A busca usando o banco de dados da empresa Google virou um hábito e até um verbo. Tá na dúvida? Dá um Google. Mas e se você pudesse procurar empregos também? De uma forma bem mais eficaz do que apenas escrever nas barra de buscas e ver vários sites de vagas? Pensando nisso, surge o Google Jobs.

Usando de todas as tecnologias disponíveis nas ramificações da companhia americana, o serviço foi lançado em junho do ano passado nos Estados Unidos. Agora chega ao Brasil e promete ajudar a diminuir um pouco a dificuldade de sair do desemprego. Depois dos EUA, somos o primeiro país de atuação do serviço. Mas existe a intenção de expandir para os demais países da América Latina.

A rapidez da pesquisa promete ser de grande valia. Nick Zakrasek, gerente de produto da Google, disse em entrevista ao site Exame: “Nós achamos que a parte difícil da busca de emprego não deveria ser encontrar o anúncio, e sim a fase da seleção e de tomar a decisão sobre trabalhar na empresa ou não”.

Uma das grandes novidades é que o seu sistema de busca vai, usando inteligência artificial, “compreender” exatamente o tipo de trabalho que o usuário procura e exibir as melhores vagas de emprego. Os usuários não vão precisar baixar aplicativo ou fazer qualquer além. Basta usar a busca normal do Google, seja dentro do smartphone ou através do navegador. Informa ainda que não vai usar os dados privados do usuário para melhorar a busca por oportunidades. Zakrasek afirma que analisar outras informações do internauta poderia fornecer resultados de busca inúteis.

“A gente poderia pensar que uma pessoa que pesquisou por escalada poderia querer receber ofertas de emprego de atividades ao ar livre ou em academias. Mas o que descobrimos, perguntando a pessoas reais, é que às vezes muitas pessoas usam o mesmo computador ou o mesmo telefone”, diz ele.

Funciona assim:

  • Para ativar o recurso, basta digitar, por exemplo, “trabalhos em restaurantes”, “empregos em São Paulo” ou mesmo “trabalhos próximo a mim” na caixa de pesquisa do Google;
  • isso faz a ferramenta de busca rastrear as oportunidades disponíveis no site de diversos parceiros;
  • as vagas encontradas são listadas diretamente no resultado de buscas, em forma de cartões.

Aqui em terras tupiniquins, a empreitada conta com parcerias de sites e empresas como LinkedIn, Vagas, Trampos.com, Love Mondays, OLX e Empregos.com.br. Mas qualquer empresa pode participar já que a ferramenta é totalmente aberta. A equipe do Google ensina empresas a participarem na página de desenvolvedores da empresa.

“É fácil, basta adicionar algumas palavras-chave que o Google acha a vaga. A integração é fácil e milhares de empregadores já fizeram isso”, diz com base na experiência da ferramenta nos Estados Unidos. De acordo com ele, em três meses de lançamento por lá, o número de empregadores participantes aumentou 60%.

Nesse primeiro momento, os usuários brasileiros não terão acesso a vagas em outros países. Segundo a empresa, a maioria das pessoas que usam o Google para encontrar oportunidades em seus países e, por isso, esse foi o primeiro propósito.

Mas é possível que essa possibilidade seja desenvolvida em breve. “Como sabemos que, ainda assim, há pessoas interessadas em vagas fora do país, estamos trabalhando para melhorar a experiência”, informou em nota a empresa ao Site Exame.

Esse modelo de utilização da busca do Google para o Jobs, se assemelha ao já famoso e muito utilizado “Google Shopping”. Essa ferramenta já deu dores de cabeça para empresa ano passado quando foi acusada de prática de abuso de poder econômico. Como maior buscador do mundo, a União europeia considerou que prejudicava a concorrência de preços. Com isso, o bloco europeu condenou a uma multa de  2,4 bilhões de euros.

Já se prevenindo, a empresa afastou a hipótese do Google Jobs ser um risco à sobrevivência dos sites que reúnem as vagas que serão exibidas na busca. “A grande maioria das empresas fatura por meio de aplicações, mas também há aquelas que ganham dinheiro mostrando propaganda. Quando há mais tráfego de pessoas chegando, eles podem mostrar mais anúncios”, diz Zakrasek.

Google virou sinônimo de resultado, faça o teste e conta para gente o que achou dessa nova função.

CLOSE
CLOSE