“Depois da Meia Noite” é um projeto que teve várias fases de desenvolvimento. A primeira versão dessa HQ foi produzida em 1996 apenas no formato digital e ficou disponível para download no site da Editora Nona Arte. Em 2007, os criadores decidiram reformular o projeto, publicando através do selo Quadro Imaginário uma versão impressa em três edições, com roteiro e desenhos de Laudo, arte-final de Omar Viñole e capa de Marcio Sennes.

Mais tarde, em uma parceria entre o Estúdio Banda Desenhada e a Caos Developers, a HQ foi relançada em versão digital com recursos multimídia: algumas animações de elementos em determinados quadros e ambientação em áudio, que pode ser desativada. Para acompanhar as HQs neste formato é necessário utilizar um App disponível para iOS.

A história é um típico thriller policial onde a dupla de investigadores Verônica e Raposo está às voltas com um serial killer que usa a alcunha de Meia-Noite. Ele usa uma máscara de caveira e adotou esse nome pois sua característica é sempre ligar para a polícia poucos minutos depois da meia-noite avisando onde está o corpo da nova vítima. A investigação se torna difícil, pois o assassino é inteligente e conhece muito bem a vida particular da policial Verônica, usuária de drogas.

O enredo é rico e bem construído, intercalando a atuação dos policiais com diversas situações paralelas que complicam ainda mais as investigações. Um ex-policial pra lá de esquisito confunde os investigadores ao alegar que sabe detalhes sobre o procurado. Um cidadão comum se torna o suspeito devido aos seus hábitos peculiares.  Até um padre em crise existencial contribui para adicionar ingredientes complicadores ao trabalho dos policiais. Com isso, a trama vai se incrementando e revelando detalhes que pontam para a solução do caso.

Após tantos anos de trabalho em parceria, os desenhos de Laudo e a arte de Omar estão em perfeita harmonia. Vemos um traço limpo ao mesmo tempo em que cria composições detalhadas, adicionando informações visuais importantes para a trama. Os quadros bem diagramados dão o tom da narrativa, ora expressando dinamismo, ora um ritmo mais cadenciado. O estilo em P&B com escalas de tons de cinza ficou na medida certa para conferir profundidade às cenas sem pesar demais.

O desenhista e roteirista Laudo iniciou sua carreira há mais de 30 anos nos quadrinhos independentes, lançando projetos por diversas editoras como a Nova Sampa, Nona Arte, Rickdan, Abril, Globo, Moderna, Peixes e Atol. Também recebeu premiações como o Ângelo Agostini de Melhor Desenhista de 2007 e indicação para o Prêmio HQ Mix como Melhor Desenhista de 2007. Desde 1996 fundou o Estúdio Banda Desenhada em parceria com o arte-finalista Omar Viñole, onde atuam nos mercados editoriais, publicitário e de eventos.