Baseado em “Instrumentos Mortais”, popular série de seis livros da autora Cassandra Clare, “Shadowhunters: Os Instrumentos Mortais”, ou somente “Shadowhunters”, é um seriado americano de 2016, produzido e exibido pela emissora Freeform.

A série conta a história de Clary “Clarissa” Fray (Katherine McNamara, de “Maze Runner: Prova de Fogo”), uma adolescente normal, moradora do Brooklyn e com grande talento artístico, que em seu aniversário de 18 anos, ao ver um grupo de três adolescentes assassinarem um homem no meio de uma boate, descobre fazer parte de uma realidade a qual ela nem sabia da existência e que só determinadas pessoas conhecem – e essa realidade está dentro do mundo normal, faz parte dele.

Ao ser salva por Jace “Jonathan Christopher”  Wayland (Dominic Sherwood, de “Vampire Academy”), um dos adolescentes assassinos da boate – que mais tarde descobre ser um “caçador de sombras” –  e ver sua mãe ser sequestrada por algo que ela não entende, Clary se encontra presa nessa nova realidade, levando junto a si, mesmo sem a intenção, Simon (Alberto Rosende), seu melhor amigo e “mundano”.

Clary descobre que tudo aquilo que acreditava serem lendas urbanas é verdade, que o que as pessoas normais (ou mundanos) enxergam no mundo muitas vezes não é a verdade completa – um pássaro grande pode ser um demônio que voa, por exemplo – e que a sua missão como caçadora de sombras, um tipo de ser humano com sangue angelical que ela acabou de descobrir ser, é proteger o mundo mundano e os seres humanos de todas as criaturas demoníacas.

Os Instrumentos Mortais

Com personagens que caem no gosto dos espectadores, como o emburrado melhor amigo de Jace e caçador de sombras Alec Lightwood (Matthew Daddario, de “Naomi, Ely e a Lista de não beijos”), o excêntrico feiticeiro Magnus Bane (Harry Shum Jr., de “Glee”), a forte e bela caçadora de Sombras Isabelle Lightwood (Emeraude Toubia, de “Tatooed Love”) e a madura e interessante lobisomen Maia (Alisha WainWright, de “Candid”), casais que conquistam o coração dos fãs – em especial Alec e Magnus, o querido e amado shipp “Malec” – e  vilões interessantes e bem interpretados, “Shadowhunters” conquista os fãs de forma crescente de temporada a temporada.

Apesar do seriado falar sobre um mundo fantasioso e ter como foco principal combater o mal, a série aborda assuntos muito importantes, como a homossexualidade, auto aceitação, a aceitação do próximo diferente, dependência química (mesmo que fictícia), a noção de família, o sentimento de pertencimento e a obsessão de algumas pessoas acharem que “uma espécie” é superior a outra, trazendo muitos elementos emocionantes e do mundo real com eles.

A primeira temporada teve uma boa recepção do público– apesar críticas de alguns espectadores-, a série foi renovada, em 2016, para a sua segunda temporada. Com efeitos visuais melhores e a chegada do novo e esperado vilão, Sebastian Verlac (Will Tudor, de Game of Thrones), a segunda temporada obteve um bom desempenho e, com isso, a série foi renovada para a sua terceira temporada, que terá sua estreia nos EUA dia 6 de abril de 2018.

A série “Shadowhunters: Os Instrumentos Mortais” é a segunda tentativa de tornar o mundo literário criado pela autora parte do universo do audiovisual.  A tentativa cinematográfica “Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”, produzida pela Constantin Films e estrelada por Lily Collins e James Campbell Bower, chegou aos cinemas em 2013 mas não obteve o sucesso esperado e, com isso, as gravações do segundo filme foram canceladas.

“Shadowhunters” teve sua estreia americana no dia 12 de janeiro de 2016. No Brasil, ela é exibida pela Netflix e os episódios entram na plataforma de streaming semanalmente, todas as quartas, dia seguinte da primeira exibição nos Estados Unidos, que ocorre no canal americano Freeform.