Em tempos sensíveis como os que vivemos agora, todas as expressões artísticas podem funcionar como um grande palco para discussões sobre momentos críticos que o mundo experimenta. Assim como muitas grifes trouxeram o feminismo e questões ambientais para seus desfiles nas principais semanas de moda, outros estilistas estão trabalhando arduamente para trazerem à tona a discussão sobre os refugiados.

O primeiro trabalho é o “Dress For Our Time”, da artista e estilista britânica Helen Storey. Helen transformou um toldo descartado, previamente usado como tenda de uma família de refugiados sírios no Za’atari, na Jordânia, num vestido com capuz, que ainda carrega as marcas do seu passado. O trabalho de Storey, que é professora e pesquisadora da London College of Fashion, é atualmente exibida na Conferência e Exposição Internacional de Ajuda e Desenvolvimento Humanitário de Dubai, e procura expor a realidade do cotidiano dos refugiados diante de um público que está política e economicamente distante do conflito. O toldo usado para a criação do vestido foi descartado quando o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados instalou barracas no acampamento de Za’atari.

A artista britânica que trabalha com moda sustentável há um tempo, tenta descrever seu trabalho justificando que a moda pode servir como um “cavalo de troia”, que vai abrir a porta para poder discutir outros assuntos graves e cruciais, que diz respeito ao mundo todo. Ela também conta que foi importante que a tenda tivesse uma história, e que tivesse funcionado realmente como o refúgio de uma família, enriquecendo a narrativa que ela buscou para construir a peça.

No site dress4ourtime é possível ver vídeos e explicações sobre como o projeto está trazendo atenções para o assunto e para a responsabilidade que a moda também tem.

“É raro que exista uma peça na moda que é desenhada não para influenciar o que você compra, mas para mudar a forma como você pensa. É ainda mais raro encontrar uma peça criada para promover a discussão da ciência climática. Mas isso é Helen Storey para vocês.” – LUCY SIEGLE, THE GUARDIAN

Outro projeto que mistura moda e refugiados é o “Design For Difference”, criado pela estudante de moda da Parsons School, Angela Luna, de apenas 22 anos. Luna criou o projeto para conseguir ajuda aos refugiados sírios que continuam fugindo de áreas de guerra.

Para desenvolver as 7 peças, a jovem dedicou horas de pesquisa para identificar as reais necessidades desses homens e mulheres, resultando em uma coleção de roupas multifuncionais, com colete salva-vidas refletivo, suportes ajustáveis inclusive para crianças, casacos que se transformam em tendas ou que viram saco de dormir e mochilas.

O projeto ainda está em fase de desenvolvimento, mas Angela já formalizou sua vontade de vender as peças para o mercado acessível, como roupas especializadas da marca North Face, a fim de gerar renda necessária para conseguir uma grande distribuição de roupas para os locais mais necessitados.

A Parsons garantiu à jovem um lugar na lista de Designer do Ano da Universidade no ano passado após apresentação da coleção, e apoia o desejo de transformar a moda numa alavanca de ajuda humanitária.

CLOSE
CLOSE