Carina Rissi chega hoje ao Bookland com mais uma Chick lit que não poderíamos deixar de fora de nossas resenhas. em “Procura-se um marido”, conhecemos Alicia, uma menina muito alegre, que sempre viveu na mordomia, graças ao dinheiro de seu avô e é completamente inconsequente.

Sabe aquela pessoa que é cidadã do mundo, é assim que podemos definir a heroína da vez. Uma menina como tantas outras que em meio a um emprego, uma linda amizade de infância e perdas trágicas na infância e na fase já adulta, vai descobrir que tem muito mais a oferecer do que pensava.

Além disso, Alicia não pensa em se casar tão cedo. Porém, o destino e a morte de seu adorado avô faz com que ela mude um pouco os seus planos, na verdade ela irá fazer uma pequena curva, mas que no final dessa curva ela se conhecerá muito melhor e acabará de uma vez por todas com pessoas que a querem mal e que ela pensava que a queriam bem.

Com a morte do avô rico, vem o testamento nem um pouco esperado. Alicia foi excluída da herança, sob a alegação de que sua neta não tem nenhuma maturidade para assumir os negócios da família. Assim, só poderá herdar tudo se, apenas se, ela se casar e ficar casada. Isso mesmo! Imagine você uma coisa dessas?

Mas como Alicia não dá ponto sem nó, ela arma um plano sem nenhum defeito – ou quase nenhum. Ela coloca um anúncio no jornal procurando um marido de aluguel. Claro que isso tem tudo para dar errado, mas no meio do percurso, caminhos irão se encontrar e tudo seguirá nos conformes.

“Nem pense em se casar com o príncipe encantado”, ela me disse certa vez. “Case-se com o lobo mau. Ele sim saberá tratar você bem.”

Mesmo sendo uma personagem super alto astral, ela fica se perguntando porque o avô faria isso com ela. Afinal, eles eram a única família um do outro. Seu vô Narciso era o centro do seu mundo e ela o centro do mundo dele. Por isso, quando o avô falece, a perda da personagem acaba sendo um pouco de nossa perda também, a tristeza que a personagem demonstra é extrema e nos colocamos um pouco no lugar dela.

Mas, é a partir dessa tristeza e de verdades que ainda não foram ditas que Alicia encontra forças para ir atrás do que é seu por direito e luta não só para si mesmo, mas pelas pessoas que ama e para os que trabalham na empresa de seu avô.

E claro, sempre podemos contar com muito romance. Talvez, um romance meio às avessas, mas que vale a pena cada capítulo lido. Pode até parecer um pouco clichê, mas o que mais vemos por aí são clichês, não é mesmo?

Alícia encontra em seu marido de aluguel o seu porto seguro, ou como ela o define: Deus, e o nome do protagonista masculino não poderia ser melhor: Máximo. Isso mesmo, Carina Rissi fez uma ótima piada interna com o nome do protagonista em questão, deixando tudo muito mais interessante.

“Acho que … é hora de ser corajosa e encarar o bicho-papão. (…). – Ah, se o bicho-papão for lindo desse jeito, vou rezar para que ele venha me assustar todas as noites.”

E o que falar da capa do livro? Parece até que os livros de Carina Rissi tem um padrão, sempre contando com uma mulher na capa com as características da personagem principal. Mas isso não quer dizer que seja ruim, nos ajuda a criar a personagem em nossa mente, sempre lembrando quem é a personagem principal.

Para quem curte um e-book pode aproveitar e ler “Procura-se um marido” no Kindle Unlimited.

Resenha: Procura-se um marido, de Carina Rissi
7.5Pontuação geral
Votação do leitor 1 Voto
6.7
CLOSE
CLOSE