A Netflix concentra hoje uma variedade de produtos em seu serviço. São diversos filmes, séries e documentários que oferecem o melhor ao espectador por um custo mensal. Todo mês ocorre uma troca de catálogo e algumas propostas podem ser bem interessantes.

É claro que a ideia é proporcionar lazer sem precisar sair de casa. A plataforma é adaptável e existe a opção de baixar o episódio para assistir sem internet. Por outro lado, toda essa “facilidade” não serve apenas para entreter, mas também pode ser um objeto de reflexão.

O “carro chefe” do serviço é claramente o investimento em séries originais, que teve início em 2013 com “House of Cards”, protagonizada por Kevin Spacey. Na trama, Spacey é o ambicioso político Frank Underwood, que não mede esforços para conseguir o que quer. Sucesso de público e crítica, a série retorna para sua quinta temporada no fim do mês.

No mesmo ano, a Netflix investiu em “Orange Is The New Black”, que narra a história de Piper Chapman (Taylor Schilling) dentro do sistema carcerário feminino. Com ela, existem outras mulheres, cada uma com seus motivos para estarem presas e também com a sua luta pessoal.

Ficou claro para os fãs – e também para a Netflix – que uma história voltada para a protagonista não daria certo, justamente pelo estereótipo em que era apresentada. Dentre as outras personagens da trama, a história de Chapman era a que menos necessitaria de visibilidade, o que levou a uma mudança na quarta temporada. A série foi renovada para mais três temporadas, e tem data de estreia da quinta para o dia 9 de junho.

Com a recepção positiva dessa mudança vista em “Orange Is The New Black”, a Netflix parece ter investido cada vez mais em programas para refletir e sair da “zona de conforto” tradicional. “The Get Down”, “Chewing Gum” e a famosa “Dear White People” fizeram esse papel perfeitamente não só pela questão da visibilidade, como também pela crítica ao racismo.

Para continuar a falar de minorias, “Sense8” e “Eu, Tu e Ela”, ambas tramas com personagens LGBTs. A primeira possui uma crítica social mais forte, ao mostrar o preconceito com homossexuais e também com transexuais. A segunda, embora seja de comédia, não perde espaço ao quebrar com os padrões monogâmicos de relacionamento.

“Las Chicas del Cable” e “Jessica Jones” abrem espaço para falar de feminismo, tema muito atual e que vem ganhando espaço também na televisão aberta. Ambientada em 1929, “Las Chicas del Cable” é a primeira série espanhola da netflix e mostra mulheres lutando por independência e visibilidade num ambiente patriarcal.

“Jessica Jones” divide espaço com “Demolidor”, “Punho de Ferro” e “Luke Cage”, que se reunirão em “Os Defensores” em agosto desse ano. Ainda assim, Jones é referência para várias mulheres e a série aborda os abusos presentes nas relações pessoais, que costumam ser tratados como uma questão normal por parte da sociedade.

A série, que também é um documentário, “Hot Girls Wanted: Turned On”, busca dar voz e mostrar o outro lado da indústria pornográfica. Em grupos feministas essa questão é amplamente discutida, principalmente entre as vertentes “liberais” e “radicais”, que divergem sobre o papel da mulher na luta pelo direito a seu corpo.

A polêmica “13 Reasons Why”, que falou sobre bullying, depressão e suicídio na adolescência foi amplamente criticada, uma vez que socialmente ainda é um tabu falar sobre isso. A mesma coisa pode ser dita de “3%”, a primeira série brasileira do streaming, que chegou com uma crítica a meritocracia e hoje é um sucesso mundial, mesmo sendo massacrada pela imprensa brasileira.

Netflix: Hannah Baker - 13 Reasons Why

Engana-se quem pensa que não é necessário dar voz a essas discussões, uma vez que a internet já dispõe de um vasto acervo sobre esses assuntos, mas é notório que através das séries se alcança um público bem maior. Inclusive, uma identificação entre público e trama é essencial para conscientizar que a luta das minorias deve ser respeitada.

Essas abordagem não existe só nas séries, há uma categoria que é voltada exatamente para as questões sociais, que também possui filmes, alguns até bem conhecidos pelo público. Logo, não há mais desculpa para não olhar o audiovisual com outros olhos, toda forma de crítica é essencial na busca por visibilidade, algo que a Netflix faz muito bem e que a leva a continuar a ganhar assinantes por aí.

  • Jeniffer

    Amo OITB e 3%. Às outras eu ainda não vi, mas é maravilhoso ver os debates sociais que o entretenimento vem trazendo atualmente. Através de debates que as mudanças aparecem e a netflix proporciona isso!

  • Juh Costa

    A netflix tem uma variedade enorme e ra todos os gostos né?! Gosto de assistir alguns documentários por lá. Agora estou vciada nas séries próprias, eles tem uma produção incrível e quase nunca erram a aposta. Alguns que você citou acima eu não conhecia, mas já vou procurar assistir

  • camila fernandes

    amo assistir orange black e vou dar um pesquisada nas outras series que voce listou, cada uma diz um pouco da realidade do mundo que existe diversidades

  • Maria Rafaela da Silva

    Eu amo Orange Is The New Black ♥ estou muito ansiosa para que volte logo a nova temporada… Adorei a sua seleção…são séries muito boas… mas confesso que preciso assistir Jessica Jones…parece muito boa.

  • Kemmy Oliveira

    Geeente, não sabia dessa categoria aí :O assinei a Netflix há pouco tempo e ainda não explorei tudo
    Não sabia que House of cards era original deles também. Ganhei os livros há algum tempo 🙂
    Amei saber dessas duas séries que abordam feminismo! Já conhecia as duas, mas nunca assisti nenhum episódio. Agora darei prioridade.
    13 reasons why, aaaa, 13 reasons why… juro que não entendo o motivo de tanta crítica!
    Acho que as pessoas acreditam que se não falar de depressão, bullying e suicídio essas coisas deixarão de acontecer. Ridículos.

  • andressa

    POST MUITO BOM .. EU AMO ASSISTIR NA NETFLIX TUDO .. TO AMANDO PRETTY LITLE LIARS TO VICIADA HAHA

  • Que post maravilhoso de ler! <3 Acho que a Netflix está fazendo um trabalho incrível, principalmente na hora de debater o empoderamento feminino (como vemos em OITNB e Jessica Jones). Achei muito bacana que você falou de duas séries que poucas pessoas conhecem: Hot Girls Wanted: Turned On, que tem tudo a ver com meu blog hahaha, e Las Chicas del Cable, que muita gente nem sabe que existe porque só ve coisas "made in USA".

  • Chocada com esse post! Eu vivo no netflix e não sabia dessa categoria! Já havia assistido um pouco de Jessica Jones, mas não me atentei para esses detalhes! Fiquei morrendo de vontade de ver a maioria dessas séries! Amei demais seu post!!!

  • Eu gosto muito da netflix,tem infinitas opções de series e filmes, pra todos os gostos!!!
    Eu não sabia que eles tinham series só deles, maneiro.
    Tem um tempo que não assisto nada lá, comecei usando através de Pretty Little Liars. Amooooo!

  • Acho que de todas dessa lista, 13 Reasons Why foi a que mais me fez parar para refletir! Mas também amo OITNB e achei super bacana colocarem uma trans na série! Estou ansiosa pela nova temporada!

  • Andreza

    Eu assisto filmes e series pelo netflix e nao conhecia essa categoria, nunca havia prestado atenção. estou anciosa pela estreia de Orange que estou acompanhando desde o ano passado.

  • bruna

    gente eu adoro a netflix e muitas series que voce mostrou no post eu ja assisti ou ja ouvi falar acho que a netflix esta de parabens sempre tem series maravilhosas.

  • Dessa lista a única série que eu assisti foi 13 Reasons Why, que realmente foi muito criticada. O que eu achei curioso foi que ela foi muito esperada e depois da estreia as pessoas começaram a criticar, alegando que a série não abordou o tema da forma correta

  • Netflix tem bastante variedades né? Adorei o post. Faça mais assim rs

  • Bruna

    A Netflix é ótima justamente por isso, além de oferecer uma vasta opção de filmes, séries e desenhos, ainda produz seu próprio conteúdo inteligente que além de entreter faz com que os usuários reflitam.

  • lucia Gomes

    Ainda vou acabar viciada em séries

  • Ane Lopes

    Ameeei 13 reasons why mas Jessica Jones e Orange is the new Black não consegui terminar de ver. Gostei do post, vou procurar ver as outras que não conheço.

  • As séries citas são ótimas, pelo simples fato de relatar coisas que acontecem hoje na nossa sociedade, no nosso dia a dia, coisas que pra muitas pessoas são bobagens, mas é a nossa realidade!

  • Thais Lopes

    Sou assinante da netlix, já assistir algumas das series citadas acima; E pessoalmente acho como um ótimo objeto de reflexão porque as vezes convivemos e não notamos; mas quando vemos de alguém de fora de forma ilustrativa, paramos e pensamos.

  • Alaide Cassiano

    Netflix atende perfeitamente bem a todos os gostos, e é claro, não da pra agradar todo mundo, logo a crítica sempre vai existir, independente se a série for sobre suicídio ou homossexuais, o que é uma pena né? As pessoas não abrem suas mentes para ver o que está acontecendo, só pensam no horror que é mostrar uma cena de sexo lésbico, o horror que é mostrar uma garota se suicidando, e se esquecem que isso acontece todos os dias.

  • Priscila

    As séries da netflix são SEN-SA-CI-O-NA-IS! Amo muito ver todas as originais, principalmente as com criticas sociais 🙂

  • Joana Ramos dos Santos

    Amo as séries da Netflix num geral! Assisti/assisto quase todas as citadas e o Netflix está sempre me impressionando muito, tanto pela qualidade das produções quanto das histórias e mensagens. Com certeza pra mim as melhores até agora e com mensagens muito forte foram Dear White People e 13 Reasons Why.
    Estou super curiosa para ver Las Chicas del Cable, parece sensacional!

  • Bruuna O. Ribeiro

    Amo a netflix tem muitos seriados maneiro e um deles que você citou o Luke Cage eu assisti alguns episodios e achei muito mara! Um que eu assisti todo foi the vampirie diaries e Pll. Mas com todos os outros que você deixou ai vou procurar assistir aluns episodios deles fiquei bem curiosa nesse Jessica Jones!

  • Janaína Hanna

    Ultimamente a Netflix está arrasando nas produções com críticas sociais e tem gerado bastante o que falar, seja de forma positiva ou negativa. Já conheço alguns, mas não assisto e assisto outros.