Uma visão pessoal, sobre o filho do Jair Bolsonaro que passou mal ao vivo durante o debate eleitoral.

Sim, ele passou mal e não há nada de engraçado, ou de bem-feito nisso. Não vejo razão nenhuma para textos dizendo: Tomou… Tomou… Afinal de contas a saúde do ser humano é o bem mais precioso que ele tem, seja ele facista, ativista gay, feminista ou machista. O destempero de quem escreve coisas do tipo; bem feito, teve que pensar e caiu… só mostra que somos intolerantes e insensíveis em ambos os lados.

Aos gays que desejam, dizer bem feito pro candidato; lembrem-se de que quando surgem os primeiros casos de Aids, diziam que era deus exterminando os gays e ainda hoje 14% dos Americanos acreditam que a doença é uma punição divina – leia aqui.

Aos negros que disseram bem-feito ao candidato que passou mal, lembrem-se de que nossas mães e avós receberam (e em alguns casos ainda acontece) menos anestesia na hora do parto, por que acreditava-se negro tenha mais resistência a dor – leia aqui.

(Minha mãe poderia lhes contar o que aconteceu em 1986 na Santa Casa de Juiz de Fora, quando ela prometeu ter filhos só se fosse em hospitais particulares. Minha irmã nasceu somente oito anos depois do trauma.)

No último acampamento evangélico que participei, de uma igreja de  que eu não conhecia muito bem, eu que sou muito alérgico a vários produtos, tive uma reação a alguma coisa na comida. Acabei passando mal e durante o culto tive que sair por que estava com língua inchada olhos lacrimejando.  Fui ao banheiro vomitar.

Criou-se um pandemônio na porta do banheiro… o que se ouvia lá do lado de fora: “Ele está manifestando, por que é homossexual, deus está tratando dele”.

Eu nunca vou me esquecer. Eu estava passando mal e ninguém veio me ajudar. Sem contar a vergonha de ter “manifestado” o demônio, além do medo de ter um demônio ali, rs. Eu lembro de tudo, principalmente da falta de compaixão. Não me perguntaram, Será que você tá bem?

Portanto reflita se ao ver uma pessoa passando mal, o deboche é a melhor opção. Seja pelo que for respeitar é a coisa mais humana a se fazer. Acredito que este tipo de reação seja o efeito das novelas na cabeça do povo; Paga-se o mal com o mal.

Sim, fora Bolsornaros! Fora facismo!

Mas, ao ser que passou mal espero que esteja bem. Por que é a idéia do filósofo (famosamente racista) chamado Voltaire que vou adaptar é a seguinte:

“Eu posso não concordar com você, mas vou lutar sempre para que tenha o direito de discordar de mim (acrescento o com saúde), pois quando isso parar de acontecer, não viveremos mais em uma democracia.”

Por: A. D. Júnior

Show Full Content
Previous Daniel Gravelli exibe curtas em Niterói
Next A culinária da adversidade

3 thoughts on “Flávio Bolsonaro passou mal. Bem feito pra ele?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close