Pelo quarto ano consecutivo, o Imperator é palco do Rio Novo Rock, evento que acontece toda primeira quinta-feira do mês e que, como o próprio nome sugere, apresenta novas bandas de rock ao público. Transformado pela prefeitura no Centro Cultural João Nogueira depois de 15 anos fechado, o Imperator já tem uma longa história com o rock e já foi palco de bandas como “Megadeth”, “Pantera” e “Ramones”.

Nesta edição, que é a segunda de 2017, o Rio Novo Rock contou com os cariocas do “Rats” e os paulistas do “Mustache e os Apaches” como atrações principais. Vale também chamar atenção para a “DJ Priscila Dau”, que deu todo o clima do evento com um setlist que ia de “Rancid” a “Guns ‘N’ Roses”, passando por “Dropkick Murphys” e “Danzig”.

O público, de todas as idades e portando camisetas pretas de diversas bandas, começou a chegar por volta das 21h30, ao iniciar o show do Rats. A banda tocava pela segunda vez no Imperator e levantou a galera com seu punk irlandês.

Além dos tradicionais baixo, guitarra e bateria, o Rats conta também com acordeão e banjo para formar o som característico da Irlanda.

Lançando seu segundo álbum “Por terra, céu e mar”, eles tocaram, dentre outras, “Saloon 79” (uma homenagem ao bar rock de Botafogo, muito frequentado pela banda) e uma versão da clássica “Transylvania”, do álbum de 1980 do Iron Maiden.

A banda encerrou com Somos nós cuja letra mais se assemelhava a um grito de guerra: “e na revolta/ nasce a vitória/ com suor, sangue e glória/ nosso legado é um brado feroz/ somos nós!”

Após o intervalo com mais da playlist comandada pela DJ, subiu ao palco o Mustache e os Apaches. Com cerca de quatro anos de estrada, o grupo toca uma mistura interessante de rock, folk e bluegrass. O show foi aberto com “Orangotango”, do álbum “Time is Monkey”, de 2015.

Depois de muita música, blues, bossanova e interação com o público, eles fecharam o show tocando um cover de “Down in Mexico” do The Coasters.

O “Rio Novo Rock” provou ser um evento para ninguém botar defeito e um sopro de esperança para quem acha que o rock agoniza ou não tem nada de novo a oferecer.

O Rio de Janeiro, anfitrião de festivais como Rock in Rio e, mais recentemente, Hell in Rio, não pode deixar de contar com uma atração como esta, que oferece uma boa estrutura em estilo profissional a bandas que estão começando. No próximo mês, é a vez do Alaska e do Two places at once detonarem o Imperator. Quem já está anotando na agenda?


Por Thais Isel