A cultura transforma

Reafirmando seu compromisso com o que é valioso para os brasileiros, o Banco do Brasil (BB) lançou uma campanha protagonizada pela história real de Adilson Dias da Silva. Em duas peças publicitárias, um filme de 1′ e um minidocumentário de 3’40”, destaca-se a relevância do investimento do BB na cultura.

Os filmes contam a trajetória de um menino de rua que entra no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (CCBB RJ) para matar a sede e acaba encontrando um manancial para sua alma e para sua vida. Adilson se apaixonou pela cultura e se tornou um artista profissional e multidisciplinar.

Além de emocionar, mostrando o poder transformador da arte, a campanha ainda convoca o público a fazer como o Banco e compartilhar cultura nas redes sociais usando a #CompartilheCultura.

Cenário de muitas histórias

Há 28 anos, os CCBBs mantêm-se com como espaços de referência de cultura no país, ao exibir os mais diversos espetáculos, exposições, mostras de cinema e debates com entrada gratuita ou com ingressos a preços acessíveis.

O início de tudo foi exatamente no Rio de Janeiro, em 1989, quando surgiu o primeiro Centro Cultural com o propósito de se tornar referência na área. Atualmente, são espaços e pontos de atração dos mais diversos públicos, que podem ser encontrados em outras três localidades – Brasília, São Paulo e Belo Horizonte.

Centro mais visitado do Brasil

Levantamentos anuais realizados pela publicação britânica The Art Newspaper dão conta de que o CCBB RJ é o espaço cultural mais visitado do Brasil desde 2012, além de abrigar algumas das exposições mais vistas no planeta. Somente em 2017, o centro carioca ficou com o segundo lugar no Top 10 na categoria “Pós-Impressionistas e Modernos” com a mostra “Mondrian e o Movimento De Stijl”, ficando à frente de mostras sobre René Magritte e Picasso, por exemplo, realizadas em Paris e Madri. Na categoria “Temáticas”, ocupou o quarto lugar com “Entre Nós – A figura humana no acervo do Masp”, e o oitavo posto com a mostra “Los Carpinteros: Objeto vital”, na categoria “Contemporâneas”.

O reconhecimento aos projetos realizados nos CCBBs, de um modo geral, com premiações nacionais, como APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), Shell, Cesgranrio e ABCA (Associação Brasileira de Críticos de Arte), contribui positivamente para a marca Banco do Brasil, ao reforçar a identidade de instituição financeira que valoriza e investe no acesso e na formação cultural da sociedade.

CCBBs na nuvem

Uma parceria entre o Banco do Brasil e o Google Cultural Institute possibilita que o mundo inteiro possa ver, de onde estiver e na hora que quiser, o acervo fixo e de exposições temporárias dos quatro Centros Culturais Banco do Brasil (CCBBs).

Por meio do aplicativo do Google Arts & Culture, disponível para Android e iOS, o usuário pode visualizar algumas exposições de sucesso realizadas nos Centros, além de visitas virtuais pelas instituições, passeios em realidade virtual e obras capturadas pela Art Camera do Google, um equipamento que registra imagens com tamanha qualidade, que permite que seus detalhes invisíveis sejam vistos a olho nu. Para tanto, basta fazer o download do App do Google Arts & Culture.

 

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Daniel Gravelli

Daniel Gravelli é um brazuca que parle français e roda uns filmes por aí. Apaixonado pelos universos da escrita e da atuação, tem um caso com o teatro e morre de amores pelo cinema. Fotógrafo e crítico nas horas vagas, gosta de cozinhar, apreciar um bom vinho e trocar ideias interessantes.

Previous Crítica: Estrelas de Cinema Nunca Morrem
Next Séries brasileiras que viraram filmes

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close