Autentica, irônica e um tanto emocionada, Paola Carosella vem ganhando destaque com os brasileiros. A argentina de 46 anos veio para o Brasil em 2001 para comandar um renomado restaurante em São Paulo, e vem fazendo seu nome devido à sua maneira justa, humana e cidadã de ser.

Nascida em 30 de outubro de 1972 em Buenos Aires, na Argentina, Paola é cozinheira, empresária, jurada no programa MasterChef, mãe, fã da apresentadora culinária Julia Child e amada por muitos brasileiros. Ela sempre conta em entrevistas que nasceu na horta e no pomar, e quando era pequena começou a se apaixonar pela cozinha, quando ainda nem alcançava a bancada direito.

No programa MasterChef da Band, Carosella é jurada ao lado do Chef Érick Jacquim e do Chef Henrique Fogaça. Conhecida por ser a manteiga derretida entre os três, às vezes é durona, mas sempre um “amorzinho”. Paola se emociona com pratos simples, bem executados e que valorizem o alimento. Acredita numa mão suave e delicada, porém firme e bem intencionada. É a favor de comidas livres de agrotóxicos e luta para que o Brasil os use menos.

Famosa por ser a cozinheira das carnes e dos pães, são suas empanadas que fazem sucesso. No La Guapa, um de seus restaurantes em São Paulo, são servidos os mais diversos sabores de empadas sempre com um toque argentino. O Arturito, seu outro restaurante, ganha destaque por seus pratos finos e delicados.

Mas não é só na cozinha e na televisão que ela faz sucesso. Na internet, a cozinheira chama atenção no twitter com os seus quase 400 mil seguidores, onde agradece se você usar o cérebro. Além disso, no reality é fonte de memes por seus discursos e indiretas contra o machismo e a falta de respeito com o próximo. Com muitas tiradas cômicas, Paola sempre deixa seu recado. Confira abaixo alguns dos hilários tweets da jurada.

Ao ser perguntada se pode cozinhar com o dedo na boca, ela responde:

E quando foi questionada sobre o fato de sempre se emocionar no MasterChef:

Ela é contra a homofobia e a pedofilia:

Paola é muitas vezes mais brasileira do que muitos nativos por aí. Antenada com a situação política do Brasil, sempre sabe fazer um comentário inteligente sobre os acontecimentos. Em 2015, a cozinheira demonstrou apoio aos estudantes de uma ocupação, em uma escola na cidade São Paulo, ao cozinhar para eles. No dia da greve geral, ela comentou uma matéria se opondo ao fato do prefeito de São Paulo, João Doria querer “proibir” a greve, citando um artigo da constituição brasileira, o que gerou grande rebuliço.

Além disso, Paola já participou de um protesto contra a cultura do estrupo e foi muito bem recebida no movimento. Ela também ensinou aos estudantes como cobrar por melhorias nas merendas das escolas em um debate sobre a educação no canal do YouTube “Quebrando o Tabu”:

“Você deveria perguntar para eles em quanto tempo nós estudantes, podemos criar uma pequena comissão para verificar que [a melhora na merenda] esteja acontecendo, e que nessas escolas onde hoje tem bolacha ele te responda que em três meses você vai lá e vai ter essa comida que alguém está fazendo com essas panelas que chegaram lá. E fala com a merendeira, pergunta quanto ela ganha, pergunta se ela recebeu o salário e pergunta se ela recebeu treinamento, assim que se faz.” – Paola Carosella

Atualmente, a cozinheira é discreta e gosta de passar despercebida pelas ruas. No ano passado, lançou um livro onde fala sobre suas receitas e trajetória, o “Todas as sextas”, e realizou uma curta turnê, se assim podemos chamar, de lançamento. Paola muito tem para nos ensinar, há quem diga que conversar com ela pode ser como ler um grande livro clássico, com uma nova descoberta a cada fala.


Por Carolina Gomes