Com o foco artístico totalmente voltado à produção teatral nas comunidades do Rio, o projeto Comunidade em Ação, parte do programa Fomento Cidade Olímpica da Secretaria Municipal de Cultura, chega a sua última semana. O Coletivo Bonobando foi o grupo convidado para encerrar a mostra com apresentações do espetáculo “Cidade Correria”, dirigido por Adriana Schneider e Lucas Oradovschi. As sessões serão gratuitas, aos sábados e domingos, sempre às 19h, com tradução em libra.

A peça, que fez uma temporada de sucesso no Teatro Sérgio Porto em junho, foi inspirada coletivamente em imagens, filmes, situações cotidianas, histórias de vida e contos literários. O Coletivo Bonobando fala sobre uma cidade inventada, a deriva, que poderia ser a nossa, ou qualquer outra. O público é levado a conhecer a cidade caos, cidade contradição, cidade maravilhosa, cidade impedida, cidade carnaval, cidade invenção, cidade revolução. A montagem se revela como um transbordamento das urgências cotidianas, mostrando as contradições, alegrias, delírios, feridas e potências urbanas.

A direção artística e preparação do elenco, formado por jovens de territórios populares do Rio, foi realizada por Adriana Schneider, Lucas Oradovschi, Ricardo Cotrim, Mariana Mordente e Cátia Costa. Parte do processo envolveu o artista Thiago Florencio que conduziu uma experiência a partir de seu trabalho sobre objetos em deriva etnográfica e suas relações com espaços marcados por feridas coloniais. Este trabalho resultou em performances e instalações realizadas na favela da Vila Cruzeiro.

Para Cesar Augusto, curador do projeto, apresentar uma mostra com espetáculos criados em comunidades durante as Olimpíadas é uma forma de revelar o Rio de Janeiro em toda a sua diversidade cultural. “Queremos que moradores do Rio e turistas tenham acesso à atividade cultural produzida nas comunidades. A ideia é fazer com que se conectem com os questionamentos desses jovens grupos”, acrescenta.

Ao longo de seus cinco anos de atividades, o Galpão Gamboa tem o objetivo de promover encontros entre as mais variadas formas de arte, atendendo ao público da Zona Portuária e de toda a cidade. Com o Comunidade em Ação, a plateia pode assistir trabalhos que focam em ações artísticas elaboradas e praticadas em comunidades do Rio de Janeiro.

292056_632222_foto_2___cidade_correria_web_

Sobre o Coletivo Bonobando:

O Coletivo Bonobando foi criado em 2014 a partir das experiências vividas na Residência Artística do Teatro da Laje, na Arena Carioca Dicró, na Penha.
Com o objetivo de conectar a cidade e ocupar diferentes espaços os integrantes são de todas as partes do Rio e as cenas acontecem na rua, no beco, na praça e também no teatro.

Os artistas exercem uma territorialização dinâmica, a partir da descentralização e a democratização dos recursos e acessos à arte e à cultura, celebrando e mostrando a contribuição que as práticas cotidianas da juventude das periferias cariocas podem dar para a criação de um outro teatro possível.
Sobre o Galpão Gamboa:

Localizado na Zona Portuária da cidade, o Galpão Gamboa surge em 2011 como um espaço voltado a experimentações artísticas, para dar oportunidade a grupos e artistas de apresentarem seus trabalhos e para apresentar uma programação de qualidade e a preços populares, que atendesse aos bairros e comunidades do entorno, como Morro da Providência, Saúde, Santo Cristo, Centro e Gamboa. Espaço cultural e democrático, o Galpão Gamboa apresenta atividades de teatro, dança, circo, música, entretenimento e experimentação artística, que convivem harmoniosamente. O alcance do público, independentemente de classes sociais, abrangendo de crianças a idosos.

Todo esse processo de reurbanização da Zona Portuária e redescobrimento desse berço cultural carioca fez com a população de outras regiões voltassem a frequentar o Centro. E, sobretudo, possibilitou que a população local passasse a ter acesso facilitado a esses equipamentos culturais, privados e públicos. Numa relação de intercâmbio, onde os olhares se cruzam, se completam e se fundem num movimento em que não há zonas delimitadas, dar continuidade a essa convergência é o objetivo principal do espaço.