É preciso levantar o assunto sobre o Laboratório Fantasma.

A marca, na São Paulo Fashion Week, mais uma vez, deu o que falar e fez história. História não, HERANÇA, que foi o tema do desfile desse ano. O diretor de criação, João Pimenta, juntamente com Emicida e seu irmão Evandro Fióti, idealizaram uma coleção que engloba família, herança e samba, pode parecer que não, mas está tudo interligado.

No ano de 2017, o Samba comemora o seu centenário e, por isso, foi escolhido para ser homenageado pela coleção. O desfile conta a história de um menino skatista que herda as roupas do avô, um sambista dos anos 30. Por isso, os looks tem uma pegada de streetstyle misturado à alfaiataria da roupa do malandro. Tudo isso, para reforçar que o samba no Brasil foi (e ainda é), inspiração para o rap e o hip hop.

Ainda no assunto herança, a grife colocou em suas peças bordados da mãe de Emicida, dona Jacira,

“é uma forma de narrativa da minha mãe (…) e tudo dela é único, ela não faz duas vezes a mesma coisa”, diz ele ao mostrar os bordados para a jornalista de moda Lilian Pacce.

O desfile foi acompanhado musicalmente pela cantora Fabiana Cozza, que interpretou clássicos do samba como “Opinião”, “Acendeu a Vela” e “O Morro Não Tem Vez”.  O evento homenageou não só o cantor e compositor Wilson das Neves, que apareceu no final abraçado à Evandro Fióti e Emicida, mas também a cantora Elza Soares, estampada em uma das camisetas da grife.

No início do desfile os modelos vestem apenas preto, e aos poucos, vai evoluindo para mais cores. Apostando em uma releitura da bandeira nacional, que se transforma na estrela que é estampa principal da coleção. Demonstrando a preocupante situação do país; mas, que apensar de tudo, se mantém a esperança na melhora.

A grife “Laboratório Fantasma” já tinha mostrado ao que veio desde seu último desfile, em outubro de 2016, também na SPFW, com a coleção Yasuke, nome de um negro africano que se tornou samurai, por isso, a belíssima coleção tem claras inspirações orientais. Para esse desfile foi composta a música Yasuke (Bendito, Louvado Seja), disponível desde fevereiro no Spotify.

Outra particularidade da marca, é usar modelos em sua maioria negros, como diz na música Yasuke (Bendito, Louvado Seja): “Fiz com a passarela o que eles ‘fez’ com a cadeia e com a favela, enchi de preto” e também modelos gordos, mostrando que a beleza é muito mais do que um padrão.

Patrocinado pela “Natura” e tendo como parceira a “Nike”, (foi utilizado o novo modelo Air Max em todos os looks aproveitando o aniversário de 30 anos do tênis), o evento da “Laboratório Fantasma”, foi novamente muito mais que um desfile, foi um ritual e uma bela história a ser contada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por Leticia Nunes