O Museu de Arte de São Paulo lançou sua programação de exposições para este ano que chegou hoje (!!!) e já promete. Foram liberados dez títulos de peso, como a Coleção MASP Landmann, Miguel Rio Branco, Wanda Pimentel, Tunga e Guerrilla Girls, entre outros. Todas as mostras foram pensadas e serão realizadas pela curadoria e produção do Museu.

Acompanhe a lista:

Coleção Masp Landmann

De janeiro a agosto
Curadora: Márcia Arcuri, curadora-adjunta de arte pré-colombiana
A coleção Edith e Oscar Landman é uma das principais coleções de arte de arte pré-colombiana da América Latina e parte de seu acervo foi cedido em comodato ao museu por 10 anos. A coleção Masp Landman, composta por cerca de 900 obras, cobre um arco temporal de quase 2.500 anos (1000 a.C. ao século 16) com peças em diversos suportes.

Avenida Paulista

De 16/02/17 a 04/06/17
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor artístico; Fernando Oliva, curador; Tomás Toledo, curador; Luiza Proença, curadora; Camila Bechelany, curadora-assistente.
A avenida Paulista é um dos principais marcos da cidade de São Paulo e constitui um entrecruzamento de atividades, ocupações e públicos. A exposição, com obras históricas e trabalhos comissionados, pretende não apenas refletir sobre as histórias, a paisagem e a arquitetura da avenida, mas também abordar alguns temas importantes de seu cotidiano, como os projetos arquitetônicos, os protestos políticos e os usos privados e públicos da avenida. Artistas convidados: Ana Luisa Dias Batista, Luiz Roque, Dora Longo Bahia, Cinthia Marcelle, Lais Myrrha, Rubens Mano, Marcius Gallan, Graziela Kunsch, Renata Lucas, Rochelle Costi, André Komatsu, Daniel de Paula, Ibã Sales, Marcelo Cidade e Mauro Restiffe.

Teresinha Soares

De 27/04/17 a 06/08/17
Curadores: Rodrigo Moura, curador-adjunto de arte brasileira; e Camila Bechelany, curadora-assistente.
Teresinha Soares (Araxá, 1927) é uma das principais artistas que trabalhou com questões relacionadas à mulher no Brasil nos anos 1960 e 1970. Sua obra tem um caráter contestatório, transgressivo e abertamente erótico. Essa primeira retrospectiva dela em um museu reúne pinturas, desenhos, instalações e objetos, além de registros de performances e vasta documentação. Embora seu trabalho seja ainda pouco conhecido do grande público brasileiro, ela tem cada vez mais participado de exposições internacionais que a contextualizam no marco da nova figuração dos anos 1960, bem como no da arte política.

Wanda Pimentel

De 18/05/17 a 17/09/17
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor artístico; e Camila Bechelany, curadora-assistente.
Wanda Pimentel (Rio de Janeiro; 1943) trabalha com o universo feminino em pinturas que revelam o ambiente doméstico, no qual objetos do cotidiano parecem interagir com fragmentos do corpo da mulher. A exposição no Masp contempla uma seleção de pinturas da série “Envolvimento”, do final dos anos 1960 e início dos 1970, que apresenta cenas de interiores sempre a partir de uma perspectiva intimista.


Henri de Toulouse-Lautrec

De 29/06/17 a 01/10/17
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor-artístico; e Luciano Migliaccio, curador-adjunto de arte européia.
Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901) é um artista central do pós-impressionismo francês, cuja obra retrata uma viva crônica da Paris do final do século 19. Inteiramente organizada e produzida pelo Masp, a exposição apresenta uma seleção das mais emblemáticas pinturas de Toulouse-Lautrec, tais como desenhos e gravuras da vida noturna parisiense, com personagens boêmios, decadentes, sensuais e ambíguos, em cenas noturnas, cabarés, casas de concerto e nas maisons closes. O Masp possui a maior e mais importante coleção de trabalhos do artista na América Latina e é a partir dela que se constrói o conjunto apresentado na mostra.


Miguel Rio Branco

De julho a outubro
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor-artístico; e Tomás Toledo, curador.
A exposição de Miguel Rio Branco (Las Palmas de Gran Canaria; 1946) reúne um dos mais importantes corpos de obra do artista, em uma seleção das fotografias feitas no bairro do Maciel, no Pelourinho, em Salvador (BA), no final dos anos 1970. Nessas imagens, fundamentais para a construção do seu vocabulário artístico, Rio Branco retrata a prostituição instalada nos antigos casarões coloniais baianos, seus personagens e suas histórias, humanas e violentas, registrando com lirismo e exuberância visual a relação entre sociedade, sexualidade, história e cidade. A exposição traz cerca de 40 fotografias do período.

Pedro Correia de Araújo

De 25/08/17 a 18/11/17
Curador: Fernando Oliva.
Pedro Correia de Araújo (Paris,1874 – Rio de Janeiro, 1955) foi um importante pintor e professor de sua época, tendo inclusive dirigido a Academie Ranson, em Paris, e participado dos grupos de vanguarda com Picasso, Matisse, Rivera, entre outros. De volta ao Brasil, em 1929, fixa-se no Rio de Janeiro e também participa ativamente dos círculos modernos do país, tendo convivido com Portinari, Guignard, Di Cavalcanti e Ismael Nery. É abordada uma das facetas mais pungentes da obra dele: a vida noturna, a boemia e seus personagens.

Guerrilla Girls

De 28/09/17 a dezembro de 2017
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor artístico; e Camila Bechelany, curadora assistente.
O coletivo Guerrilla Girls foi criado nos anos 1980 e é uma das principais vozes sobre a participação das mulheres no mundo da arte. Por meio de performances e da utilização de cartazes sobre sexismo e racismo, o coletivo destaca não apenas o fato de que as mulheres artistas foram ativamente excluídas do “cânone” da arte, mas também foram exploradas como temas na história da arte, muitas vezes em nus. A exposição dos cartazes de Guerrilla Girls no Masp cria uma nova reflexão sobre o tema da sexualidade e da afirmação dos gêneros na sociedade contemporânea.

Histórias da Sexualidade

De 19/10/17 a 09/02/18
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor artístico; Lilia Schwarcz, curadora-adjunta de histórias; Pablo León de la Barra, curador adjunto de arte latino-americana; Tomás Toledo, curador; e Camila Bechelany, curadora assistente.
A mostra reúne múltiplas representações do tema da sexualidade, organizadas em torno de núcleos temáticos.

Tunga

De 14/12/17 até 2018
Curadores: Adriano Pedrosa, diretor artístico; e Tomás Toledo, curador.
Tunga (Palmares, Pernambuco,1952 – Rio de Janeiro, 2016) é um artista central na história da arte brasileira. Em quase meio século de produção, constituiu uma obra com referências a um universo simbólico único. A mostra traz obras que lidam com o desejo e o erotismo. Reunindo trabalhos em diferentes formatos, como desenhos, esculturas e filmes, a retrospectiva é a primeira grande exposição do artista em uma grande instituição brasileira desde o recente falecimento do artista.

Masp – Museu de Arte de São Paulo

Cerqueira César: av. Paulista, 1.578, tel. 3149-5959. Ter., qua., sex., sáb., dom. 10h/18h; qui. 10h/20h. R$ 30 e R$ 15. Estudantes, professores e maiores de 60 anos pagam meia entrada. Grátis às terças e para menores de 10 anos. Site do Masp

Por Michaela Blanc