Essa matéria não é para assustar quem quer ingressar na carreira ou acabou de chegar, no entanto, é uma conversa bastante necessária.

Quem é maquiador profissional ouve muitos elogios e comentários sobre como é tudo muito lindo e como a pessoa queria saber maquiar assim, mas não tem o “dom”, etc. É muito comum ouvir esses tipos de coisas. É claro que são elogios e é gratificante saber que admiram o nosso trabalho, no entanto, não é tarefa fácil, e o “dom” é conquistado através de muito estudo, treinamento e esforço, e põe esforço nisso!

O caminho começa quando é despertado o interesse na profissão, assim, já começa o trabalho de pesquisar. A pessoa pode começar vendo alguns vídeos online sim e treinar em familiares e amigos, mas é fundamental procurar um bom curso.

Pode-se começar com alguns cursos básicos de auto maquiagem, para experimentar, mas, se for tomando mesmo gosto pela profissão vale partir para os cursos profissionalizantes, que geralmente duram cerca de um ano. Daí é investir em material e, realmente, treinar bastante. No início parece que não vamos acertar nunca, depois parece que nascemos para isso! Claro, nunca se deve parar de aprender, porque sempre surge novidade. Então é hora de investir em novos cursos e workshops, o aprendizado não para nunca!

Feitos os cursos, comprados os materiais básicos, o maquiador precisa construir o seu portfólio, mesmo que no início suas modelos sejam mãe, irmã, prima, amiga, etc. Um bom marketing, como páginas nas redes sociais, é preciso para se divulgar. Não é fácil conquistar os primeiros clientes, mas com perseverança se chega lá. A cada maquiagem feita, mais confiança se ganha e o amor pelo trabalho aumenta.

Já no caminho, não pense que o esforço acabou. É preciso continuar treinando, estudando e buscando boas formas de divulgar o trabalho, fora a árdua luta para ser valorizado, pois, como muita profissão, nem todos querem pagar o preço justo, afirmando que “é só um pozinho e um batom”  e outros tristes “argumentos” que todo maquiador está acostumado a ouvir. É muito comum achar que é coisa que se faz rapidinho e é só um pouquinho de produto quando se fez todo um investimento e se reservou o tempo do profissional. Sim, o seu tempo também conta, afinal, nem é preciso lembrar o ditado, não é mesmo?

Se o maquiador trabalha na área artística – como teatro, cinema, tv, etc.-, pode ter ouvido que “o seu trabalho pelo menos, você faz naquela hora e acabou!”. Não, não acabou não. Aliás, nem é ali na cadeira de maquiador que começa. É preciso ir a reuniões, ler roteiros, fazer testes e testes para saber o que funciona, tomar cuidado para não ficar nada diferente, por conta da continuidade e, se for o caso de cinema ou tv, estar no set para retocar. No caso do teatro, estar no camarim, mas é entre uma cena e outra e com muita rapidez se for o caso de trocar ou refazer alguma coisa, pois no teatro não tem corte.

Outro detalhe sobre a vida do maquiador, é que nem sempre se tem um camarim equipado, uma boa luz, cadeira, etc. Ainda mais se for trabalhar com gravação ou sessão de fotos em locação externa. A cadeira do seu “camarim” pode ser um banquinho, a calçada, ou até uma pedra. Porém é divertido na maioria das vezes.

E depois disso tudo? Limpar pincéis, arrumar material, comprar itens novos, renovar portfólio e uma infinidade de coisas para se manter ativo e lembrado pelo mercado. Não é nada fácil, não é só glamour, como muitos pensam, mas quem ama o que faz sabe que vale a pena o esforço.

A melhor parte disso tudo? Ver o resultado. É muito bom, depois de todo o processo, ter a sensação de dever cumprido e se sentir realizado.