O que se pode esperar quando duas artistas se juntam para criação de algo inovador? Um empreendimento que busca ser um diferencial no mercado de tantos iguais. Idealizada por Cris de Lamare, conceituada cenógrafa que trabalhou por 27 anos na TV Globo, e por sua filha, Carolina Barcellos, atriz graduanda em Artes Cênicas pela Unirio que já participou de novelas como Rock Story, também na TV Globo, mãe e filha, sócias, artistas que resolveram unir suas artes e potencialidades dando origem a produtora cultural Galpão Zero Zero que realizou seu evento de lançamento oficial em Novembro deste ano no Teatro Solar de Botafogo, mas já esta há algum tempo no atuando no mercado e produzindo muita arte nos Teatros, Emissoras de TV e outros eventos culturais no Rio de Janeiro.

A Galpão Zero Zero traz um novo conceito sobre o ofício de produzir eventos e o lançamento contou com a presença de formadores de opinião no meio artístico, incluindo atores, diretores, autores, produtores, além dos parceiros já conquistados até aqui como fornecedores, prestadores de serviço e artistas criteriosamente selecionados que farão parte dos projetos da nova produtora.

“Fazemos tudo que as outras produtoras fazem, só que diferente e com sustentabilidade!!!” esse é o mote dessas duas cariocas que prometem movimentar a cena carioca no próximo ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nós da Woo! Magazine tivemos a oportunidade de entrevistar essas duas e você confere um pouquinho desse bate papo maravilhoso que tivemos com elas.

Adriana Dehoul: De onde surgiu a ideia da Galpão Zero Zero?

Cris de Lamare: A Galpão Zero Zero surgiu como uma página no facebook de making of dos meus trabalhos, e então, no início desse ano, surgiu a ideia da Galpão Zero Zero virar uma empresa, foi quando convidei minha filha, Carolina Barcellos, para dividir a sociedade comigo.

A. D.: Quem são as mulheres por trás do projeto?

Carolina Barcellos: Eu gosto de dizer que a Galpão Zero Zero foi criada por duas artistas, uma cenógrafa e uma atriz, mãe e filha. O amor pela arte que passou de geração pra geração. Somos mulheres que sabemos bem o que é viver de arte e que já atuamos em diferentes segmentos artísticos para nos mantermos. Minha mãe é uma cenógrafa que também faz direção de arte mas já fez muito figurino, produziu inúmeras peças, deu aula de dança e mais algumas outras mil funções que só quem é artista entende. Já eu sou a novinha, mas também já entendi que nós nunca conseguimos ter uma única profissão na vida e que por isso já fiz teatro, tv, já aprendi na marra a produzir, me aventuro como escritora, dou aula de sapateado para me manter e nos tempos vagos ainda invento de fazer crochê.

Ou seja, minha mãe é a experiente da relação, cenógrafa com mais de 30 anos de carreira, dos quais 27 foram trabalhando na TV Globo e eu sou atriz graduanda em artes cênicas na UNIRIO que já fiz desde o musical The Book of Mormon até a novela Rock Story, da TV Globo.

A. D.: Qual é a proposta dessa Produtora? Quais seguimentos ela trabalha?

Carol: A Galpão é uma empresa de produção e criação artística que pretende trabalhar em diversos segmentos, como música, dança, teatro, tv, cinema, eventos, etc. E costumamos dizer que a Galpão Zero Zero faz tudo o que todo mundo faz, só que diferente.

A. D.: Soubemos que ela tem uma proposta voltada também para a sustentabilidade. Falem um pouco sobre isso.

Cris: Sempre me incomodou muito o desperdício de cenário, principalmente em eventos, que depois de 4 horas raramente é reaproveitado e na maioria dos casos vira lixo. Com isso desenvolvemos o conceito de “Decoração Interativa” que consiste em fazer decorações e cenários com objetos de materiais recicláveis e utilizar, sempre que possível, objetos que possam ser levados como brinde pelos convidados. Por exemplo, fizemos um evento onde os centros de mesa eram arranjos com flores de pano e que em dado momento da noite nós revelamos que as flores poderiam ser tiradas do arranjo pois eram broches. Depois disso todos os convidados enfeitaram suas roupas com flores e foi a coisa mais linda.

A. D.: Quais os projetos que já estão em andamento e as projeções para 2018?

Carol: Estamos lançando 3 peças pra 2018, duas inéditas e uma em continuidade. São elas “Marte” com texto de Claudia Valli e Nino Ottoni e direção de Claudia Valli, “A Princesa Feia” com texto de direção de Claudia Valli e a continuação de “Flô” com texto meu e direção de Jai Gonçalves. Em paralelo, temos o projeto “Sem Tempo” que envolve dança e música em lugares inusitados e a nossa parceria com o Solar de Botafogo, já que a partir de agora todos os eventos que acontecerem por lá serão produzidos pela Galpão Zero Zero, sejam eles casamentos, festas, bodas, formaturas etc. Já imaginou casar num teatro?

A. D.: Existe algo que não perguntamos mas que vocês gostariam de falar?

Carol: Gostaríamos de falar do nosso projeto social “Por Onde Flor” (pois é, já temos um projeto social). Partindo do mesmo princípio da “Decoração Interativa”, nós nos incomodamos muito com o desperdício das flores utilizadas em eventos, que são jogadas fora cerca de 4, 5 horas depois do início doa noite. Por isso a Galpão Zero Zero é única empresa que só aceita trabalhar com flor se o cliente concordar em doar as flores no dia seguinte. Ou seja, o “Por Onde Flor” faz com que as flores utilizadas nos eventos sejam transformadas  em buquês e distribuídas para pessoas que estejam precisando de carinho, como idosos em casas de repouso, crianças em abrigos infantis, pessoas em hospitais etc. Ontem inclusive foi nossa primeira ação, com as flores utilizadas no nosso evento de lançamento, na casa de repouso Botafogo Apart Hotel Geriátrico. A ação foi linda e super emocionante!

A. D.: Qual a dica que vocês deixam para quem esta querendo entrar no mercado artístico

Carol: Não fique esperando o telefone tocar. Corra atrás de se produzir, de fazer o que você acredita e de criar a sua identidade de trabalho. Foi assim que aconteceu com a minha mãe e é assim que está acontecendo comigo. Eu acho que a Galpão Zero Zero é o exemplo de um fazer necessário pra qualquer artista.

Cris: Pra quem gostaria de trabalhar com cenografia ou arte é importante estudar muito, pesquisar e estar por dentro do que acontece no panorama cultural. Não abram mão dos seus sonhos.

Para ficar por dentro do que rola nesse Galpão acompanhe a página oficial deles no Facebook.