Vamos começar com a famosa frase de Oscar Wilde: “A vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida”. É uma boa reflexão a se ter e a se discutir. No entanto, uma questão está bem real na atualidade. Todos os acontecimentos políticos no Brasil poderiam muito bem serem parte de uma roteiro de ficção, porém eles, infelizmente, são bem reais.

Em meio a tudo, como “o melhor do Brasil é o brasileiro”, a internet não deixa para depois em criar novas piadas. Principalmente, quando o assunto são memes, porque somos conhecidos como o país berço da criatividade desse tipo de imagem. Por isso, com a mania de fazer piada com tudo, não seria a delicada situação da política nacional que se safaria dessa, correto?

Já conhecida como “Brasilia of Cards”, o governo trouxe mais uma polêmica que se propagou pelos últimos dias do mês de Maio. O Palácio do Planalto vetou o uso de fotografias oficias de Michel Temer, presidente do país, para memes. Caso isso ocorra, a imagem precisa estar acompanhada dos devidos créditos. A Presidência da República entrou em contato com diversos sites, que criam memes com fotos de Temer. Celebridades da internet e blogueiros receberam notificações por e-mails, na segunda-feira dia 22, pois estavam usando as imagem sem os devidos créditos.

Páginas famosas como “Ah Negão” e “Capinaresmos” foram informados pelo Departamento de Produção e Divulgação da Presidência que esses precisam requisitar autorização para o uso das fotos. Informaram esta necessidade já que o propósito não é jornalístico ou dar publicidade a programas do governo. Para qualquer outro tipo de finalidade, é preciso ter autorização prévia da Secretaria de Imprensa da Presidência da República. Isso quer dizer que o Departamento está com o dever de censurar os memes que aparecer.

Em meio a uma crise política, observamos a grande preocupação do presidente com a sua imagem nas redes sociais (parece piada, né?). A ação é considerada correta do ponto de vista legal, de acordo com o artigo 24, da Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98), esta estabelece que o fotógrafo tem o direito de ter seu nome, ou pseudônimo, indicado no uso das suas fotos.

Todavia, não demorou muito para a ação de veto se tornar um dos tópicos mais comentados e com relevância na internet, principalmente no último dia 25 de maio. O proprietário do “Capinaremos”, Sandro Sanfelice, disse: “É natural que o presidente vire ‘alvo’ de piadas e de memes”. Ele ainda ressalta: “Os memes são uma forma de expressão, como um artigo de jornal ou uma charge. Não faz sentido proibir nem coibir sua produção”.

Esse acontecimento fez com o Presidente Temer virasse, mais uma vez, notícia. A crise política tem uma produção tão grande de memes que virou até matéria de reportagens e programas de televisão. Além de aparecer em jornais internacionais, como no The New York Times. Neste foi comentado sobre memes em que foi editado indivíduos fora do cenário da política, como o técnico de futebol da seleção Tite, para “dirigir” o país. Pensando assim, o Neymar foi planejado para o posto de ministro da fazenda.

Se o presidente tinha como plano conter as imagens, o que ele conseguiu, na realidade, foi o oposto disso. Temer fazia parte de diversas fotos produzidas pela internet, “zoando” sua imagem ou o inserindo em situações. No entanto, após esse ato, ele conseguiu se tornar foco, dando uma grande fonte de inspiração para os criadores. Preparados para rir?

  1. 2.

    3.

    4.

    Para quem queria ter vetado, o presidente conseguiu colocar ainda mais lenha na fogueira. E ficamos aqui ansiosos para os próximos capítulos de “Brasilia of Cards”.