Esse final de semana eu escutei uma frase que me deixou pensativa: “Os de fora, valorizam mais que os de dentro.” Mas será que é verdade? Acredito que sim. Porque “o de fora” é novo, “o de fora” é diferente, “o de fora” é inesperado, “o de fora” é bem tratado. Os jovens promissores de hoje estão buscando serem os de fora a todo instante, para que consigam se encaixar e alcançar o futuro que sonham. Não que no nosso país seja impossível, mas porque nesse país é improvável ser um destaque.

Vamos ser sinceros, muitos jovens investem tempo e dinheiro – quando não o seu próprio dinheiro, o dinheiro dos responsáveis, em busca de uma boa vaga de emprego, com um bom salário e na área que ele escolheu como profissão por toda vida.

Por exemplo: Se eu escolhi estudar publicidade e propaganda, diaxo – quero trabalhar com publicidade e propaganda, isso se aplica em todas as outras áreas, por que eu deveria aceitar trabalhar em uma área similar se eu investi e tenho investido em tudo que acredito?

Eu amo o Brasil (com toda certeza, eu amo esse lugar), é bem aquela história “não há melhor lugar, que o nosso lugar” é assim que eu me sinto aqui, mas ás vezes a gente precisa sair da nossa zona de conforto para ter oportunidades, chances e conhecer novas possibilidades, para voltar “ao nosso lugar” e contar o que vimos por aí.

Eu estou literalmente cansada do papo: Eu preciso sair do país para conseguir chegar ao meu objetivo. Eu preciso sair do país para conseguir ganhar dinheiro. Eu preciso sair do país para ter um bom emprego. Eu preciso sair do país para conseguir qualquer coisa.

Eu preciso mesmo?

No momento sim! As empresas têm buscado estudantes para estágios onde eles precisam ter: experiência, carro próprio, inglês fluente – francês é um diferencial, ter vivenciado um intercâmbio, etc.

Mas como assim? Se você está buscando um estágio, um lugar para colocar em prática tudo o que você aprende na faculdade, como você vai ter todos os requisitos acima se você é apenas um estudante?

Eu conheço uma amiga que foi embora para a Califórnia, conheço um amigo que está de malas prontas para a Austrália, outro amigo que está se preparando para ir morar na Argentina, um professor com planos de ir para a Itália, eu mesma estou me programando para dar um “Até logo” em breve.

Mas todos que estão indo e os que já foram, vão para se especializar, para conseguir um lugar ao sol nesse Brasilzão de meu Deus, mas sabemos bem que a maioria simplesmente não volta, porque é mais fácil conseguir formar um patrimônio lá fora, é mais fácil se estabilizar lá fora, é mais fácil ser o de fora.

Nós não estamos indo porque desvalorizamos os de dentro, mas porque estamos buscando valorização com os de fora. Mas para o Brasil compensa perder a maior parte dos jovens promissores para outros países?

Por Rayane Ramalho


Apoia-se

Show Full Content
Previous A volta de Samara em “Chamados”
Next Crítica: Café Society

2 thoughts on “Por que os nossos jovens promissores estão indo embora?

  1. AMEI O TEXTO! Realmente é dificil ser valorizado aqui no Brasil, a lista de requisitos e experiência não é nem um pouco parte da realidade que os milhões de brasileiros vivem. Queremos ir pra fora pra viver com mais igualdade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close