Baseada e ligada na série de filmes dos “X-Men” da Marvel Comics, a nova série americana “The Gifted” traz mais uma história que envolve o mundo dos quadrinhos. Sendo o ano de 2017 o que trouxe várias histórias de super-heróis, a obra de Matt Nix veio para finalizar o ano com uma nova mara”tona do gênero.

A história, basicamente, trata-se – como o nome já denuncia – dos dotados pelo gene especial X e como eles precisam fugir do governo, após uma lei restrita de que eles seriam um problema para a segurança da população, precisando serem presos. Contudo, o núcleo principal seria a narrativa de Reed Strucker (Stephen Moyer), um promotor que deixará tudo para trás com a família, depois de descobrir as habilidades mutantes dos dois filhos.

Logo no episódio piloto, a relação de Lauren Strucker (Natalie Alyn Lind), a filha mais velha de Reed, e Andy Strucker (Percy Hynes White), o caçula, com seus devidos “poderes” já é tida como diferente. No caso de Lauren, ela já sabia há um tempo que era diferente dos demais, mas, no caso do irmão, o poder do adolescente veio à tona quando suas emoções estavam a flor da pele ao sofrer diariamente bullying dos garotos mais velhos.No momento que Andy repara em seu dom, o estrago já está feito e a polícia bate na casa da família. Com o marido ausente, Kate (Amy Acker), que sempre foi contra os mutantes, se vê entre sua crença e defender os filhos. Sem pensar muito, ela foge com os dois em busca de um esconderijo.

Contudo, além desse grupo, já no início, foi mostrado um outro, em que todos são mutantes e lidam com essa questão há mais tempo. Marcos Diaz (Sean Teale), John Proudstar (Blair Redford), Lorna Dane (Emma Dumont) e a recente integrante do grupo, Clarice Fong (Jamie Chung) fazem parte de um abrigo abandonado onde o restante dos mutantes estão. Enquanto tentam ajudar a novata, Lorna acaba sendo presa.

Como em toda série, os caminhos dos dois grupos se cruzam, fazendo com que ambos necessitem um do outro. No caso de Reed, ele precisa atravessar a fronteira dos EUA com o México para “sumir do mapa” e seus filhos não serem raptados e, quanto a Marcos e o resto, eles querem, com a influência do promotor, recuperar Lorna. Todavia, o serviço de resistência aos mutantes os acham primeiro e acabam ficando com Reed como refém.Sendo assim, o desenvolvimento dos episódios disponíveis até agora é centralizado em como achar Reed, ajudar Clarice a controlar seus poderes e ver a rotina de Lorna em uma prisão normal, mas que a faz utilizar uma coleira anti-poderes.

A série, em si, relembra os bons tempos de “Heroes” (2006-2010), em que os “diferentes” se destacavam e eram perseguidos. No caso da obra da FOX de 2017, o grande inimigo, até agora, é o governo. Com uma tecnologia de ponta, fugir da maior instituição não vai ser um trabalho fácil.

Quanto à escolha de elenco, notoriamente são rostos conhecidos. Entre os mutantes, temos Sean Teale que marcou presença na recente finalizada “Reign”, como Príncipe Louis Condé; Blair Redford era protagonista de “The lying game” e teve sua participação em “Switched at birth” e, em relação a Jamie Chung, seus trabalhos foram desde filmes da Disney até como a personagem Mulan em “Once Upon A Time”.

Além dos principais, gradualmente, são apresentados novos personagens. Inclusive, já no segundo episódio, temos Elena Satine como Dreamer. Provavelmente, muitos ainda surgirão, visto que há uma comunidade inteira de refugiados mutantes que precisarão se unir contra o adversário em comum.

“The Gifted” tem três episódios disponíveis para curtir, maratonar e relembrar os bons tempos da Marvel.