Férias: Época de repouso. Sinônimo de: descanso, folga.

Não fazer nada por opção é diferente do que não fazer nada, quando não se tem o que fazer.

Não importa se é do trabalho, estudos, marido, esposa, pais… Não importa se é viajando, em casa, fazendo tudo ou fazendo nada.

A verdade é que a gente gosta de reclamar por ter muita coisa para fazer, mas não suportamos a ideia de ter tempo ocioso. A gente literalmente precisa fazer alguma coisa, qualquer coisa.

Bom mesmo é estar de férias, melhor ainda é saber que ela tem data e hora para acabar – não se assuste, por favor. Mas tem coisa melhor do que reclamar da rotina cansativa, exaustiva e maratonista de todo santo dia?
Acordar já sabendo o que vai ser feito durante o dia economiza muito o nosso tempo pensando no que fazer, a gente já acorda com um destino.

É muito bom também não ter hora para acordar, poder ir dormir mais tarde sem culpa, sair por um dia sem destino… Mas não é essa vida que você quer para sempre entende? Você quer ter do que reclamar, quer ter que correr para lá e para cá, essa é a graça da vida, ter uma vida para ser vivida de verdade, errando, acertando, tentando de novo, reclamando e agradecendo.

Eu te entendo, tem horas que a gente não aguenta mais e quer mudar tudo, mudar de rumo. E é nesse momento que a gente pensa que quer mudar, mas não em mudar para não fazer nada e sim mudar para continuar fazendo coisas, só que outras coisas. Sempre ocupando o tempo.

A graça é essa, onde mesmo que uma vez por ano se programar para descansar, para tirar férias, se programar para não ter um programa sabendo que é passageiro, você precisa daquela contagem regressiva faltando 7 dias para o grande mês de descanso e você precisa dos mesmos 7 dias de contagem pelo fato das mesmas férias estarem acabando, isso faz com que você queira fazer planos e viver sem roteiro.

Aproveita esse trabalho. Aproveita os seus estudos. Aproveita os seus dias de cansaço. Aproveite a vida. Esse texto está longe de ser motivacional, mas ás vezes a gente precisa de um chaqualhão, para aprender apreciar todas as coisas do dia, sendo boas ou ruins.

Por Rayane Ramalho