A cada ano cresce o número de brasileiros que deixam o país para participar de programas de intercâmbio. A coluna, Trilhando, inicia uma série com quatro aventureiros que transformaram seus destinos mundo a fora com diferentes objetivos: aperfeiçoar um idioma, conhecer uma nova cultura ou impulsionar o currículo com um curso fora do país. Segundo a Belta – Brazilian Educational & Language Travel Association, só no ano de 2014 mais de 230 mil brasileiros tiveram esse experimento.  A garantia de um futuro promissor, com mais oportunidades e o crescimento do network, esconde uma realidade longe de ser uma experiência calma e tranquila. Uma imersão completa no costume de uma nação desconhecida pode mudar a forma de pensar e até afirmar o valor da Cidade Natal de cada um. A vivência desses quatro jovens descreve como a troca de conhecimentos ampliaram seus horizontes. Hoje vamos conhecer Bruna Kenilla de Oliveira, 25 anos de Guarulhos – São Paulo. Desde pequena tinha o sonho de conhecer o mundo. Pesquisou, criou coragem e há um ano mora em Cork, Irlanda. Apertem os cintos, boa leitura.

Meu Sonho Criou Asas e Voou

Cliffs of Moher, atração natural mais visitada da Irlanda – Condado de Clare, Irlanda.  Foto: Divulgação.

Desde os quinze anos, Bruna sonhava com o dia em que seria fluente em uma segunda língua e, quem sabe, morar em outro país. Porém, sua fantasia tinha alguns obstáculos: o custo das passagens,  estadia, sair do emprego para viver em uma cidade longe de casa, tudo isso não era possível. Porém desistir não estava nos planos, à solução foi aguardar o momento certo. Há dois anos quando foi demitida viu a oportunidade bater a porta. No começo pensou no Canadá, mas, preferiu uma agência de intercâmbio para Dublin, além de mais viável, preparava o candidato no uso da língua estrangeira. Formada em administração sabia que as melhores oportunidades são para quem fala inglês. Não hesitou fez as malas e embarcou para a Irlanda, 9.321 km de distância de São Paulo.

Seu primeiro trabalho foi de aupair – babá. Morava no emprego e assim, conseguia guardar uma parte maior do ordenado. Entre as novidades, era necessário aprimorar sua capacidade de enfrentar medos e frustrações, longe da família, se aparecia algum problema ela resolvia sozinha. Igual ao seu primeiro dia quando foi almoçar fora com os patrões e teve seu primeiro choque cultural, o cardápio era todo em gaélico. Viu no prato das crianças um pedaço de pizza, para ela era o pedido certo. Mas, na confirmação, o garçom disse algo mais que a palavra pizza e para não criar confusão, Bruna acenou com a cabeça, num tímido sim. O resultado foi uma fatia de pizza com pimenta, muita pimenta, tanta que ela não conseguiu comer e de tanto disfarçar a família percebeu que alguma coisa estava errada, “depois de treinar frases no google tradutor, consegui dizer que não queria e acabei pedindo um hambúrguer, eles foram compreensivos, ali percebi o quanto a gente aprende a se virar, na hora do sufoco”, diz Bruna.

A partir disso, muita coisa mudou. Fez amigos, conheceu Paris, Londres, Berlim e se vê mais madura, responsável, disposta em se adaptar a novos lugares. Além disso, cresceu sua consideração com profissionais do trabalho informal, como são chamados na cidade. Pois tanto em Dublin e em toda a Irlanda, a maioria dos empregos para estrangeiros são os de faxineira, babá e garçonete. “Quando eu voltar eu tenho certeza que serei mais gentil com essas pessoas, eu sei o quanto uma caixinha ou um simples obrigado pode mudar o dia deles, eu aprendi a ter um olhar mais humano”, também conta que toda a vivência a deixou mais flexível a culturas diferentes.

Bruna e um dos castelos de Galway, a cidade serviu de cenário para vários filmes. Foto: Divulgação.

 Aventura

A facilidade de conhecer outros países na Europa é uma das vantagens, e principalmente, nas folgas de domingo. Foi em um deles que nove amigos e Bruna, alugaram dois carros, embarcaram em oito horas de viagem para conhecer, Cliffs of Moher, o ponto turístico mais visitado da Irlanda. O lugar recebe em média um milhão de turistas, famosa pelo penhasco e por suas belezas naturais. Outra opção do dia foi, Galway e seus castelos. “Até parece que a gente vai encontrar o Harry Potter por aqui.” Bruna é amante dos filmes da série e afirma que o lugar é mágico.

Fora do contexto profissional, não sabe mensurar que benefícios ela encontrará ao se candidatar à alguma vaga aqui no Brasil, mas, acredita que todos os desafios serviram para construir uma administradora mais forte, responsável e proativa. “Minha mente cria diversas possibilidades, tenho certeza que hoje é um dos meus pontos fortes pós intercambio, além de ter fluência numa segunda língua”, segunda ela, também quer lecionar aulas de inglês para crianças de baixa renda na região onde a família mora, acredita que todos precisam passar por essa experiência, uma forma de dar um empurrãozinho.

Parar, nem em sonho! O próximo passo é conhecer outro país e aprender uma nova língua. Quando, ela ainda não sabe. Sem pressa, Irlanda é receptiva tem fácil acesso aos países europeus e afirma que ainda existe muito para viver ali. Para que tudo corra como o previsto, Bruna aconselha a  programar com calma a escolha de uma escola, o país e o tempo que ficará longe dos familiares, tudo influencia. “Eu não tinha dinheiro para ficar 1 mês no exterior, essa semana completei um ano morando na Irlanda.”, diz que mais que o planejamento é preciso também ter determinação, sem esses princípios nada sai do papel.

Saudades

É a primeira vez que Bruna mora longe da família por tanto tempo. Diminui a falta com telefonemas e muitos e-mails. Confirma que diversas vezes chorou, queria passar domingos na casa, em Guarulhos ou ir ao cinema com amigos. Depois de um ano conheceu pessoas do mundo inteiro, aprendeu a conviver com a diferença e a respeitar opiniões, criou resistência. Mas ao mesmo tempo ganhou uma força desconhecida. Não se arrependeu das decisões que tomou, foram valiosas. “É algo que as palavras não conseguem descrever como isso te transforma em todas as áreas e aspectos das nossas vidas, sou outra pessoa.” Em março ela embarca para Amsterdam.

Bruna viajou pela Mango. Semana que vem tem a história do Lucas Suesco e seu tour pelos EUA. Até lá!

Por Mari Manetta