Galeria - faixa

O “carioquês” indígena

Carinhosamente intitulada “O Rio de Janeiro Continua Índio”, a exposição no salão 1 do Centro Cultural da UERJ, Campus Maracanã, começou no dia 07 e vai até o dia 29 de abril. Com visitação de segunda à sexta, das 09h às 20h, ela apresenta ao público a influência ancestral dos índios no estilo de vida carioca.

13062916_255765128103384_4133768569137294109_o

Traçando um panorama do início da colonização até os dias atuais, a exposição apresenta práticas sociais como o trabalho, fé a as línguas derivadas do Tupi-Guarani. Além disso, ela trata da participação dos indígenas na construção intelectual e física da cidade como o trabalho em obras de históricos monumentos cariocas.

O objetivo “O Rio de Janeiro Continua Índio” é mostrar que a cidade do Rio de Janeiro tem uma enorme herança indígena que pode ser observada através do patrimônio imaterial e material, até mesmo linguístico, passando a conhecer a história de diversos povos que um dia habitaram a cidade maravilhosa.

 Foto: Parte da exposição “O Rio de Janeiro Continua Índio”, quando exposta no Antigo Palácio da Justiça do Rio. Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil.

Foto: Parte da exposição “O Rio de Janeiro Continua Índio”, quando exposta no Antigo Palácio da Justiça do Rio. Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil.

Serviço:

Período: De 07 à 29 de Abril de 2016.
Dias e Horários: De segunda à sexta, das 09h às 20h
Local: UERJ (Campus Maracanã) – Rua São Francisco Xavier nº 524, Maracanã, Rio de Janeiro –RJ.
ENTRADA FRANCA.

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.