Em meio a muitas tramas políticas, a série “House of Cards” traz uma história de corrupção sobre um político que faz de tudo para chegar onde deseja: a Presidência da República. No meio desse caminho não tem apenas corrupção, mas também sangue, dinheiro e muito mais. Um assunto muito atual e que tem tudo a ver com a história de corrupção que o Brasil enfrenta atualmente. Perfeito para aqueles que acham que corrupção só existe aqui, mas essa série nos mostra exatamente o oposto disso.

Criada por Beau Willimon, “House of Cards” foi feita especialmente para o Netflix. Tendo como protagonistas Kevin Spacey (Frank Underwood) e Robin Wright (Claire Underwood), já com quatro temporadas produzidas e mais uma para estrear, a série tem tudo o que você precisa para entender como é feito a chamada “politicagem”.

Em Maio de 2017, estreia a sua quinta temporada, e por isso, para deixar os fãs com água na boca e incentivar que você assista, vamos falar mais um pouquinho sobre a produção, pois é uma ótima forma de entender como a política é feita em meio a muita corrupção. A obra tem como foco um dos países mais poderosos do mundo – EUA -, além de mostrar como é feito o jogo de interesses e como lidar com crises, muitas vezes tomando atitudes que vão completamente contra a maré.

  • As duas primeiras temporadas

Nas duas primeiras temporadas o foco é todo em Frank Underwood, fazendo com que sua esposa, Claire Underwood, atue apenas como coadjuvante a frente de uma ONG em que não tem as suas inciativas muito explícitas. Porém, esse é só começo da história.

Ainda na segunda temporada, Frank Underwood chega mais perto do seu objetivo, através de muita manipulação e jogo político, fazendo alguns inimigos no meio do caminho.

  • A Terceira temporada

Já na terceira temporada, Claire Underwood passa a ser um dos focos principais junto a Frank, finalizando a terceira temporada de uma forma que nunca iríamos imaginar. Claro! Sempre em meio a muitas tramas e dramas.

  • A quarta temporada e o Timing da propaganda

Já na quarta temporada, a corrida presidencial está a todo vapor, porém Frank não pode contar com o apoio de Claire. Para fazer a propaganda dessa temporada de “House Of Cards”, foram forjadas propagandas políticas para divulgar o seu retorno, já que a quarta temporada estreou em 2016, mesma época da corrida presidencial dos Estados Unidos.

Aqui no Brasil, editoriais falsos fizeram a simulação da Campanha de Frank Underwood que foram reproduzidas principalmente nos anúncios de internet. Convenhamos que a sacada que os produtores e responsáveis pela divulgação da série tiveram foi muito inteligente, deixando o público ainda mais na expectativa, imaginando o que estava por vir. Fazendo um jogo entre o mundo real e o mundo fictício.

Além disso, nessa temporada a ideia de pão e circo, de que a política faz parte de um grande entretenimento – tanto para os políticos quanto para o público – fica bem claro, mostrando que tudo pode ser feito como um grande entretenimento, apenas para ficar mais fácil de manipular o “público”. Assim, os jogos políticos ultrapassam barreiras e escrúpulos, fazendo um grande teatro para a escolha de quem vai participar de uma chapa, ao mesmo tempo que o casal Underwood move os seus pauzinhos às escondidas para chegar ao seu plano final.

  • A expectativa para a próxima temporada

A quinta temporada ainda não chegou, mas em maio desse ano podemos esperar muito menos escrúpulos desse casal que não vê limite para os seus planos de poder.