A História em Quadrinhos A Vida de Jonas” traz em suas páginas a vida como ela é. Embora os personagens sejam inspirados em bonecos, as situações vividas por eles poderiam fazer parte da vida de qualquer ser humano. Ao se deparar com o fofo e simpático boneco mostrando um sorriso meio tímido na capa, não se engane: Esse é um conto que mostra a realidade da vida, com todas as suas dificuldades e bons momentos, com suas alegrias e tristezas.

Jonas é o protagonista dessa história, um ex-alcoólatra lutando com todas as suas forças para deixar para trás essa vida de vícios e tristeza. A bebida tirou de Jonas sua esposa e sua paz, e tudo o que ele quer agora é uma segunda chance. Mas nem tudo na vida é fácil e os problemas de nosso amigo parecem não ter fim. Sabe aquela história, você só valoriza o que tem quando perde? Pois é, essa HQ fala sobre isso. É uma história sobre amores imperfeitos, a força da amizade, as dificuldades de se lidar com o fracasso e com a culpa, mas acima de tudo isso, a importância e a necessidade de seguir em frente.

Todos os personagens foram inspirados no universo de um programa infantil, ainda que inconscientemente, como diz Magno Costa, responsável pelo roteiro e pela arte da obra. Eles são parecidos com muppets, aqueles bonecos que são uma mistura de fantoches com marionetes criados por Jim Henson. Podemos notar uma semelhança enorme entre Jonas e o Ênio, da Vila Sésamo, por exemplo. Embora a inspiração visual tenha sido essa série que fez parte da infância do autor, ela de infantil não tem nada. Ela é uma história adulta e pesada vivida por esses personagens peculiares. Algo parecido foi feito em Avenida Q, premiada peça musical da Broadway que fazia uma sátira com os personagens da Vila Sésamo transformando-os em adultos deprimidos, ansiosos, viciados e confusos. Bem diferente da peça que é uma comédia (muito engraçada por sinal), “A Vida de Jonas” é um drama em quadrinhos, melancólico e sombrio.

Se o roteiro e os desenhos foram de Magno Costa, as cores ficaram por conta de seu irmão Marcelo Costa. Os irmãos ganharam com esse trabalho o Troféu HQ Mix na categoria “Melhor Edição Especial Nacional” em 2015. Além disso, a obra foi uma das finalistas do Prêmio Jabuti de “melhor ilustração” no mesmo ano. Os gêmeos paranaenses vêm trazendo para os leitores ótimos trabalhos, sendo um dos mais recentes deles a Graphic MSP “Capitão Feio – Identidade”, onde eles apresentam sua versão do maior e mais querido vilão dos quadrinhos da Turma da Mônica.

Todas as cenas são representadas com traços simples, mas se engana quem pensa que essa simplicidade é algo fácil de alcançar. Embora estilizada, a HQ mostra ao leitor muito realismo através das cenas cotidianas, dos gestos e dos sentimentos dos personagens. O trabalho do Marcelo com as cores foi fantástico. Há uma página em que o protagonista está angustiado, mergulhado em lembranças tristes de seu passado recente, na página seguinte ele aparece correndo, com cores vibrantes e alegres, como quem está deixando seus problemas e preocupações para traz através desse ato simbólico, para depois a realidade acertar Jonas em cheio usando a voz de seu amigo ao telefone para trazê-lo de volta de sua fuga. As cores fizeram com que essa fosse uma das passagens mais belas e significativas da história, embora haja muitas outras memoráveis.

Essa HQ está disponível para leitura na plataforma digital Social Comics e nós recomendamos aos leitores que gostam de uma boa dose de realidade de vez em quando.