Se você não morou nesse planeta nos últimos 30 anos ou estava em alguma parte do mundo em que a TV e o cinema só chegaram há alguns dias, podemos dizer que Keanu Reeves é a pessoa que (quase) ninguém odeia em Hollywood, mesmo estando ativo desde que começou a despontar como ator, ali no final da década de 80.

Você pode até ouvir alguém falar que não gosta dele como ator, ou que ele vive o mesmo personagem sempre, mas saber de alguém que é hater dele, como é de Ryan Gosling, Emma Watson ou Jennifer Lawrence, é quase impossível. E há alguns motivos para ninguém odiá-lo e nada tem a ver com o “coitadismo” que criam em cima de sua imagem e que deve ser inevitavelmente deixada para trás: Keanu é uma pessoa com bons e maus momentos como qualquer um.

Reeves é o ator até hoje – segundo as pesquisas feitas para escrever essa nota – que mais faturou com uma produção: a trilogia “Matrix” (o primeiro sendo “Matrix”, o segundo “Matrix: Reloaded” e o terceiro “Matrix: Revolutions”). Além do cachê pelos dois últimos filmes, que beirava os 30 milhões de dólares, ele ainda recebeu cerca de 156 milhões de dólares gerados pelo lucro das obras. A quantia recebida pelo primeiro foi menor, mas a bilheteria de mais de 400 milhões de dólares fez Reeves ser um dos atores mais lucrativos de Hollywood por anos.

A parte da bolada milionária que recebeu, ele não ficou com todo dinheiro. Achando injusto receber tudo isso, o ator deu algumas motos de luxo realmente caras para os homens que trabalhavam com a parte técnica dos longas, que para Keanu foram tão ou mais essenciais na criação do universo “Matrix” do que ele mesmo.

Recluso e ultra discreto, Reeves não dá vexame em festas, não é alvo constante de paparazzi (apesar de já ter sido flagrado com namoradas que nunca assumiu ou andando de moto “disfarçado”), não é excêntrico com seus gastos, nem arrogante, presunçoso ou metido. Sempre educado, ele é tímido na maioria de suas entrevistas, mas quando se sente à vontade com um apresentador é fácil ver sua personalidade e seu humor, no mínimo, peculiar.

Várias histórias interessantes rondam Keanu. É verdade que ele teve um bebê que nasceu natimorto, que a mãe desse bebê morreu pouco depois da dele (e ela e Reeves não foram casados, por mais que muita gente goste de falar sobre isso como ela sendo esposa dele), também é verdade que sua irmã e melhor amiga, Kim, teve câncer e ele parou tudo durante alguns meses para apoiá-la, e que Reeves perdeu um de seus amigos mais próximo, River Phoenix, ator com quem compartilhou crédito em “Garotos de Programa”, morreu de overdose em um clube noturno nos Estados Unidos. Também é verdade que ele, como qualquer pessoa normal, senta em calçadas ou bancos de rua e come, lê jornal, conversa com mendigos, anda de metrô e cede seu lugar para mulheres sem nem precisar estar em um assento especial.

Pelo ar sério que costuma manter, Keanu já virou até meme: o Sad Keanu, uma foto dele comendo um lanche em algum parque e parecendo estar triste. O ator já viu algumas brincadeiras e não pareceu se incomodar com isso. Outra história cômica que envolve o ator é o fato dele parecer ter 30 e poucos anos, o que já rendeu diversos comentários e montagens de fotos dizendo que ele seria, na verdade, um vampiro (em outra matéria já foi falado sobre isso).

Profissionalmente falando, Reeves é um ator com um bom tino comercial, mas que falha várias vezes. Fez “Matrix”, que deu absolutamente certo, Velocidade Máxima”, “Constantine” e “John Wick”, mas também fez coisas que além de muito ruim, ainda amargou números horríveis nas bilheterias: como O Dia Em Que A Terra Parou”, “47 Ronins” e “Knock Knock”. Sua interpretação já foi tachada como minimalista, segundo alguns profissionais que trabalham com ele, Keanu seria o tipo de ator que sente, internaliza emoções e tudo é muito sobre olhar, movimentos faciais e estudo. Mas, para a grande crítica ele é apenas limitado demais.

Em relação ao tipo de profissional que é, ele é exemplar em quase todas as suas produções, apenas um longa se recusou a fazer promoção quando foi lançado: “O Observador”, filme que ele foi o vilão. Devido as diferenças que teve com a produtora do filme, e que não foram conciliadas, Keanu atuou, mas não participou da promoção do mesmo, dizendo ter se arrependido de ter feito.

Seja como for, o fato de não se expor demais, junto com a personalidade realmente dócil, sensível e relaxada de Keanu Reeves, fez dele um daqueles seres que é difícil odiar. Só sendo muito mal-humorado para ser um dos poucos que odiariam ele (isso se existir. E se existe, essas pessoas deveriam ser estudadas e apresentadas no Globo Repórter: onde vivem, o que fazem, como conseguem?).