Essa parte de caracterização de personagem e de efeitos especiais na maquiagem é incrível. É uma verdadeira arte para quem vê e para quem faz. Pode haver beleza, mas nem sempre. Ou sempre, dependendo do ponto de vista. Essa área da maquiagem leva a transformação a um outro nível. O profissional dessa área cria uma ilusão, ou seja, faz com que você veja tudo o que a sua imaginação permite.

Monstros, criaturas mitológicas e de contos de fadas, alienígenas, zumbis e até coisas mas dentro da realidade, como ferimentos, hematomas, queimaduras, envelhecimento, etc., sendo um trabalho bem feito, parecem reais aos nossos olhos, tudo através das mãos do maquiador. Seja com pintura, próteses ou outros materiais utilizados na elaboração de um personagem ou efeito, pode-se criar coisas surpreendentes. É como mágica!

É um trabalho empolgante, só de saber as infinitas possibilidades de criação que ele permite. Muita gente não conhece essa área de trabalho por mais que tenha visto muito dele na tela do cinema ou da TV durante vários anos. Por exemplo, aqueles zumbis assustadores de filmes e séries causaram pesadelos em muita gente, também conquistaram vários fãs, mas as pessoas dificilmente se perguntam como fizeram para que parecesse tão real. Ou aquela jovem atriz que envelhece na trama, porém aparece ainda jovem nas entrevistas? É isso que o maquiador de caracterização e FX faz. Isso exige muito estudo e prática. Estudo sim, pois além de saber maquiar, precisa ter conhecimento de história, anatomia, artes, fotografia e uma infinidade de coisas, dependendo do trabalho que surgir.

Para quem quer aprender cada vez mais sobre esse universo, existem alguns programas fascinantes, como “Face Off”. Um programa maravilhoso que passa no canal SyFy, onde maquiadores competem criando personagens para serem julgados por uma bancada de grandes feras da indústria cinematográfica, entre eles Ve Neil, três vezes ganhadora do Oscar de melhor maquiagem, que deu vida a personagens como Beetlejuice e Edward Mãos de Tesoura.

No mesmo canal existiu um outro chamado “Monster Man”, que mostrava o dia a dia de Cleve Hall e sua equipe, que se desdobravam um sua oficina para dar conta de criar vários seres bizarros que os clientes encomendavam. Ambos os programas são bons para ver o surgimento das ideias, o conceito, o processo de criação e execução e é claro o trabalho pronto, que é sempre de deixar o queixo caído quando se trata de algo feito por um bom profissional.

Aqui no Brasil, infelizmente é uma área da maquiagem pouco explorada, não existem muitos cursos ainda. Além disso muitos materiais são caros e difíceis de encontrar, precisam vir de fora. Mas não pense que isso é um empecilho para trabalhar com maquiagem de efeitos, pois, apesar de não termos todos os recursos que se tem em Hollywood, sabemos que o brasileiro é criativo e sabe trabalhar com o que se tem. Criatividade nesse país é o que não falta.

Os profissionais mais conhecidos da área aqui do Rio de Janeiro que dão cursos de maquiagem de efeitos especiais são Mário Campioli (CAMPI) e o Vavá Torres (Makevator). Os dois estão nessa área faz bastante tempo, mas existem outros que também embarcaram nesse mundo do SFX e estão cada vez melhores em seu trabalho.

Tomara que surjam mais profissionais de FX (arbreviatura usada pelos profissionais da área, pois rima com effects, efeitos em inglês) para que essa área cresça bastante no pais.