Em cena, as atrizes/performers Giulia Grandis e Ludmila Wischansky dividem o espaço cênico com um “morto” e com o público em duas apresentações diárias

Uma performance em que um homem morto e duas mulheres feridas convidam o público para um velório coletivo em que a postura diante do luto é colocada em questão. Essa é a proposta de “Caixa Preta”, instalação teatral que discute do tabu da morte, que inaugurou no dia 21 de março no Teatro III do Centro Cultural Banco do Brasil, com apresentações de quinta a domingo, às 17h e às 19h, até 21 de abril, com ingressos a partir de R$ 15.

Nascida do encontro do diretor argentino Fernando Rubio e das atrizes Giulia Grandis e Ludmila Wischansky, a obra teve como inspiração e ponto de partida a escultura “Pai Morto”, de Ron Mueck, e o livro “História da morte no ocidente”, de Philippe Ariès, além de vivências dos três relacionadas à morte e ao luto. Ao longo de toda a temporada, o “velório-instalação” estará aberto à visitação do público, com entrada gratuita, diariamente entre 9h e 21h, (exceto terça-feira).

A performance começa na rotunda do CCBB, com as duas atrizes atravessando o cotidiano dos visitantes do centro cultural antes mesmo de ingressarem no Teatro III. Em cena, as duas mulheres encontram-se diante de um cadáver de um homem. A disposição cênica e projeções nas paredes convidam o público a circular pelo ambiente para velar esse corpo sem vida. É justamente essa contemplação fúnebre que dispara e desenvolve a relação entre as personagens e os espectadores. Não se sabe quem são essas mulheres, nem qual é a relação delas com o falecido. A cada situação, conversa, silêncio, projeção, movimentação se torna mais presente o mistério e a curiosidade sobre as duas.

“Não quis me limitar ao campo das ações. ‘Caixa Preta’ é um trabalho de reflexão sobre a experiência de cada um. É sobre a morte de pessoas que temos contato, de desconhecidos, e da expectativa da nossa própria morte, e como nos comportamentos diante dessa realidade. É a vivência do luto coletivo, numa sensibilidade que atravessa a todos nós”, conta o diretor Fernando Rubio.

“Assim como em um velório, o público tem a liberdade de permanecer no Teatro III o tempo que desejar. Pode também sair e regressar quantas vezes julgar necessário, assim como as atrizes. É possível, também, acompanhar tudo à distância, por meio de totens espalhados pelo CCBB que transmitem em tempo real a performance”, explica.

Foto: Divulgação (Crédito: João Julio Mello)

A dramaturgia inédita de Fernando Rubio foi construída durante o processo de criação da montagem a partir de um desejo comum entre as atrizes Giulia Grandis e Ludmila Wischansky e o diretor em falar sobre a morte, um tema por muitas vezes desconfortável, porém natural e inevitável. “Caixa Preta” propõe um olhar reflexivo, crítico, amoroso, por vezes dramático, por vezes humorado, sobre nossos comportamentos e construções face à morte. “‘Caixa Preta’ trata da morte num conceito mais arquetípico num lugar que transcende o teatral”, define Ludmila Wischansky. “Propõe ainda outra construção ritualística por meio de um olhar renovado e não fixo em relação ao luto”, completa Giulia Grandis.

“Caixa Preta” é a quinta montagem de Fernando Rubio a ser apresentada no CCBB. Conhecido por suas intervenções artísticas ao ar livre e em centros culturais, o artista esteve no festival Cena Brasil Internacional em 2013 como o projeto “Podem deixar o que quiserem” e em 2014 com Tudo ao que esta ao meu lado, uma performance realizada na rotunda do CCBB. Ano passado, o artista argentino levou para o mesmo festival as intervenções O tempo entre nós e Eu não morro, não mais, que foram realizadas com atores brasileiros.

Para outras informações sobre o espetáculo como ficha técnica e serviço, acesse nossa agenda:

Agenda