• Temporada: de 19/05 à 29/07
  • Horário: sextas e sábados às 23h.
  • Local: Teatro dos Grandes Atores – Barra Square
  • Classificação: 12 anos
  • Ingresso: R$70 (inteira) R$35 (meia-entrada)
  • Telefone: (21) 3325-1645

A peça narra a história de Júlia Roberta (Julia Bernardes), empregada doméstica que tem em sua patroa uma fonte de inspiração por esta já ter sido muito famosa e rica e o apoio de sua melhor amiga, Lia Lábios de Mel. No entanto, tudo vira pelo avesso quando a poderosa Cíntia, a vilã, ao descobrir seu verdadeiro emprego, faz da sua vida um inferno, gerando conflitos hilariantes, inclusive proibindo-a de ter contato com suas amigas, Lia, Lea e Cléa. Apesar de tudo, sua fiel escudeira, Lia, não deixa de ficar ao seu lado em momento algum.

FICHA TÉCNICA

Texto: Denilton Neves
Direção e adaptação: Mario Cardona
Elenco: Júlia Bernardes (Julia Roberta), Tereza Brant (Ricardo Gerardo), Filipe Enndrio (Mãe Lenara), Raphael Monteiro (Lia Labios de Mel), Felipe Baneiro (Cinthia Rabecão), Diego Sant´ana (Cléa Campbel), Marcelo Thadeu (Lea Bomba), Diógenes Rodrigues (Patroa de Julia Roberta)
Produção: Mario Cardona, Raphael Monteiro e Leandro de Paula
Realização: Franer Produções Artísticas
Fotografia: André Borges
Visagismo: Agustin
Cenários e Adereços: Amílcar Barros
Supervisão de Figurinos: Chico Coimbra
Contra – Regra e Camarim: Zezé Ferilles
Sapatos: Bárbara Malhano
Iluminação e Sonoplastia: Anauã Vilhena
Stand in de todos os personagens: Leandro de Paula
Assessoria: Mercado da Comunicação (MercadoCom)

Curiosidades da história da peça

Marca a volta da atriz Julia Bernardes, transexual, que ficou 4 anos afastada dos palcos onde atuou e interpretou a personagem Júlia Roberta na trajetória de UMA LINDA KUAZE MULHER. É a estreia dela após a operação. A mesma adotou o nome Júlia em sua identidade em homenagem ao espetáculo onde por anos viveu a personagem.

Uma Linda Kuaze Mulher estreou em 1999 no Maranhão, ficando em cartaz no estado por 15 anos com mais de meio milhão de espectadores. Sucesso de público e crítica, venceu os prêmios “The Best Of the Year”, em 1999 e em 2000, e o Prêmio Universidade UFMA, em 2001.

No Rio de Janeiro, fez temporada por 5 anos em diversos teatros, como o Teatro Municipal de Itaguaí. O espetáculo fez tanto sucesso que foi a única peça convidada do estado do Rio de Janeiro a cumprir temporada regular na cidade.

No Rio de Janeiro, a peça já ultrapassa os 100 mil espectadores e, nessa nova temporada, conta com elenco quase todo renovado e nova produção.