Filme com Sônia Braga estréia no dia 26 de agosto

O Festival de Cinema de Cannes 2019 foi de festa para o cinema brasileiro por conta do prêmio na mostra Un Certain Regard para o filme de Karim Aïnouz “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” e pelo prêmio do júri dado a Bacurau de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles.

Após o festival, “Bacurau” rodou o mundo e foi constantemente elogiado. Depois do tour, veio ao Brasil em inúmeras sessões de pré-estreia. No dia 19 de agosto foi a vez de São Paulo conferir o filme, a sessão foi seguida por uma conversa com os dois diretores, parte do elenco, o diretor de fotografia Pedro Sotero e a produtora Emilie Lesclaux. Foi um evento tão disputado que juntou uma pequena multidão de pessoas em fila na frente do cinema, o que obrigou a organização a disponibilizar mais duas sessões extras.Depois das exibições, a conversa mediada por jornalistas do jornal Folha de São Paulo começou e durou mais de duas horas. Muito foi dito sobre a confecção do roteiro, sobre o elenco e sobre o teor político do longa, gerando revelações que saíram da boca de Mendonça Filho e Dornelles. O primeiro entregou as referências dos filmes de John Carpenter e Sam Peckinpah para formar sua história de gênero, já o segundo foi taxativo ao dizer que “’Bacurau’ não é um filme sobre vingança e sim sobre resistência”. Claro, não faltaram manifestações políticas com gritos de “fora Bolsonaro” e menções a operação lava-jato.

Com certeza, “Bacurau” vai gerar ainda mais discussões depois de sua estreia, no dia 26 de agosto, e por isso a Woo! Magazine vai disponibilizar duas críticas sobre o filme. Acompanhem o site para ler nossas impressões.