Faltam menos de um mês para o casamento real. Menos badalado que o casamento entre Kate e William, o matrimônio de Meghan e Harry promete quebrar paradigmas. É claro que não tem como fugir de alguns muitos protocolos reais, existem pelo menos 20 regras que a noiva deverá cumprir durante a cerimônia, além de uma série de protocolos reais. Contudo, esse casamento promete ser diferente de todos os outros da história da realeza. Diana foi talvez a princesa mais fora da curva de toda história da realeza britânica: foi um ícone humanitário, um exemplo de bondade, humildade, e sobretudo uma celebridade – provavelmente a primeira a morar no Palácio de Buckingham. Por mais controversa que fosse, Lady Di tinha sangue azul, quebrou vários protocolos enquanto esteve casada com Charles e mesmo depois de sua separação, mas ainda assim era uma nobre legítima.

Já Kate, foi a primeira plebeia a casar-se com um sucessor direto ao trono inglês. Os dois se conheceram na conceituadíssima Universidade de St. Andrews na Escócia, apaixonaram-se e o resto todos já sabem. Kate não tem nenhuma ascendência nobre, mas ainda assim veio de uma respeitada família de empresários. Ela trouxe de volta a simpatia que pouco se via na família real desde a saída de Diana. Catherine é também um ícone humanitário – não só ela, mas também seu esposo. Ela também quebrou uma série de protocolos reais: quando estava namorando com William, por exemplo, era julgada por não ter um emprego fixo – fazia trabalhos freelancer como fotógrafa. É inegável que os dois modernizaram a família real, a própria conduta dos dois para com seus filhos (William sempre procura estar na mesma altura quando fala com o filho) é uma prova dessa modernização mais que aprovada pelos ingleses que já estavam cansados da postura mais austera de Charles e da própria Elizabeth.

Contudo, Kate e William ainda respeitam muitos protocolos reais que hoje já são bem mais questionados. Kate tem uma postura reservada, bem mais reservada que a de Lady Di. É sim um ícone de estilo e elegância, mas tem uma postura bastante rígida. Além de ter um passado impecável, Catherine evita ao máximo envolver-se em polêmicas ou desrespeitar as tradições da realeza. Sua participação no tapete vermelho do BAFTA foi uma grande prova disso: no evento, todas as mulheres usavam preto em solidariedade ao movimento contra o assédio sexual. Membros da família real não podem usar preto se não em ocasiões fúnebres, mas para escapar de uma possível polêmica, ela escolheu um vestido verde escuro, meio que para ficar no meio do caminho. São raríssimas as polêmicas envolvendo a Duquesa de Cambridge, e as que existem são em grande parte uma invenção da mídia. Kate, inclusive, tem uma ótima relação com a imprensa.

Meghan, assim como Kate, não tem nenhuma ascendência real, mas sua história é bastante diferente. Ao contrário de Kate e mesmo de Diana, Meghan não era uma total desconhecida para a mídia antes de começar a namorar um membro da família real britânica. A atriz já havia participado de uma telenovela, cinco séries e três filmes. Diferente de Kate, Meghan não tem um passado impecável aos olhos conservadores da família real: ela já foi casada anteriormente, o que irá impedir que ela tenha o título de princesa, mesmo casando com o príncipe.

Sua família não é da realeza e nem bem conceituada na Inglaterra (Meghan aliás, nem inglesa é): sua mãe é uma professora de ioga afro-americana – o que a torna, aliás, a primeira afro-descendente a integrar a realeza britânica – e seu pai é um diretor de fotografia. A noiva de Harry tem ainda dois meio-irmãos: um é o instalador de janelas Thomas Markle, com quem ela tem uma relação bem distante e que já foi acusado de violência doméstica e o outro é a ex-atriz Samantha Markle.

Meghan é formada em Relações Internacionais e tem um histórico na ajuda humanitária. Em 2016, Markle tornou-se embaixadora global da World Vision Canada, uma instituição de caridade que trabalha para melhorar as vidas das crianças de todo o mundo. Também trabalha com a “Entidade para Igualdade de Gênero e Emancipação das Mulheres” da ONU. Além disso, ela é conselheira da instituição de caridade One Young World.

Em seu casamento, ela promete quebrar os protocolos: vai entrar na igreja com sua mãe ao invés de seu pai e vai discursar durante a cerimônia, o que nunca foi feito antes. Além disso, o TMZ especulou que a festa terá um show das Spice Girls.

Todos esses seus atos são sim revolucionários, Meghan e Harry vão sim quebrar paradigmas com seu casamento. Mas isso tudo só é possível porque Harry é apenas o quinto da linha de sucessão enquanto seu pai era o primeiro e seu irmão mais velho era o segundo. Além disso, existe uma grande possibilidade que Meghan adote uma posição mais austera e “á la Kate” depois do matrimônio, ela inclusive já deixou de usar o instagram, o que pode ser um sinal de que ela vai se adaptar à família real e não ao contrário. Impossivel saber o que vai acontecer ao certo. O que sabemos é que a cerimônia será no dia 19 de maio e que vai ser o evento do ano.