente nunca sabe quando a inspiração vai dar uma louca e aparecer. Na minha experiência, posso dizer que é sempre nos momentos mais inoportunos: prestes a dormir, escovando os dentes, quando eu estou lavando a louça, quando eu estou esperando o ônibus cheia de sacolas… E meu ponto aqui é: esteja pronto! Não confie que seu cérebro vai se lembrar novamente daquela ideia, porque isso raramente acontece. Dê um jeito que interromper sua atividade para anotá-la. Eu sou convencional e gosto de usar cadernos, mas você pode entender qual é a melhor forma para você (talvez, o bloco de notas do celular). Se não for possível interromper a atividade, fique repetindo a ideia mentalmente (P. Sherman, 42 Wallaby Way, Sydney) até que anotar seja viável. Quem avisa amiga é: cuidado para não perder ideias!

7. Não deixe que subestimem seu sonho 

Nós sabemos melhor do que ninguém como o mercado é difícil, como é complicado ganhar dinheiro suficiente para pagar as contas básicas, como às vezes demora anos até termos um livro publicado, como muitas vezes publicamos e não emplacamos… Enfim, NÓS SABEMOS. E nós estamos dispostos mesmo assim. Por que ouvir as outras pessoas, então? Elas já chegam com um discurso pronto. Pedras mascaradas de “eu estou preocupada com você”, “só estou querendo seu bem”, “você já pensou por esse ângulo?”. Apenas parem. Ninguém sabe o que é melhor para nós, exceto nós mesmos. E se o melhor para você é escrever, pode ignorar todo e qualquer bedelho de quem não conhece nada dos seus sonhos e/ou do mercado. Não deixem que subestimem, que desvalorizem ou que te coloquem em dúvida. Mira onde você quer chegar e rema, rema, rema…

8. Arrume um cantinho seu

Não sei se isso funciona para todo mundo – e talvez não. Todavia, um cantinho meu, onde eu posso sentar e escrever, faz toda diferença. Um cantinho organizado (ou, pelo menos, minimamente organizado), onde eu tenha todas as minhas necessidades de escritora a mão e que meu corpo já saiba que se sentou ali, é para trabalhar. Seria o mesmo que uma baia, em um trabalho convencional. O café também é um must por aqui, rs.

9. Mantenha a mente sempre aberta

Como eu já disse, quando você menos esperar, a inspiração aparece e joga no seu colo uma ideia incrível. Só que isso não vai acontecer se você tiver com a cabeça fechada, focada em alguma coisa em específico ou desatento para as possibilidades que a vida te oferece. Uma música, um filme, uma conversa entreouvida na rua… Tudo isso é combustível para inspiração agir. A deixe.

10. Desconecte-se um pouco

Às vezes a sensação que eu tenho é que eu estou sufocando. Estou presa dentro do mundo literário e não consigo sair! Hoje o feed do meu facebook é composto 99% de postagens sobre literatura. No meu instagram já deve ter mais gente que eu não conheço do que gente que eu conheço. Eu sempre esqueço de entrar no meu e-mail pessoal, porque considero o literário mais importante. Sacrifico aniversários de amigas minhas para participar de eventos literários. Às vezes dá um cansaço. Uma sensação de soterramento. A impressão que dá é que sua vida está resumida a literatura, aquelas pessoas e aquele convívio.

Calma. Respira. Fecha tudo e respira. É muito importante manter a convivência com o mundo, com a família, com seus amigos de outros lugares. Ninguém gostaria de viver confinado 24h dentro do trabalho, né? E nem nós merecemos isso. É importante tirar um tempo para você mesmo, mesmo que isso signifique ficar alguns dias ou algumas semanas sem se fazer presente no mercado e sem vender livros. É uma questão de sanidade, acho.

No mais, apenas DIVIRTA-SE!

Que 2017 traga muitas novidades incríveis, ideias maravilhosas e seja o ano que seu livro vai sair de dentro da sua cabeça e ganhar as páginas! <3

Por Clara Savelli