Vamos falar de quem realmente vale a pena ter por perto?

É engraçado como as coisas mudam do dia para noite ou ás vezes de um mês para o outro, talvez até de um ano para o outro. Fato é que as coisas mudam, as pessoas mudam e isso é extremamente importante. Mas nem sempre as pessoas sabem lidar com as próprias mudanças e quem dirá que sabe sempre lidar com as mudanças do próximo.

Leandro Roque de Oliveira, mais conhecido pelo nome artístico Emicida, é um rapper, repórter e produtor musical brasileiro. Eu peço licença e compartilho com vocês a visão dele (que também é a minha) sobre o entendimento da busca por seus sonhos e as pessoas que não entendem isso.

Vamos lá? Aumenta o som (link está no final do texto). Ele começa assim:

“Eu sei que há quem dedique dias pra nos ver cair. Na lama tomba ao invés de buscar luz, puxa pra sombra…”

Só nesse início dá para concluirmos que nem todos querem o nosso bem, nem todos estão torcendo a favor dos nossos sonhos e objetivos. E é verdade que tem familiares, amigos, colegas, conhecidos… que palpitam de maneira que tentam nos desmotivar para não mantermos o foco.

Ele continua:

“…Falo, não, calo, irmão vocês só vêem anéis, nóiz temos calos nas mãos…”

Complicado quando só veem o lado bom da história e esquecem todo trajeto, todas as coisas pelas quais passamos para hoje estarmos onde estamos.

E o refrão é uma direta bem reta, mesmo:

“Tô na tv e tô na rua, numa vida igual a sua, diferença? Eu trampo eles olha. Eu trampo eles mosca. Eu trampo eles posa. Eu trampo sério.”

Quem acompanha o Emicida sabe sua história de vida e como ele quebrou paradigmas até se tornar uma das maiores revelações do hip hop do Brasil nos últimos anos. E quando leio/escuto esse refrão ele em poucas palavras diz que a diferença dele para as pessoas que não buscam seus objetivos, é que ele trabalha e trabalha sério, quando as pessoas estão apenas olhando paradas para o nada.

“…Faça o bem ou não faça nada, ok? Sem mancada. Deixo os cara bravo por pô valor, na cor do açúcar mascavo. Vencer com centavos ter meus manos salvo, eu sou livre, eles pensam como ex escravo… Sinônimo de amor e Luta, nunca desavença, compreende? Não? Com licença…”

Sabe aquele ditado: Muito ajuda quem não atrapalha? Pois bem, é assim mesmo que funciona, se não for para ajudar, fazer o bem, simplesmente não faça nada. E que se você quer mesmo alguma coisa você pode vencer os centavos (eu sempre bato nessa tecla) deixa de mimimi, para de pensar como um desfavorecido, desprovido de algo, você não é escravo. Tente ser um sinônimo de amor e luta, nunca desavença.

Vamos mais adiante onde ele finaliza na voz do Rael da Rima:

“…Eles notam que seu tênis é novo. Diz agora você é burguês. Mas no metrô lotado, cansado, atrasado, quem notava vocês? Eles notam que seu carro é loco. Dizem que ostentam como reis. Mas quando era faculdade, trampo, hora extra, ninguém nunca quis nossa vez.”

A melhor maneira de finalizar é refletindo sobre esse trecho, é normal notarem que você hoje está bem, que você está em um lugar melhor, que os seus sonhos foram e estão sendo alcançados. Mas e os seus dias de cansaço depois do trabalho, suas noites estudando, seus finais de semana sem diversão em busca de foco?

Mesmo que  ninguém queira a sua vez  hoje, apenas peça licença e continue por você e por quem acredita em você, por quem te motiva, por espera o seu melhor e que nota o seu esforço tendo a certeza que você merece mais.

Aproveita e aumenta o som e me diz o que acha!

Por Rayane Ramalho