Na última semana, a atriz Maisa Silva tornou-se o centro das atrações após sua participação no Programa Sílvio Santos. Ela foi convidada para participar de um quadro, juntamente com o apresentador mirim Dudu Camargo. Porém, a noite foi marcada por situações consideradas desrespeitosas pelo público.

Maisa tem 15 anos e durante anos apresentou o programa infantil “Bom Dia & Cia”, transmitido no SBT, onde se tornou conhecida pelo público. Dudu Camargo tem 19 anos, é apresentador do jornal “Primeiro Impacto”, também da emissora.

Durante o quadro, o apresentador Sílvio Santos tentou, por diversas vezes, insinuar que Maisa deveria se envolver romanticamente com Dudu. Ele introduziu o assunto falando que a menina nunca era vista com namorados na mídia, ao contrário de sua amiga e também atriz Larissa Manoela, de 16 anos.

Sílvio Santos diz que o programa foi uma armação para aproximar os dois, no que a atriz responde que não estava lá para isso, mas sim para o jogo. Entre várias insinuações feitas pelo apresentador, inclusive de que os dois artistas mirins poderiam casar e ter filhos em um ano, Maisa demonstrou-se extremamente desconfortável.

Após a apresentação do programa, que repercutiu rapidamente na internet, a atriz manifestou-se em seu facebook.

O texto de Maisa apresenta o questionamento sobre o papel que a mulher é submetida aos dias de hoje, principalmente na televisão. Em tempos de lutas de minorias, não há maneira de ficar calado diante dessa situação. A atriz já apresentou, em outros momentos, comentários favoráveis a luta feminista.

Maísa Silva

Porém, apesar do apoio da internet e de alguns famosos, teve quem pudesse discordar das atitudes a atriz. A apresentadora Sônia Abrão, do Programa “A Tarde é Sua”, falou sobre o ocorrido em seu programa e se manifestou contra Maisa, colocando-a como mal-educada e grossa, além de falar que situações como aquela deveriam ser levadas na brincadeira.

O que Sônia Abrão – que beijou Dudu Camargo em seu programa – esquece, é que essa geração da Maisa não vai mais aceitar provocações como brincadeiras. Pode ser que a atriz tenha sido um pouco hostil em seus argumentos, pela maneira que se referiu ao seu colega de trabalho, mas nada que não tenha sido respondido à altura dos comentários desnecessários feitos por Sílvio Santos.

Tudo o que aconteceu no programa não pode ser mais visto como uma “brincadeira”. Maisa pediu, mais de uma vez, que o apresentador parasse com as insinuações, e em nenhum momento ela foi respeitada. Nem mesmo por Dudu Camargo, que argumentou que ela estaria na TPM, um argumento machista para justificar as atitudes de mulheres.

Durante anos as mulheres foram submetidas a papéis secundários na televisão, dentro e fora da ficção, quando não eram utilizadas apenas para personagens fetichizados. Mas a luta feminista, que ganha espaço na mídia dia após dia, ainda precisa de espaço no audiovisual com funções e papéis dignos, condizentes com a realidade que vivemos, onde as mesmas não aceitam mais provocações baratas durante um programa televisivo.

Maisa Silva é voz e influência para a geração millenium, que tem mais acesso as pautas minoritárias do que a geração de Sílvio Santos e Sônia Abrão. Faz parte de uma geração que sabe quais papéis quer representar e que não aceita o conformismo social e as “regras” machistas que ainda predominam socialmente. O que Maisa fez nada mais é do que exigir respeito pelo seu papel como mulher.

O que falta é conscientização de que todos precisam ser respeitados e que certas situações não podem mais ser tratadas como uma “brincadeira”. Se ofendem uma pessoa, por qualquer motivo que seja, essas questões precisam ser discutidas, a fim de que não sejam feitas com outras pessoas e que, algum dia, cessem de vez.