LJ3Jwix9TkI
O single se inspira na personalidade ousada e contestadora de Elza e reverencia seu jeito felino e independente

Como prometido, o cantor e compositor Thiago Pach lançou hoje o single “Gata Elza” – em homenagem a cantora Elza Soares. A música é o primeiro single do álbum “Canto de Aruanda” e é lançado juntamente com videoclipe.

Uma das maiores personalidades da música popular brasileira e eleita em 2000 pela BBC de Londres a “Melhor Cantora do Milênio”, Elza Soares, no alto de seus 60 anos de carreira, é uma artista corajosa e moderna e seu discurso continua forte e contundente, num país que vem tropeçando e repetindo erros antigos, como o racismo e a homofobia, por exemplo.

“Símbolo de resistência, de luta pela igualdade da mulher, da liberdade de expressão e do combate ao preconceito racial, Elza se tornou um ícone para brasileiros de diversas gerações. E sua atitude transgressora se faz extremamente pertinente no Brasil de hoje.”, afirma Thiago.

O primeiro single do primeiro álbum da carreira do cantor, tem sotaque brasileiro mas faz conexão com a música do mundo, lançando mão de artifícios como “blue notes” e percussões afro. Tem arranjo e produção musical de Nelson Freitas que usa inserções eletrônicas e ruídos para compor o universo subversivo que a canção propõe.

“Gata Elza” é fruto da parceria dos compositores Bil-Rait Buchecha e Nelson Freitas, que viu na voz de Thiago Pach o casamento perfeito para concretizar a homenagem. O já está Single disponível em todas as plataformas digitais

Ficha Técnica

  • Single

Produção Musical: Nelson Freitas
Direção Artística: Thiago Pach e Nelson Freitas Produção Executiva: Thiago Pach
Design gráfico capa: Cacau Gondomar Autofotografia Capa: Thiago Pach
Assessoria de Comunicação: Jorge Velloso
Contato: Site Oficial
Telefone: 11 94343-4646
contato@thiagopach.com

Percussão 1 (chapa de churrasqueira, cajon, pratos, balde, agogô): Guido Sabença
Percussão 2 (Congas, djambé, blocks, moringa): Bruno Bragança
Baixo: Rodrigo Ferrera
Guitarras: Raoni Albuquerque
Sax alto e tenor: Charles Reis
Teclados: Nelson Freitas
Efeitos eletrônicos: Felipe Tauil
Gravação: em agosto de 2017

  • Videoclipe

Direção, fotografia e montagem: Thiago Pach
Hair stylist e makeup artist: Vinícius
Visage Produção: Thiago Pach e Vinícius Jonathan
Cast: Alana Lial, Amanda Blanco, Annye Alves, Atton Macário, Fabi Pifer, Helga Nemeczyk, Mari Santos, Mariza Mainarte, Thiago Pach, Veronica Valenttino e Zulu Guimarães.

Thiago Pach

Natural do Rio de Janeiro, Thiago Pach é cantor, compositor, ator e diretor. Filho de cariocas e neto de nordestinos cresceu cercado pela diversidade cultural de sua família. Numa mistura de samba, Bossa Nova, baião, MPB e jazz, passeia livremente por diversos gêneros musicais. Iniciou sua carreira de compositor no desejo de resgatar as suas raízes e se inspirou nas entidades que ajudaram a construir a história da música popular brasileira. Estudou na escola de teatro Tablado de Maria Clara Machado e acumula participações em mais de 10 espetáculos musicais além de peças teatrais. Em 2015 foi indicado pelo Botequim Cultural nas categorias Melhor Ator e Melhor Espetáculo (vencendo a última) e pelo Prêmio CBTIJ de Teatro na categoria Melhor Música Original (em parceria com Roberto Bahal) pelo espetáculo musical Todo Vagabundo Tem Seu Dia de Glória, de sua autoria. Participou do Festival Off Avignon na França, sendo bem recebido pela crítica, o que lhe rendeu matérias em jornais renomados como La Provence e o La Marseillase.

Nelson Freitas

Nelson Freitas é pianista, acordeonista, compositor, arranjador, produtor musical e professor natural do Rio de Janeiro. Estudou música erudita brasileira, arranjo e composição na Escola de Música Villa Lobos. Com o maestro Leandro Braga, aprimorou sua noção de estética de harmonia e contraponto e, com o pianista e arranjador Cristovão Bastos, se especializou no gênero choro. No Conservatório Brasileiro de Música, estudou trilha sonora com o Maestro Tim Rescala. Como pianista, participou de projetos com grandes artistas como Marquinhos Gomes, Elza Soares, Orquestra Tabajara, Criolo, Arlindo Cruz, Casuarina e Chico Batera. Como compositor, teve sua obra erudita “Para o regional pro meu pai” – maracatu para fagote – executado pela Orquestra Sinfônica da Funarj. Participou ainda dos musicais “Aracy Cortes – A rainha da Praça Tiradentes”, “Processo diminuto”, “Aurora da minha vida” e “Todo Vagabundo Tem seu Dia de Glória”. Assinou a trilha do curta metragem “A parede”, apresentado no festival de curtas de Berlim em 2010. É licenciado em música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

CLOSE
CLOSE