Graças a algumas facilidades tecnológicas que vêm surgindo nos últimos anos, a produção e distribuição de quadrinhos acabam sendo beneficiadas. Com isso temos acompanhado o surgimento de inúmeros álbuns tanto de autores novatos quanto de outros já mais experientes no mercado. Muitas destas produções são independentes ou viabilizadas por editoras pequenas, o que significa uma diversidade incrível de novos títulos à disposição do leitor. Mais interessante ainda é a diversidade de temas das HQs que vêm sendo lançadas.

“Pieces – Parte do Todo”, escrita e desenhada pelo experiente Mario Cau, traz sete histórias curtas sobre cotidiano. Mas não exatamente sobre situações corriqueiras vazias e superficiais de um cotidiano qualquer, e sim sobre pessoas. Mais precisamente sobre seus encontros e desencontros e sobre perdas. Cada história retrata pequenos momentos e pedaços que constroem a vida, como peças de um quebra cabeças que não temos como conhecer o todo.

Sim, esse é um tema já adotado em muitas outras histórias. E sim, é um tema fácil de cair em uma melancolia exagerada. Por isso o grande mérito de Mario Cau é justamente não cair nessa armadilha fácil e conseguir criar uma profundidade realista e poética em cada uma das HQs. É bem verdade que tem enredos ali que o autor deu um novo tratamento mais maduro a partir de argumentos antigos ou mesmo histórias já publicadas há tempos.  Algumas das histórias são notadamente autobiográficas enquanto outras tratam de personagens tão diversos quanto uma criança, um jovem casal e um senhor de idade. O repertório é vasto e o resultado muito rico.

“Mais uma Dose” é sobre um rapaz que foi abandonado pela namorada e vive retornando ao bar onde se conheceram na esperança de reencontrá-la. Toda narrada em off com o personagem vivendo o presente com foco no passado. Este é um dos trabalhos que foi refeito e em minha opinião é o que tem o melhor tratamento gráfico de todo o álbum. Os desenhos estão simplesmente lindos! O trabalho de hachuras está incrível. As cenas em alto contraste conseguem proporcionar uma profundidade bacana às cenas. A diagramação criativa consegue imprimir um ritmo dissonante às divagações do personagem ao mesmo tempo em que os cenários complexos se antagonizam com a simplicidade de seus pensamentos. Esta primeira parte melancólica é aliviada com uma segunda parte com um final positivo.

“A Distância” também tem uma temática semelhante, da separação, mas aqui o tratamento gráfico é um tanto mais lisérgico. Sem se prender muito aos quadros e fundindo ilustrações que proporcionam uma narrativa fluida, essa HQ é mais positiva que a anterior e se foca mais na saudade e na esperança.

“Olhos de Vincent” já vem com um clima mais denso ao mostrar um casal que se comove ao ir descobrindo aos poucos o motivo do olhar aflito de um idoso na missa dominical. O fundo preto e os quadros espaçados tornam a narrativa mais lenta e pesada. As cenas com planos de detalhe e closes predominantes vão aumentando a intimidade que vamos criando com o homem. Muito criativo esse recurso!

“Do que Fica” nos presenteia com um tema difícil tratado de uma maneira muito doce. A HQ é sobre uma garotinha que vive com a avó por ter perdido a mãe. Ativa e sorridente, a menina de cerca de 5 anos acaba tendo um diálogo complexo com a avó ao perguntar sobre a fugacidade de suas lembranças da mãe. O desenrolar é tão delicado quanto emocionante, incluindo algumas pitadas um tanto espiritualistas para entregar um desfecho comovente.

“Líquido” é uma história que se destaca mais pela arte bem elaborada do que pelo roteiro. Um encontro improvável que acontece em pleno temporal acaba tendo um desenrolar inusitado. Os personagens intercalam a positividade e a negatividade. Os desenhos propõe um desafio interessante ao retratar a chuva, as poças d’água e enxurradas interagindo com os personagens.

Mario Cau é quadrinista e ilustrador, membro do premiado coletivo independente Quarto Mundo. Ele já participou de diversas revistas e antologias como Nanquim Descartável, Café Espacial, Quadrinhópole, Contos da Madrugada, Machado, Short Stack, Heavy Metal, Negative Burn, Layer Zero, entre outras. As primeiras versões destas HQs foram indicadas ao Troféu HQ Mix em 2010 e 2011, na categoria “Publicação Independente de Autor” e o autor na categoria “Desenhista Revelação”.

“Pieces – Parte do Todo” foi lançada em dezembro de 2016 e ainda pode ser facilmente encontrada em lojas especializadas, bem como nos sites das Editoras Marsupial, Martins Fontes.