Já ficou acordado durante toda a noite?

Madrugada adentro olhando pela janela?

Então já viu seu bairro adormecer,

E os sons começarem a desaparecer.

Mas não completamente.

 

Os sons do silêncio são aqueles sons

Que nem percebemos que estão lá

Porque a cidade quando está desperta

Faz barulho demais.

 

Quando a última casa apaga suas luzes,

A última voz se cala e seus olhos se fecham,

Quando o último carro já passou

E os últimos passos já cessaram,

A cidade adormeceu.

Mas não completamente.

 

Você percebe então

Que sua geladeira faz barulho,

Seres pequenos e quase invisíveis

Também se fazem notar com seus sons

E até o ar parece fazer barulho,

Mesmo sem vento.

 

Você faz barulho.

Seu respirar fica mais alto

Mesmo sem estar ofegante.

Seus passos em direção à cozinha

Ou seus dedos entre os cabelos.

 

E você vai percebendo novos sons,

Até a madrugada avançar

E o lento despertar da cidade

Começar a abafar os sons do silêncio.

 

O som do primeiro carro

Pode ser ouvido lá longe

E torna-se cada vez mais audível

Até chegar pertinho da sua janela.

 

E mais carros começam a avançar lentamente,

E algumas luzes se acendem,

Quase  pode se ouvir o click do interruptor

E o bater das xícaras de café

Isso antes de o Sol nascer.

 

Então a cidade desperta

E todos aqueles sons

Agora estão abafados

E começam a ser esquecidos.

Mas não completamente.