A correria do dia-a-dia deixa a energia de muita gente lá no pé. Por isso, muitas programações de finais de semanas são focadas em descanso, sofá e pipoca. E então, no lugar de diversas festas, você passa a maior parte do tempo organizando sua maratona de filmes. No entanto, em vários momentos, esse “tempinho” de escolha torna-se um tempão, rapidamente.

Pensando nisso, é sempre bom já preparando sua listinha. Nela é importante colocar um pouco de todos seus gêneros, para ajudar você a ter diversas opções. Entre essas, às vezes, faz parte assistir um filme conhecido como “mais leve”. São àqueles que não precisamos pensar muito, prestar (tanta) atenção, é simples em toda sua estrutura. Apesar desses exemplos de características, são produções com histórias interessantes e podem até ganhar um espaço no seu coração.

Já disponível nas plataformas digitais, “Voando alto” pode ser uma boa opção para assistir. O filme é biográfico e conta a história do inglês Eddie Edwards, interpretado por Taron Egerton (“Kingsman”). Com certeza, logo passou na cabeça “Quem é?”. Caso você não seja alguém antenado no mundo dos esportes ou, mais especificamente, nos Jogos Olímpicos de Inverno, pode nunca mesmo ter ouvido falar nesse nome. Nessa mistura de comédia e drama, poderá saber mais sobre essa figura icônica, que ficou conhecida como Eddie “The Eagle”.

Persistente em realizar seu sonho, Eddie nunca desistiu de chegar até as Olimpíadas. No entanto, vários obstáculos sempre estiveram ou apareciam no seu caminho. O filme começa apresentando o personagem durante sua infância e como o seu sonho já era presente. Mesmo com um problema no joelho, que o fazia utilizar um dispositivo de ferro como suporte, Eddie continuava focado. Para completar, ainda tinha problema de visão, que fazia-o utilizar óculos de grau a todo o momento.

Em busca do seu futuro, o jovem passou por todos os esportes. A cada tentativa falha, Eddie se reerguia e partia para a próxima modalidade. O importante era chegar ao evento do seus sonhos, sem mesmo ganhar alguma medalha: a participação era foco. Uma ideia que é conhecida já, idealizada pelo criador dos jogos, o barão de Coubertin, que dizia que participar era o real espírito.

Em sua busca pelo esporte que o faria chegar lá, o britânico encontrou o salto sobre esqui, uma categoria que seu país não tinha um representante ou equipe há anos. Sem apoio ou patrocínio, Eddie começa a treinar sozinho. Isso tudo começa a mudar quando chega a ajuda de Bronson Peary, interpretado por Hugh Jackman (“Logan”). É aí que o espectador começa a conhecer um pouco mais sobre essa figura, um trabalhador do espaço de treino que, na verdade, é um famoso ex-atleta norte-americano. Ele perdeu sua posição devido comportamentos irregulares e falta de disciplina.

Dentro desse universo do filme, o grande foco da produção está na ideia de superação por todo o tempo. Junto sempre de inserções sonoras gloriosas e destaque para cada gota de suor do personagem. Uma estrutura já bem conhecida e consagrada junto ao público, por isso, pode acabar não trazendo tanta diferença se comparado a outras.

No entanto, no caso da história de Eddie, o grande ponto é a sua determinação. Apesar dos demais os colocarem para baixo, sofrer bullying ou ser excluído, o personagem não abre mão, em nenhum momento, de conseguir seu espaço nas Olimpíadas de 1988. E ainda, o espectador acompanha essa trajetória com todo jeito desastrado e ingenuidade de Eddie. Logo no início, a simpatia por essa figura é conquistada e torna-se a base para acompanhar o restante do tempo de filme.

Pode parecer impossível, mas se você ainda não foi pesquisar sobre a história do atleta, Eddie consegue entrar para as Olimpíadas. É nesse momento que o longa metragem entra com uma reviravolta, a partir dos acontecimentos do evento. Conhecido como ápice desses tipos de produção, nessa etapa é quando acontece a verdadeira emoção e expectativa.

Se você está querendo recarregar as baterias e assistir a algo leve no final de semana, pode apostar em “Voando Alto”. Além de conhecer a história desse atleta histórico, pode ser uma maneira de saber mais sobre esse os Jogos de Inverno, algo que não possuímos tanto contato aqui no Brasil e é bem interessante.