No dia 8 de março é celebrado o “Dia Internacional da Mulher”. Essa data foi determinada em 1910, em uma conferência que aconteceu na Dinamarca com o objetivo de ser lembrado o movimento pela luta dos direitos das mulheres. A cada ano essa luta abrange mais temas, como independência financeira, igualdade de salários, liberdade sexual, violência contra a mulher, machismo; entre outros. No cenário cinematográfico existem vários filmes que mostram a importância da mulher, e como ela é capaz de superar os problemas de sua vida e surpreender a sociedade.

  • Mulan

Em meio a tantos filmes de contos de fadas mostrando princesas que tem como idealização de final feliz um príncipe encantado, a Disney mostrou em 1998 que nem toda heroína pensa assim. A animação conta uma antiga lenda chinesa na qual uma jovem finge ser homem durante uma guerra para poder lutar no lugar do pai que foi convocado e já não tinha condições de tal feito. Após o fracasso de se tornar uma boa esposa e honrar a família, ela decide pegar a armadura do pai e fugir para o campo de batalha. O comandante chega a pedir que ela vá embora, sem saber seu segredo, mas Mulan mostra que é tão capaz quanto os outros soldados.

  • Nunca Mais

A personagem de Jennifer Lopez, Slim, era atendente de uma lanchonete quando conheceu o futuro marido e se apaixonou perdidamente. Tudo parecia perfeito mas, após alguns anos, ela passa a ser agredida violentamente por ele. Quando a filha deles também se torna vítima, ela resolve fugir e mudar de vida. Mesmo assim, o marido abusivo vai atrás, e numa nova tentativa de fuga ela muda a aparência e se esconde em um lugar bem distante. Após tantas agressões e uma vida de mudanças constantes, Slim resolve então fazer aulas de defesa pessoal e vai atrás do ex-marido em busca de vingança.

  • Histórias Cruzadas

Na década de 60, no sul dos Estados Unidos, o cenário daquela sociedade são mulheres negras como domésticas, mulheres brancas como donas de casa e os homens trabalhando em funções tidas como masculinas na época. Mas Skeeter (Emma Stone), uma jovem mulher branca, quer se tornar escritora e resolve escrever um livro contando as realidades das empregadas domésticas da região. As mulheres são as protagonistas nesta história, não só pela Skeeter que foge dos padrões da época e não almeja ser uma dona de casa, mas também pelas histórias contadas pelas empregadas e por todas as outras mulheres que são contra o racismo praticado na época.

  • Uma prova de amor

Esse filme não conta só a história de uma família que luta contra o câncer, conta a história de uma mãe que luta pela vida da filha. De uma jovem que enfrenta a doença desde pequena e de uma criança que nasceu para salvar a vida da irmã. Quando os pais de Kate (Sofia Vassilieva) descobrem que ela tem leucemia, seguem orientações médicas de terem uma criança para ser uma doadora compatível dela. Mas quando Anna (Abigail Breslin) atinge os 11 anos, resolve lutar pela sua emancipação para não ter mais que ser doadora da irmã. A jovem mãe, Sara (Cameron Diaz), não entende a decisão da filha e a luta dessas mulheres só intensifica. Uma cena tocante é quando ela resolve raspar a cabeça para mostrar a filha que ter cabelo não a deixa menos bonita.

  • Mesmo se nada der certo

Greta (Keira Knightley) deixa sua vida para se mudar para os Estados Unidos com o namorado que está no auge de sua carreira de cantor. Mas ele termina com ela por estar com outra e essa se vê sem casa, sem emprego e sem o amor de sua vida. Ela, então, resolve assistir a apresentação de um amigo em um bar, onde o mesmo a chama no palco para cantar. A oportunidade a leva ser descoberta por um produtor musical, o que muda completamente sua auto-estima atual. Ela passa a ter noção do talento que possui para compor e cantar, entendendo que sempre esteve na sombra do namorado.

Diante dessas histórias percebe-se que as grandes heroínas podem estar dentro de cada mulher. Quantas não sofreram preconceito por servirem ao seu país e serem taxadas de incapazes? Muitas se sentiram culpadas por serem agredidas, foram submissas e descobriram uma força para reagir. Tiveram aquelas também que não aceitaram a imposição da sociedade e se fizeram ser ouvidas. Outras são mães que lutam diariamente pela sua família, enfrentando alguma doença, o sofrimento de seus filhos, abrindo mão de muitos caminhos diferentes. E além disso tudo tem mulheres que sofrem com um “fora”, com uma traição e se colocam para baixo de uma forma que esquecem quão capazes são. Todas essas são belas, talentosas e simplesmente poderosas.

CLOSE
CLOSE