Crítica: Demi Lovato Simply Complicated

Que a Demi Lovato é conhecida desde criança nos Estados Unidos não é nenhum segredo. Ela começou cedo fazendo participações em programas infantis, ficou popular como uma das primeiras youtubers do mundo (tinha um canal com a, até então, sua melhor amiga Selena Gomez), entrou pra Disney Channel, lançou discos, participou de filmes e virou uma das queridinhas do pop contemporâneo.

Tudo seguia uma cartilha muito encantada e a Disney parecia ter achado um contraponto perfeito pra espevitada Miley Cyrus e para doce Selena Gomez: a rocker Demi. Mas, por mais fofas que as três parecessem, elas foram bastante problemáticas. E isso quebrou a imagem certinha que queriam delas. E Lovato foi bem a fundo em seus problemas.

E é justamente ai que acontece o documentário Simply Complicated, que estreou no canal oficial da cantora no Youtube. Demi já começa fazendo uma revelação bombástica: em sua última entrevista como essa, para uma outra produção de nome Stay Strong, da MTV norte-americana, ela estava sob efeitos da cocaína. Levando em consideração que na época a entrevista foi feita um tempo depois dela voltar da rehab e tinha como objetivo dizer que ela não estava mais sob efeito de drogas e entorpecentes, é meio duvidoso ela começar assim. Afinal, o que nos garante que agora ela realmente está limpa?

Com pouco mais de uma hora de duração, a entrevista relembra seu início com a irmã mais velha em concursos de beleza e também em programas infantis, passa pelo período que ela entrou pra Disney, quando ganhou um seriado pra chamar de seu, depois de ter feito um filme com os queridinhos da época Jonas Brothers, até os primeiros discos e a inevitável pressão, que culminou em socar uma de suas dançarinas em um avião.

Demi se sente bem para falar sobre esse evento, não deixando lacunas. Conta que vinha se drogando mesmo, que bebia quase todos os dias, e até mesmo que sentia-se poderosa porque conseguia manipular todas as pessoas a sua volta. Basicamente, ela estava descontrolada e era uma bomba-relógio prestes a explodir. Foi mandada direto pra reabilitação, onde ficou alguns meses. E isso acabou virando uma constante em sua vida.

Mesmo depois da primeira internação, ela continuou bebendo e se drogando, chegando a ir em alguns programas com uma forte ressaca. Só parou quando sua própria equipe ameaçou afastar-se, devido a aparente desistência que ela parecia ter sobre a própria carreira. Demi, então, passou quase um ano sem celular, morando com supervisão e praticamente não podia ir ao banheiro sem que outras pessoas não soubessem. Segundo ela, isso deu certo e este ano ela completou seu quinto ano longe das drogas e do álcool.

Outro assunto forte, mas que não foi tão aprofundado quanto seu envolvimento com substâncias ilícitas, é o transtorno alimentar que a cantora sofre desde a pré-adolescência. Sincera, Demi admitiu que ainda não venceu o problema e diz que teria até vomitado alguns dias antes das gravações. Segundo ela, se não tiver que pensar muito sobre comida e alimentação, tudo fica bem.

Apesar da cara de documentário, o Simply Complicated é mais um diário do que qualquer coisa. Embora ela seja transparente, tudo está bem sobre a superfície, obviamente para que não cause estragos demais. Isso se chama controle de danos e depois do esforço que sua equipe fez para manter a carreira dela na linha e a vida pessoal dela sob controle e longe das manchetes, obviamente eles não iriam ser invasivos demais, correndo o risco de botar todo o trabalho a perder. É um esforço claro para que tenhamos bastante empatia com ela, mas dentro de um limite bem demarcado, ainda que maquiado para que não seja tão perceptível.

Faltou um espaço para falar sobre outros dramas da vida dela, como por exemplo a mal-sucedida relação com o pai, que faleceu em 2013 enquanto ela gravava o programa de calouros The X Factor USA, o bullying pelo qual passou durante toda sua adolescência e a auto-mutilação, que até o problema de vício ser revelado, era tido como seu ponto mais complicado.

Entre os assuntos que são tocados estão seu namoro com o ator Wilmer Valderrama, que ela assume ter sido o homem que ela mais amou na vida, sua bissexualidade, que era sugerida em seu hit Cool For The Summer, e sua relação mais saudável com sua família.

Basicamente, Simply Complicated é mais interessante de se ver se você for um Lovatic – como chama o grupo de fãs da Demi. Mas, pode ser interessante, só não ser tão exigente.

Crítica: Demi Lovato Simply Complicated
7Pontuação geral
Votação do leitor 0 Votos
0.0
CLOSE
CLOSE