O nome dele: Bruce Banner. Cientista, especialista em física nuclear. Inteligentíssimo e simpático. Ninguém poderia imaginar que, ao menor passo de raiva, ele se transforma em uma criatura verde, gigante, e enfurecida que destrói tudo o que vê pela frente. Esse é Bruce, mas também é Hulk. Somos eu e você ou qualquer outra pessoa.

Assim como o cientista em questão, nós também podemos guardar segredos que só são revelados em momentos específicos. Da pessoa mais boazinha e iluminada, ao mais cruel dos malvados, todos podemos desenvolver sentimentos como raiva, ciúme, inveja. O caso é que, na maioria das vezes, acabamos por reprimir essas emoções e as condicionamos a ficar lá no mais profundo submundo do nosso ser: o subconsciente.

O que se torna grave, nessas situações, é que por mais que julguemos socialmente errado sentir determinadas coisas, e decidimos que esconder é a melhor solução, acabamos por acobertá-las somente determinado período porque, uma hora ou outra, elas sairão desse lugar.

E é aí que está o perigo. Podemos ver casos de picos emocionais em situações que não precisavam de tais extremos. Uma pessoa que se irrita mais do que deveria em uma discussão e arremessa algo. Um chefe que perde a cabeça por um problema simples do cotidiano. Uma pessoa que se diz não ter preconceitos e solta uma piada homofóbica/machista sem querer.

E é por isso que é preciso, desde sempre, enfrentar nossos sentimentos mais obscuros para que não sejamos dominados por eles. Há uma dica muito valiosa, que uma vez escutei do meu terapeuta, que dizia que devemos primeiro assumir a função de ser humano que temos. Sentir emoções negativas faz parte de nossa vida e não é algo errado. O que fazemos com esses sentimentos, aí sim, determina quais rumos tomarão nossas vidas.

Uma outra dica é, caso se pegue sentindo raiva, inveja, ou qualquer outro sentimento negativo, pare, e simplesmente sinta. Não o que causou tais emoções, mas sinta a emoção em si, na flor da pele. Veja o que ela faz com o seu corpo. Sinta. E deixe passar.

Somos seres passíveis de erros, acertos, tropeços e todo o tipo de experiência. Então que experimentemos. E vivamos cada dia como uma nova chance de descobrir algo novo. Seja no mundo, ou em nós mesmos, sempre com respeito.

Não deixe que o seu lado Huck tome conta. Você é o condutor da sua própria vida.


Por Michele Matos