O Instagram aos poucos está se tornando a principal rede social da internet, e este nosso vício no insta está provocando ecos no mundo da moda. Pensando na importância que o Instagram tem em nossas vidas foi que a Maison Margiela construiu sua coleção para a Semana de Alta Costura na semana passada

“Quando voltei a criar, fiquei impressionado pelo fato de as pessoas estarem assistindo os desfiles através de seus celulares”, contou o estilista da label John Galliano.

Mas ao invés de fazer como muitas marcas e incentivar os espectadores a deixar os celulares em casa, ele estimulou o uso dos smartphones durante o desfile.

Isso porque alguns tecidos utilizados eram de poliuretano, um material fotossensível que ao ser iluminado pela luz dos flashes ia do cinza ou preto à uma peça brilhante e multicolorida, dependendo do seu ângulo a peça seria diferente, de acordo com a iluminação.

Durante a concepção do desfile a equipe da Margiela gravou cada momento do processo, olharam as imagens e alterarem o planejamento conforme o que viram nas imagens. Ou seja, o desfile não era para quem estava presente no momento, e sim para os que veriam as fotos pelo instagram e outras redes sociais.

Até mesmo a maquiagem seguiu a mesma linha, as makes criadas por Pat Mcgrath eram repletas de glitter holográfico ou cromado seja nos olhos, nos lábios ou em aplicações que contornavam o maxilar. Com os cabelos não foi diferente: o hairstylist Eugene Souleiman usou aplicações de materiais inusitados nas perucas, viseiras e capacetes feitos de tecido.

O conceito por trás do desfile era de, através das mudanças de cores e do congelamento das imagens através das fotos, fazer uma crítica à sociedade moderna que depende cada vez mais da rapidez e da tecnologia.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Cecília Quevedo

Cecília é brasileira sofredora de 7x1, eterna admiradora da seleção de 82 e de um futebol bem jogado. Gosta de samba, moda, literatura, artes plásticas e coisas que envolvam a América Latina de uma forma geral. No mais, acha extremamente difícil falar de si na terceira pessoa.

Previous Red Carpet: Um negócio milionário
Next Resenha: A Rainha Normanda, de Patricia Bracewell

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close