Através de um giro de 360 graus da câmera sobre seu próprio eixo, o diretor William Eubank apresenta, logo no primeiro plano de “Ameaça Profunda”, os três elementos que servirão de base para seu novo filme: os longos e anônimos corredores do laboratório submarino a 10 quilômetros de profundidade no Oceano Pacífico onde grande parte da trama se desenrola; o perigo constante, representado por um aviso de segurança numa parede; e a protagonista da história, a engenheira mecânica Norah, interpretada por Kristen Stewart. Logo, com os pilares do filme devidamente apresentados em pouquíssimo tempo, Eubank e os roteiristas Brian Duffield e Adam Cozad sentem-se livres para iniciar a trama imediatamente, com um acidente no laboratório iniciando os conflitos que se estenderão pelos 95 minutos de duração do longa. É uma pena, portanto, que “Ameaça Profunda” tenha tamanha dificuldade em criar qualquer tipo de tensão ou empatia com as personagens a partir daí.

Apesar de entregar uma boa performance, Stewart não é capaz de disfarçar a falta de profundidade dos dramas pessoais de Norah. Marcada pela morte de seu noivo, que se afogou durante um mergulho, a personagem isolou-se do mundo ao aceitar um emprego que a obrigasse a ficar grandes períodos de tempo no fundo do oceano, numa espécie de atitude masoquista que a impede de seguir em frente, como se, submersa, pudesse estar mais próxima do amado falecido. Em teoria, há um potencial nesse arco – a luta pela sobrevivência que a trama impõe sobre ela seria também uma busca pessoal por um novo motivo para continuar vivendo –, porém da forma que é executado, parece ser apenas uma tentativa dos realizadores de enfiar um mínimo de subtexto a uma obra que é, essencialmente, um filme de monstro. Não por acaso, essa mesma sensação também é percebida nos dramas das personagens secundárias, que nunca passam de meros esboços.

Por causa disso, espera-se que, pelo menos, o caráter visceral do filme seja bem-sucedido; o que, infelizmente, não é. “Ameaça Profunda” é carente de tensão, o que, considerando o gênero a que pertence, é uma falha considerável. Isso se deve, em parte, ao distanciamento entre espectador e personagens. Com dramas tão simplórios, é difícil se importar com o destino dessas pessoas e o que essa situação-limite representa para elas. Por outro lado, o diretor tem dificuldade em tornar o ambiente onde a trama se passa e as criaturas que ameaçam as personagens sensorialmente interessantes. Apesar de cumprir bem o seu papel de trazer verossimilhança ao local do laboratório submarino, a direção de arte muitas vezes é monótona, com vários cenários intercambiáveis; a fotografia, mesmo sendo eficiente, encontra poucas chances de explorar uma paleta de cores que fuja do azul, verde e preto (no máximo um vermelho); a trilha sonora se restringe ao bê-á-bá dos filmes de horror, dificilmente se destacando; os monstros são genéricos e imemoráveis. Enfim, a longo prazo, essa falta de variedade deixa o filme enfadonho, com set pieces pouco empolgantes.

Pelo lado positivo, há de se elogiar a decisão dos realizadores em não adotar flashbacks ou qualquer outro dispositivo narrativo que tire a trama do fundo do oceano. Apesar da monotonia visual, pelo menos, nesse sentido, o filme vai até o fim em sua proposta. Entretanto, não é o suficiente para fazer de “Ameaça Profunda” nada mais que um longa genérico (até o alívio cômico ruim e o negro que morre primeiro estão presentes) fadado ao esquecimento pouco depois de sair dos cinemas.


Imagens e vídeo: Divulgação/20th Century Fox


Apoia-se

Ameaça Profunda

2.2
Regular!

Um laboratório submarino é severamente destruído por uma ameaça desconhecida. Agora, os sobreviventes devem lutar para conseguir chegar à superfície.

Direção
Elenco
Roteiro
Pros
  • Kristen Stewart tem bom desempenho
  • O filme evita flashbacks e outros elementos que o retirem do ambiente do fundo do oceano
Cons
  • Os dramas pessoais das personagens são pouco desenvolvidos
  • A monotonia estética e o desinteresse para com as personagens tiram do filme as possibilidades de tensão
  • Genérico e esquecível
Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
João de Queiroz

Passava tardes de final de semana na locadora. Estudou Cinema. Agora escreve sobre filmes.

Previous Jonas Esticado lança primeiro EP “Jonas In Brasília”
Next Confira a lista dos vencedores do Critics’ Choice Awards 2020

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close
CLOSE
CLOSE