Paliativos para o tratamento da Ansiedade

Em época onde o “tudo ao mesmo tempo agora” (Titãs), é o que rege os signos zodiacais, não é de se estranhar que as 24h do dia não sejam suficientes para suprir todas as nossas necessidades.

Temos hora para acordar, ir ao banheiro, comer, trabalhar, dormir… na verdade, passamos o dia a conjugar verbos que nos deixam cada vez mais cansados, estressados e ansiosos. O substantivo “amor” foi substituído pela oração “eu tenho que amar”; e com tantas coisas fora de ordem, lidar com os “consigos de si mesmo” virou tarefa árdua.

Seguindo a modernidade, as doenças que outrora eram consideradas frescura – mimimi – passam a tomar nossas vidas de uma maneira tão assustadora, que os remédios para depressão e ansiedade já lideram o ranking de vendas.

Mas e se você conseguisse parar a mente por cinco minutos? Se te dessem a escolha de se desconectar? Para onde você iria?

A Woo! Magazine trouxe dicas valiosas de como se desligar do mundo corporativo, como usar o celular só para fotos, e como [re]energizar o cérebro, de maneira que consigas lidar com a correria do dia a dia, e das fases que sempre nos parecem difíceis.

A ansiedade vem pelo excesso de zelo pelo futuro, já a depressão é o nome da caixinha onde guardamos todas as coisas desnecessárias do nosso passado. Mas e o presente? Quando é que vamos viver de verdade? Quando é que deixaremos de ser apenas fotos, aparentemente, felizes no Instagram?

Foto: Érica Pacheco e Yves Coelho

Fugindo, ouso responder!

Nosso destino foi o arquipélago formado por 187 ilhas (ou ilhotas) e pouco mais de 350 praias. Ilha Grande é um paraíso a céu aberto, com trilhas, passeios turísticos e o mais importante: silêncio. Tudo que sua mente ansiosa e estressada precisa.

Então vamos lá;

Dica número um: Não se programe! Acorde, abra a janela, acenda um incenso, coloque uma música alta, tome um banho bem gostoso e diga: “vou sair!”.

O fato é que ao nos programarmos, nossa mente ansiosa nos prega peças. E não vale a pena deixar de dormir por causa de uma viagem, que é justamente para relaxar, não é mesmo?

Dica número dois: Coloque na mala só aquilo que é extremamente essencial. Estressar porque a mala está grande, pesada, não trouxe isso ou aquilo, foge da nossa proposta. Desapegue-se dos bens materiais. Curta o seu estado “sou livre!”.

No nosso caso, levamos roupa de praia, protetor solar (muito!!!), repelente, tênis para fazer trilhas, chinelo e roupas leves. Ah! E um – digo UM – casaquinho para os friorentos de plantão. Mas lembre-se: você é sempre maior que a mala que carregas, beleza?

Dica número três: Vá sem olhar para trás.

Ilha Grande tem atrativos para todos os públicos e todos os poderes aquisitivos. As passagens variam entre R$16,50 e R$50,00. E se você for passar mais de um dia, hostels e campings são opções baratas, divertidas e sim senhores, confortáveis. Mas e para mente? Ah, “meus bens”, para a mente é tudo de graça.

A Woo!Magazine Fez dois passeios distintos. Uma para quem quer e pode gastar aquela graninha a mais, e outro para os poupadores de plantão. O objetivo, claro, é relaxar. E se a grana passar a ser um empecilho, mude! Estamos viajando para criar espaços vazios em nossa mente, e não mais problemas para ela.

Passeio número um: “Meia Ilha”. O valor foi de R$100,00 reais por pessoa e o destino foram cinco praias diferentes. Uma lancha e lá vamos nós! Com uma parada para o almoço – que sai barato se você dividir com alguém – passamos boa parte do tempo dentro d’água, convivendo com peixinhos deveras interesseiros (eles comem na nossa mão). É divertido, relaxante e o melhor, seu celular fica bem longe de você.

Passeio número dois:Cachoeira da Feiticeira”. Valor: tudo “de grátis”. Mas você precisa de muita disposição e força de vontade. Afinal, a trilha conta com quilômetros de subida pelo meio da mata atlântica. Portanto, leve bastante água, repelente um lanchinho leve, como barrinhas de cereal e frutinhas. Ah! E vá com um calçado bem confortável, ok?! Cara, são quase duas horas subindo. E mais uma vez, o intuito é relaxar. Então, na busca pela paz, o céu é o limite.

Ao longo do caminho você consegue ver animais exóticos como aranhas. Mas não precisa se assustar. Você não mexe com elas, elas não mexem com você. Peça licença e siga em frente. No caminho, também, conseguimos limpar nossos pulmões com um ar puro, fresquinho. E o cheiro da mata molhada é uma atração à parte para os amantes da aromaterapia.

Ilha Grande conta com muitos outros passeios. Você tem opção que não acaba mais. Mas a grande sacada é não esgotar as possibilidades. Deixe aquele gostinho de quero mais e assim que o estresse bater novamente, arrume as malas. Você já sabe o que fazer.

“Mas Kinha, estamos em meio a uma crise. Ninguém tem dinheiro. E você está dizendo para irmos para Ilha Grande?”

Não, queridos. A dica de hoje independe de lugar. O conselho é para fazer você se sentir bem, independentemente de onde esteja. É para ensinar a contar até dez, e limpar a mente de tudo de ruim que tem acontecido. E acima de tudo, é para dizer que toda pessoa ansiosa deixa que a mente a domine. E não! Isso não pode acontecer. Você é dono dos seus pensamentos e não o contrário.

Acima, quando perguntamos para onde vocês iriam, bem… nós fomos para Ilha Grande. Mas e o seu destino?? Qual será??

Este slideshow necessita de JavaScript.